Carros

Lei do mercado: os carros (ou carroças) não vão ficar mais baratos

Folhapress
Não é fácil (nem barata) a vida do motorista que opta por um carro feito no Brasil Imagem: Folhapress

JORGE MEDITSCH

Colaboração para UOL Carros

11/07/2011 11h24

Em 1994, voltei para o Brasil depois de passar alguns anos nos Estados Unidos como correspondente. Foi um choque. O país vivia a festa do real, a nova moeda, supervalorizada e, aparentemente, abundante. Os salários da classe média brasileira estavam mais altos do que os dos americanos com funções semelhantes e os preços daqui, absurdamente mais altos do que lá.

De forma menos intensa, estamos vivendo uma época semelhante. A disponibilidade, seja de dinheiro no bolso ou de crédito a longo prazo, ajuda as vendas a aumentarem. Vendem-se mais carros, imóveis, roupas, viagens e até comida. E, como há milênios todo mundo sabe, maior a procura, maiores os preços.

Quando retornei ao Brasil, a indústria automobilística não estava conseguindo atender à demanda. O ágio reinava. Os carros populares, ainda uma novidade, que eram tabelados por volta dos R$ 8 mil, eram vendidos por R$ 11 mil ou mais. E ninguém deixava de comprá-los. Quem tinha um pouco mais de dinheiro pagava preços absurdos por importados, muitas vezes de qualidade baixa, apenas pela novidade.

Hoje, as vendas de automóveis continuam crescendo, mesmo que num ritmo menor que há um ano. A maioria dos fabricantes no Brasil trabalha no máximo de sua capacidade e continua a investir em novas instalações e na ampliação das já existentes. Com os consumidores dispostos a comprar, não dá para enxergar razões para que eles, seus revendedores e financeiras pensem em reduzir suas plácidas margens de lucro.

Ninguém discorda que, no presente, o Brasil é um dos países mais caros no mundo para se viver. A carga de impostos e a infraestrutura oferecida em troca chegam a lembrar o tempo do Brasil colônia, quando a maioria da arrecadação ia para Lisboa e, por aqui, faltavam estradas, segurança, saneamento e educação. Quem viaja para os Estados Unidos e Europa deveria dar um tempo nas suas visitas aos shopping centers para dar uma olhada nos supermercados -- neles, vai descobrir que pão, leite e outros alimentos básicos são mais baratos por lá do que aqui. Não é só o Big Mac.

O BARATO FICOU CARO
Além de pagar caro, nós, brasileiros, estamos condenados, pelo menos por algum tempo, a comprar veículos já superados tecnicamente. Nossos carros são menos confortáveis, consomem e poluem mais e são muito menos seguros do que os lançados no exterior nos últimos cinco ou dez anos. A razão é que os grandes grupos internacionais têm políticas globais e o Brasil foi escolhido para ser um grande fabricante de carros baratos, para serem vendidos por aqui mesmo ou para países de baixa renda.

O que está provocando reações da indústria é que o "Custo Brasil" disparou, inviabilizando a venda de nossas carroças motorizadas no exterior. Pelos preços que têm, os automóveis brasileiros competem com produtos muito mais modernos, econômicos, melhor equipados e mais seguros, fabricados em outros países. E a diferença já é tanta que, mesmo aqui, carros que pagam 35% de impostos de importação conseguem ser competitivos.

Economia é um campo muito complexo. Preços são regulados por vários fatores, além dos impostos e dos custos de produção. Concorrência é um fator que pesa muito: produtos melhores por menor preço ou produtos equivalentes por preço menor provocam redução nas margens de lucro e melhoria na qualidade dos automóveis. Pode ser que a chegada de novas marcas ao mercado brasileiro acabe ajudando nesse sentido.

O QUE INTERESSA É VENDER
É bom lembrar, no entanto, que a maioria dos carros importados é trazida pelos grandes fabricantes, que aplicam a eles margens de lucro ainda maiores que as obtidas nos nacionais -- uma forma de manter os produtos locais competitivos. Há uns cinco ou seis anos, fiz uma matéria sobre o Volkswagen Jetta, fabricado no México, um carro que, na época, era um derivado do Golf duas gerações mais novo que o fabricado no Brasil, mas custava pouquíssima coisa mais que a versão mais cara do hatch nacional. Mais potente, mais equipado, mais confortável e mais seguro.

Alfred Sloan, que comandou a General Motors por muitas décadas, disse uma vez que a razão de ser da indústria automotiva não é fabricar carros, mas vendê-los. Uma obviedade, mas que muita gente esquece: empresas existem para ter lucro. Enquanto os consumidores tiverem condições e estiverem dispostos a pagar caro e os cidadãos não pressionarem efetivamente para que os impostos diminuam, os preços não vão cair. Nem os dos carros, nem os dos imóveis, eletrônicos, leite, pão, carne, feijão e arroz.

Jorge Meditsch, jornalista, é editor do site AutoEstrada e colunista da revista Auto Esporte. Trabalhou nos Estados Unidos como correspondente de pubicações brasileiras.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo