Carros

Maduro, Volkswagen Golf tenta manter apelo jovial

Luiza Dantas/Carta Z Notícias
Versão Sportline empresta requinte, bom recheio e ajuda o veterano Golf a se manter competitivo Imagem: Luiza Dantas/Carta Z Notícias

Da Autopress

Especial para o UOL

12/10/2010 16h50

Alguns automóveis parecem não sentir o peso da idade. Especialmente no segmento de hatches médios, que atrai um consumidor que quer fugir dos compactos sem ter de se submeter ao visual mais austero dos sedãs -- normalmente identificados como “carro de tiozão”. Nesta linha, o Golf se mantém no mercado brasileiro. Com 12 anos de estrada, duas gerações defasadas em relação ao modelo europeu e apenas uma reestilização no currículo, o dois volumes da Volkswagen atualmente registra médias de 1.500 unidades mensais. É verdade que é o quarto em seu nicho -- perde para Hyundai i30, Chevrolet Astra e Ford Focus. Mas fica à frente de projetos mais novos, como Chevrolet Vectra GT, Citroën C4 e Nissan Tiida. E cabe à versão Sportline a importante função de manter o Golf com um apelo mais jovem e com uma boa dose de equipamentos.

FICHA TÉCNICA
Volkswagen Golf Sportline 2.0 Tiptronic

Motor:Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.984 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples de válvulas no cabeçote. Injeção eletrônica de combustível multiponto e acelerador eletrônico.
Transmissão:Câmbio automático com seis velocidades à frente e uma a ré e opção de mudanças manuais sequenciais na manopla. Tração dianteira.
Potência máxima:116 cv com gasolina e 120 cv com etanol a 5.250 rpm.
Torque máximo:17,7 kgfm com gasolina e 18,4 kgfm com etanol a 2.250 rpm.
Diâmetro e curso:82,5 mm X 92,8 mm. Taxa de compressão: 10,3:1.
Suspensão:Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira interdependente, com braço longitudinal, molas helicoidais, amortecedores hidráulicas e barra estabilizadora.
Freios:Discos ventilados na frente e discos sólidos atrás. ABS de série na versão.
Carroceria:Hatch médio em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Com 4,20 metros de comprimento, 1,73 metro de largura, 1,45 metro de altura e 2,51 metros de entre-eixos.
Peso:1.247 kg
Porta-malas:330 litros.
Tanque:55 litros.

O modelo parte de R$ 61.170 já com itens de segurança como airbag duplo, freios com ABS e sensores de obstáculos traseiros. Além disso, conta com ar-condicionado automático Climatronic, direção hidráulica, trio, ajustes de altura e de profundidade do banco do motorista e do volante, rádio/CD/MP3 com entradas USB, SD card, interface com iPod e conexão Bluetooth, computador de bordo, controle de cruzeiro, parassóis iluminados, entre outros. No visual, o apelo mais moderno vem com a grade frontal com barras na cor preta, faróis de neblina, rodas de liga leve aro 16 e detalhes em alumínio no interior -- na base da manopla do câmbio, no volante e no descansa-braço das portas.

O teto-solar é opcional e acrescenta mais R$ 2.180 ao preço do Golf Sportline. A versão pode receber, ainda, retrovisor eletrocrômico, sensores de chuva e de luminosidade, volante multifuncional e banco traseiro bipartido e com terceiro encosto de cabeça. Completo, como o modelo avaliado, custa R$ 65.430. Para mover o hatch, o motor é o conhecido 2.0 8V Flex, que gera 116 cv com gasolina e 120 cv com etanol a 5.250 rotações e torque máximo de 17,7/18,4 kgfm a 2.250 rpm. Trabalha com um câmbio automático Tiptronic de seis velocidades, com possibilidade de acionamento manual das marchas na manopla.

Com isso, o Golf Sportline tenta brigar com versões intermediárias de outros hatches médios automáticos, com um preço mais em conta. Mas com a desvantagem de ter um motor menos potente e de ser um projeto mais antigo. O Citroën C4 GLX BVA parte dos R$ 62 mil e o Peugeot 307 Presence Pack começa em R$ 63.100 com o mesmo propulsor 2.0 16V de 143/151 cv. O Ford Focus GLX 2.0 16V automático custa R$ 64.380 com 143/148 cv, enquanto o Chevrolet Vectra GT-X automático chega por R$ 63.792, com 133/140 cv. O líder do nicho, o Hyundai i30, tem preço de R$ 66.300 na configuração automática e usa motor de 145 cv. O concorrente mais próximo em termos de visual datado e propulsor é o Fiat Stilo Sporting, que, com câmbio automatizado Dualogic e ar automático, sai por R$ 65.740 e tem motor de 112/114 cv. (por Fernando Miragaya)

IMPRESSÕES AO DIRIGIR
Golf Sportline 2.0 Tiptronic

É difícil virar a chave da ignição de um Golf e não sentir um certo “dejà vú”. Afinal, com exceção do câmbio Tiptronic -- tecnologia um pouco mais contemporânea, pelo menos no Brasil --, o conjunto mecânico do hatch médio da Volkswagen é veterano e conhecido de longa data. A começar pelo motor 2.0 8V de 120 cv, passando pela suspensão traseira interdependente e até no chassi, que data de 1998, apesar da casca sutilmente renovada na reestilização de 2007. Mesmo assim, o dois volumes feito em São José dos Pinhais mostra virtudes que nem mesmo o tempo empanou. A começar pelo desempenho. O veterano propulsor oferece respostas rápidas e tem uma boa sincronia com a caixa automática de seis velocidades.

Com isso, as arrancadas são eficientes e só mesmo depois dos 60 km/h o modelo parece perder um pouco do ímpeto inicial. O que resultou em um zero a 100 km/h em 10,9 segundos com etanol. O melhor do motor está reservado mesmo para as retomadas. É que os 18 kgfm de torque já enchem o propulsor aos 2.250 giros. Ou seja, em uma faixa baixa de rotações é possível fazer ultrapassagens sem sustos, até porque o câmbio Tiptronic -- com possibilidade de mudanças sequenciais na manopla -- não deixa qualquer gargalo ou buraco na hora em que o motor é exigido, mesmo que abruptamente.

Outra virtude é o tradicionalmente exemplar equilíbrio do Golf. Mesmo para um projeto antigo, o modelo oferece uma rigidez torcional boa e uma suspensão acertada -- que ainda otimiza uma condução mais esportiva e absorve bem as irregularidades do piso. Com isso, tanto em curvas como em retas, o hatch não faz qualquer menção de desgarrar em velocidades normai”. Só mesmo acima dos 120 km/h é que a comunicação entre rodas e volante fica um pouco menos precisa. O susto mesmo vem na hora de parar no posto de combustível. Com puro etanol no tanque, o velho motor bem disposto entregou uma perdulária média de 4,6 km/l, em uso 2/3 urbano e 1/3 rodoviário.(por Fernando Miragaya)

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo