Carros

Cupê híbrido Honda CR-Z mostra bom desempenho e muita eficiência

Divulgação
Vendas iniciais do híbrido CR-Z chegam a 8 mil unidades, contra expectativa de mil carros Imagem: Divulgação

Da AutoPress

Especial para o UOL

27/08/2010 18h43

Por necessidade ou por moda, a consciência ambiental chegou de vez ao mundo automotivo. Os híbridos se espalham entre os fabricantes em propostas cada vez mais distintas. Agora foi a vez da Honda entrar nessa lista com o cupê CR-Z. Só que não fica claro se a intenção do modelo japonês é ser um híbrido com alma de esportivo ou o contrário. Visto de lado, o que se vê é um carro de aspecto esportivo, com perfil baixo que parece atacar o asfalto. Mas, de frente, o CR-Z tem um design amigável, com faróis e grades que parecem sorrir e convidar o motorista a entrar no carro.

Como é de se esperar, sob o capô o CR-Z ostenta dois motores. O a combustão é o i-VTEC de 1,5 litro, 114 cv a 6.100 rpm de potência e 14,7 kgfm de torque máximo a 4.800 rotações. Esse propulsor é assistido por um motor elétrico de 14 cv e 7,9 kgfm. Juntos, os dois chegam a uma potência combinada de 124 cv e 17,7 kgfm de torque máximo.

O cupê híbrido da marca japonesa funciona com o motor i-VTEC sempre ligado. As baterias elétricas só entram em cena para dar um torque extra em acelerações e retomadas de velocidade (situações de alto consumo de combustível). O propulsor elétrico é carregado por meio da energia cinética convertida em eletricidade durante as frenagens e desacelerações. Desta forma, as baterias são recarregadas sem a necessidade de uma fonte elétrica externa -- o nível da carga é mostrado no quadro de instrumentos.

A cor do quadro de instrumentos também muda conforme o estilo de condução do sistema 3-Mode Drive, que oferece três opções de direção: econômica, normal e esporte. Na primeira, o painel fica verde, na segunda opção, azul, e na terceira, vermelho. Na parte mecânica, o dispositivo muda o comportamento do carro, desde a resposta do acelerador até a calibragem da direção. Nas três primeiras semanas de venda na Europa, o CR-Z já teve 8 mil unidades encomendadas, bem mais que as mil previstas para o período. O objetivo evidente da Honda é combater as vendas de veículos híbridos da arquirrival Toyota. Mas a proposta é mais do que válida. É original, alternativa e equilibrada entre performance e responsabilidade ambiental. (por Carlo Valente, do InfoMotori.com/Itália, exclusivo para Auto Press)

IMPRESSÕES AO DIRIGIR
Honda CR-Z

Por dentro, o Honda CR-Z também lembra um carro esportivo. O modelo oferece uma posição de dirigir bem baixa, espaço interno limitado e é bastante escuro. Quando se gira a chave na ignição, uma infinidade de luzes se acendem e indicam as condições do carro. O espaço para motorista e passageiro é justo, mas os dois ocupantes do banco traseiro são um pouco sacrificados. A visibilidade traseira também é típica de um cupê: ou seja, limitada. Na hora de manobrar, o motorista precisa muito da ajuda dos retrovisores externos.

O motorista pode escolher o tipo de condução. São três os modos de configuração acionados no painel. Eles mudam da resposta do acelerador até a cor da iluminação do quadro de instrumentos. Na opção mais esportiva, por exemplo, o CR-Z oferece uma resposta mais ágil do pedal do acelerador, a direção fica mais firme e os amortecedores, mais enrijecidos. Com o carro em movimento, o comportamento iniciado não é muito animador, mas a propulsão fornecida pela unidade elétrica já é sentida, especialmente nos primeiros metros.

Nas curvas, o peso das duas baterias é sentido na parte traseira. Isso significa que em curvas o CR-Z é pouco equilibrado, mas o controle eletrônico de estabilidade ESP corrige de forma competente qualquer susto. O consumo, é claro, é elogiável. Mesmo com a proposta e uma vontade esportiva, o CR-Z não exige uma grande quantidade de combustível. Graças ao sistema híbrido e também ao Start & Stop, o modelo registrou uma média de 13 km/l com gasolina. Isso em um trajeto no Norte da Itália que mesclou subidas, descidas, vias públicas e curvas sinuosas.

Ou seja, o Honda CR-Z é mais divertido por encontrar a combinação ideal entre economia e desempenho.
(CV, do InfoMotori.com/Itália)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo