Carros

Atualizada em 20.08.2015 11h44

GM anuncia investimento de R$ 2 bilhões para fortalecer renovação de frota no Brasil

Danilo Verpa/Folhapress
Jaime Ardila, presidente da GM para a América do Sul, e Grace Lieblein, presidente da GM no Brasil que assumiu o cargo em junho, anunciam plano de renovação da marca Chevrolet no país sentados em frente ao conceito da nova picape Colorado, que pode substituir ou rebaixar a S10 Imagem: Danilo Verpa/Folhapress

Da Redação

A General Motors do Brasil aproveitou a apresentação à imprensa de sua nova presidente, a americana Grace Lieblein, para confirmar que deve investir R$ 2 bilhões no Brasil ainda este ano para fortalecer a estrutura da marca Chevrolet e se preparar para novo ciclo de crescimento, que se tornou seu terceiro maior mercado mundial, atrás dos Estados Unidos (sede) e da China (maior mercado mundial de carros).

O presidente da GM para a América do Sul, Jaime Ardila, afirmou ainda que em 2012 a GM deve investir R$ 1 bilhão no Brasil depois de já ter adaptado suas fábricas para novos lançamentos. Os dois "cheques" fazem parte do montante que pode variar de R$ 5 bilhões a R$ 9 bilhões previsto para o período entre 2008 e 2012, ou seja, que já iniciou e ainda prevê novos investimentos até o final do próximo ano e que marca o processo de renovação do portfólio da marca da gravatinha dourada no país.

GM MOSTRA FORÇA AQUI E LÁ FORA

  • Danilo Verpa/Folhapress

    A nova presidente da GM do Brasil Grace Lieblein posa ao lado do conceito Chevrolet Cobalt, em apresentação à imprensa local

    Grace Lieblein substitui a também americana Denise Johnson no cargo de de chefia da marca no país. Como a antecessora, é engenheira de formação e funcionária de longa data dentro da empresa -- desde 2008, a executiva chefiava a filial mexicana da empresa.

    Johnson foi a primeira mulher a ocupar o quadro de presidência de uma fabricante de automóveis, tendo como missão mudar o rumo da marca no país. Acabou, no entanto, deixando o comando da empresa de forma inesperada (veja link abaixo). Lieblein assume a cadeira tendo o mesmo propósito em vista, mas com a rota mais certa.
     

  • REUTERS/Rebecca Cook

    Além do Brasil, a GM deu mostra de força nos EUA, com impacto direto na Europa. Em reunião com a liderança do sindicato e de trabalhadores da fábrica de Detroit-Hamtramck, o presidente mundial da marca Dan Akerson (foto acima) falou duro: o gigante americano não vai vender seu braço europeu, a alemã Opel.

    A fala do presidente chega para tentar conter especulações de que a Opel voltaria à prateleira após tentativa frustrada de venda no último ano. A GM pós-crise se livrou, vendendo ou encerrando, marcas deficitárias.

    Outra de suas subsidiárias, a sueca Saab, porém, voltou à entrar em crise após ser negociada.

A ação necessária e esperada prevê um total de nove lançamentos até 2012: em 2008 houve a chegada do Agile; na última semana, provocou a morte do Vectra (carrocerias sedã e hatch) a ser substituído pelo Cruze (o sedã chega em setembro, deixando o hatch para o final do ano) e ainda deve provocar a troca (ou ao menos rebaixamento de status) da picape média S10 por outra mais atual (o conceito Colorado, apresentado nos salões de Bancoc, na Tailândia, e de Buenos Aires, na Argentina, já está no Brasil).

A velocidade da troca de linha também inclui que os sedãs Corsa e Astra devem ser aposentados em breve, dando lugar ao Cobalt (o conceito do novo sedã compacto premium também está entre nós). Por fim, espera-se o lançamento de uma nova família de compactos, muito provavelmente para ocupar o lugar da dupla Celta/Prisma, a serem fabricados na unidade de Gravataí (RS), até 2013.   

REFORÇO CONTRA ORIENTAIS
Para os próximos cinco anos após 2012, a empresa está trabalhando para entrar em novos nichos de mercado, reforçar a presença no segmento de caminhões e enfrentar a chegada de rivais asiáticos no país.

"O nível de investimento vai ter de continuar alto no Brasil. Estamos nos preparando para um novo ciclo", disse Ardila, evitando dar detalhes sobre o nível de recursos que a empresa vai aplicar no país.

O executivo apresentou Grace Lieblein, que comandou por dois anos a operação mexicana da companhia antes de assumir a GM brasileira, terceira colocada em vendas no mercado nacional, em junho.

Na coletiva, Lieblein e Ardila apresentaram dois veículos-conceito, o sedã-conceito Cobalt e a picape Colorado Rally Concept, desenvolvidos em parceira do centro de tecnologia da companhia em São Caetano do Sul e de outras unidades ao redor do mundo. Os carros fazem parte da estratégia enumerada no começo desta reportagem, mas os executivos evitaram dar mais detalhes sobre eles.

Ardila afirmou que a GM está "estudando seriamente" retomar vendas de caminhões no Brasil depois de ter deixado de atender o segmento no início de 2000. Entretanto, o executivo comentou que os planos não envolvem a construção de uma fábrica nova, já que a empresa pode aproveitar linhas produtivas que já possui no país.

Segundo Ardila, a GM trabalha com um horizonte de três anos para começar a vender caminhões no Brasil, engrossando uma lista de montadoras que incluem Scania, Volvo, Mercedes-Benz e Ford, Volkswagen e também a chegada dos chineses ao segmento.

Com informações da agência Reuters
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Carplace
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
UOL Carros

UOL Carros

Cristiano Ronaldo testa supercarro de R$ 7,8 milhões

Dizer que seu produto foi testado e aprovado por uma das maiores estrelas do futebol parece ser um bom argumento de vendas. Foi o que a Bugatti fez. Não que ela precise de muito esforço para vender o hiperesportivo Chiron, mas ainda assim a marca preparou um vídeo promocional em que Cristiano Ronaldo, multicampeão pelo Real Madrid, é convidado para acelerar o supercarro. O atacante experimentou o modelo de absurdos 1.521 cv de potência, capaz de fazer o 0-100 km/h em 2,5 segundos e de alcançar máxima de 420 km/h (e olha que ela é limitada eletronicamente), acompanhado do piloto de testes da marca francesa, Andy Wallace. Confira no vídeo. O próprio jogador fez marketing em cima da ação e publicou imagens do teste em seu Instagram, faturando milhares de curtidas entre seus 91 milhões de seguidores. Dono de um Veyron, antecessor do Chiron, o atual melhor jogador do mundo tem uma coleção de carrões de luxo de fazer inveja, formada por modelos da Ferrari, Porsche, Lamborghini e Rolls-Royce, só para citar algumas marcas. São alguns dos carros do craque os que aparecem ao seu lado no início do vídeo. Ao final da peça, Wallace sugere a Ronaldo que, caso ele queira "ficar com a chave" do Chiron, basta "ligar para a Bugatti?. Não se surpreenda se o goleador lusitano resolver incrementar sua coleção com o Chiron. Para isso ele terá de desembolsar modestos 2,4 milhões de euros, o equivalente a R$ 7,8 milhões.

Best Cars
AutoEstrada
Carsale
Carplace
AutoEstrada
UOL Carros - Blogs - Blog Car and Driver Brasil
Carpress
Carplace
Carpress
Car and Driver
Carplace
Car and Driver
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Carplace
AutoEstrada
MotorDream
AutoEstrada
Topo