Carros

Volkswagen Gol Rallye veste roupa de aventura por R$ 40.370

Divulgação
Com volta da versão Rallye, Novo Gol adere ao estilo pseudo-aventureiro,
e busca mais fôlego para corrida contra o rival Fiat Novo Uno
Imagem: Divulgação

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em Campinas (SP)

A Volkswagen apresentou nesta terça-feira (21), em Campinas (SP), mais uma versão do líder de vendas Gol. Com a quinta geração do hatch lançada em julho de 2008, e a versão com câmbio automatizada (I-Motion) revelada em outubro de 2009, a marca mostra agora a roupagem aventureira para, como novo marco anual, manter o modelo atualizado e com fôlego para sustentar a primeira colocação.

Para quem preferia uma versão esportiva, vale lembrar que a Volks considera o filão "off-road leve" (mais visual que prático) mais importante no atual momento: é relativamente mais barato de desenvolver e tem aceitação de público. Assim, esta nova edição do Gol Rallye (a versão surgiu pela primeira vez na geração 3 do Gol, sendo remodelada na geração 4) chega às lojas com receita similar à adotada pela picape compacta Saveiro Cross, que por sua vez se inspirou no renovado CrossFox, e preços de R$ 40.370 (com câmbio manual) ou R$ 43.030 (I-Motion, com câmbio automatizado).

Com estes valores iniciais, o Gol Rallye desfila com para-choques diferenciados (o frontal, todo em plástico preto, tem abertura invertida e mais larga em relação ao da peça original), moldura para rodas, adesivos exclusivos, spoilers pretos, faróis e lanternas com máscara negra e faróis de neblina que acumulam a função de luz de longo alcance. Rodas e pneus de 15 polegadas e perfil mais alto (205/55 contra o habitual 170/55 aro 14) e suspensão retrabalhada (com molas, amortecedores, barra estabilizadora e eixo traseiro mais rígidos) aumentam a distância para o solo em 28 mm, em relação a um Gol "civil" (no total, o vão livre chega a quase 15 cm). Há ainda cores diferenciadas para o hatch, como o amarelo Solaris da imagem acima, que tentam dar mais ânimo ao modelo em seus dois anos de vida.

A oferta de equipamentos, no entanto, é similar à de qualquer Gol, incluindo a vasta lista de opcionais. De fábrica, o Gol Rallye traz interior escuro com detalhes cromados e brilhantes, direção hidráulica, trio elétrico e porta-malas com abertura elétrica, entre outros. Ar-condicionado, airbags, freios com ABS, volante multifuncional (com aletas de troca de marcha para o I-Motion), computador de bordo I-System e sistema de som multifunção são comprados a parte.

A fábrica fala em quatro rivais para o Gol Rallye, embora não nomeie nenhum. Um detalhe, sintomaticamente, dá pista de qual é o principal adversário (embora a dica nem fosse necessária): os bancos com decoração em alto-relevo (embossed) trazem o nome Rallye estampado sublinhados por uma série de pequenos quadrados de cantos arrendondados... impossível não lembrar imediatamente dos motivos "round-square" (o literal quadrado redondo) do Fiat Novo Uno, que tem sua versão aventureira Way, e vem mordendo o calcanhar do Novo Gol há algum tempo.

  • Divulgação

    Gol ganha certa robustez com adereços "mateiros" da versão Rallye, mas seu
    habitat segue sendo o asfalto, preferencialmente de boa qualidade

IMPRESSÕES AO DIRIGIR
Da pista, em teste que envolveu longos trechos rodoviários e de terra batida, veio a certeza: assim como a maioria de seus companheiros "aventureiros", o Gol Rallye prefere buracos, valetas e poças d'água do asfalto. Em terreno mais atribulado, o motorista terá praticamente o mesmo desempenho que teria a bordo de um Gol tradicional, com a ressalva da maior altura livre para o solo, que pode livrar o assoalho de raspadas perigosas.

Ainda assim, é mais recomendável colocar os atributos do Gol Rallye para impressionar seus amigos na ida à balada: o interior escuro com detalhes brilhantes nos painéis das portas vai ficar melhor nestas condições do que sujo de terra, por exemplo. O mesmo pode ser dito das rodas aro 15 pintadas de cinza e dos pneus de uso urbano (de acordo com a ficha técnica, nem de uso misto são), embora o conjunto de suspensão mais alto e duro salte mais em lombadas e afins.

Com o pé no acelerador, o desempenho do motor VHT de 1,6 litro é o mesmo de sempre, inclusive quando gerenciado pela caixa automatizada ASG, como no modelo I-Motion testado. Os trancos foram menos sentidos, mas isso não quer dizer que tenham desaparecido (já que a Volkswagen afirma não ter feito qualquer alteração neste sentido). Os números, aliás, seguem o padrão: aceleração de 0 a 100 km/h em 11,1/10,8 s com gasolina e álcool, respectivamente (o manual é ligeiramente mais rápido), velocidade máxima de 182 km/h (180 km/h no manual) e consumo médio estimado de 13,85 km/l com gasolina e 9,64 km/l com etanol (14,16/9,71 km/l no manual).

Viagem a convite da Volkswagen do Brasil

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Best Cars
AutoEstrada
Carsale
Carplace
AutoEstrada
Carpress
Carplace
Carpress
Car and Driver
Carplace
Car and Driver
Carpress
Carplace
AutoEstrada
Best Cars
Best Cars
Carsale
Carplace
Carros
Carplace
AFP
Carplace
Best Cars
Carplace
Carplace
Carplace
Best Cars
Carplace
Motos - Da Redação
Carplace
Da Redação
Carplace
Best Cars
Carpress
Carplace
Carplace
Da Redação
Da Redação
Carplace
Carpress
Carplace
AutoEstrada
MotorDream
AutoEstrada
Carpress
Carplace
Carpress
MotorDream
Carpress
Best Cars
Carplace
Topo