Carros

Land Rover vai aposentar Defender para iniciar era da 'lama 2.0'

Murilo Góes/UOL
Land Rover DC100 antecipa formas do utilitário que substituirá o Defender em 2015 Imagem: Murilo Góes/UOL

EUGÊNIO AUGUSTO BRITO
MURILO GÓES

Enviados especiais a Frankfurt (Alemanha)

19/09/2011 08h32

Desde a aquisição pelos indianos da Tata Motors, em 2008, a coalizão Jaguar Land Rover foi obrigada a acelerar o ritmo rumo à atualização, algo quase herético para os defensores da tradição e honraria ingleses, que consideravam os carros e jipões das duas marcas intocáveis como integrantes da família real. Primeiro foi o Evoque, lançado há um mês para ser o primeiro veículo com motor 2.0 da divisão de luxuosos da Range Rover. Agora, a sanha renovadora ousa ao máximo (alguns dirão que terá passado perigosamente dos limites): vão aposentar o Defender.

Os estandes da Land Rover e da Jaguar, posicionados lado a lado no Pavilhão 5 do Salão de Frankfurt, converteram-se em oráculo. Ali foi dito e mostrado que a era Defender, iniciada em 1948 com o patriarcal Série 1 (um jipe feito para servir o exército e a família real ao melhor estilo pós-Guerra), vai acabar em 2015.

Os responsáveis por colocar ponto final a mais 60 anos de história são dois conceitos: o DC100 e o DC100 Sport. O primeiro é um SUV compacto dotado de rodas grandes, linhas robustas e contrastantes olhos de animalzinho carente formados pelos faróis de LED; o segundo é a versão conversível do primeiro modelo, com lataria amarela e jeito de picape. Ambos servem de estudo para o novo utilitário parrudo da marca a ser lançado em até quatro anos para assumir o lugar do atual Defender.

VELHA GUARDA

  • Divulgação

    Defender mudou pouco seu estilo desde anos 1940 (acima à esquerda), mas finalmente terá descanso

  • Divulgação

Segundo os executivos e engenheiros da marca, adaptação é a chave da sobrevivência. As agora futuras "viúvas" do Defender vão dizer que não há utilitário mais adaptável a encrencas e caminhos tortuosos do que ele, o que é fato: bastava mirar o obstáculo, analisar o terreno, engatar a reduzida e deixar o jipão bronco fazer o resto, muitas vezes sem precisar sequer pisar no acelerador. Lamaçais, facões, rios, depressões... o Defender sempre encarou de tudo e se deu bem. Era tão versátil frente ao obstáculos que muitos diziam só faltar trepar em árvores. Só nunca teve jogo de cintura e/ou equipamentos para tratar bem a seus ocupantes (até achar a melhor posição de dirigir é complicado a bordo dele) e, rústico, nunca soube como conquistar a nova geração.

A Land Rover promete que o sucessor vai manter toda a habilidade do Defender para o dia a dia lameiro, mas com o toque necessário de conforto: o DC100 terá motores a diesel e gasolina com sistema start/stop, tração integral, câmbio de oito marchas e caixa de reduzida. Diferente do modelo atual, porém, a tecnologia agregada também será de ponta: as opções de versões híbridas contarão com propulsores elétricos com carregamento por indução (por meio de ondas eletromagnéticas, sem a necessidade de plugar uma tomada), os pneus especiais terão banda de cravos acionável ao toque de um botão, o sistema Terrain-i poderá rastrear o terreno à procura de obstáculos, enquanto um sonar poderá medir a profundidade do trecho alagado à frente.

Além disso, a Land Rover promete conectividade total dentro ou fora do DC100: seu painel de instrumentos é, de fato, um tablet sempre conectado e que pode ser utilizado junto ao carro para traçar as melhores rotas, receber e enviar informações ou ser destacado e servir como ferramenta de trabalho pessoal para o motorista ou ocupante.

Fica apenas a dúvida: lama e tela touch screen combinam?

QUE GATO!

  • Newspress

    Na primeira foto, a frente do C-X16; na segunda, o emblema do felino de óculos escuros: 'cool'

PAGANDO DE GATÃO
A onda modernizante pode ser vista no estande da Jaguar, também, onde o astro é o conceito de cupê C-X16, esportivo de dois lugares, tração traseira e motorização híbrida, que une um V6 de 3 litros e 380 cavalos de potência ao motor elétrico de 95 cv para gerar o torque total de 67 kgfm.

Para os tradicionalistas, a afronta está no visual do C-X16, que lembra uma mistura de Aston Martin e Ferrari, e deve agradar em cheio a novos consumidores dos Estados Unidos e da China, por exemplo. Ian Callum, diretor de design da Jaguar e responsável pelo conceito ser como é, porém, desdenha dos críticos e está tão confiante que chega a brincar com o principal símbolo da marca, o do felino rosnante: quem viu o C-X16 nos primeiros momentos após a revelação pôde perceber que o escudo que adorna a grade frontal trazia um par de óculos escuros improvisado. Perguntado sobre os acessórios, Callum não perdoou: "É para mostrar que o C-X16 é o modelo mais 'cool' da Jaguar".

O jornalista Eugênio Augusto Brito viaja a convite da Anfavea

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo