Carros

Suzuki SX4 mostra faceta urbana sem abandonar as raízes off-road

Da AutoPress

Especial para o UOL

15/05/2010 10h00

No mundo todo, a imagem dos automóveis da Suzuki sempre esteve muito ligada a veículos pequenos, apropriados para o uso urbano. No Brasil, porém, os modelos da marca que mais fizeram sucesso foram os que, além de compactos, tinham boa capacidade off-road. Foi assim com o jipinho Samurai, sucedido pelo Jimny, e do Vitara/Side Kick, sucedido pelo Grand Vitara de duas e de quatro portas. Um misto destas duas realidades sintetiza a nova empreitada da marca no mercado brasileiro, com o SX4. Ele é o único veículo da Suzuki classificado como automóvel de passeio por aqui -- ainda são trazidos as novas gerações do Jimny e do Grand Vitara.

  • Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z

    SX4 surpreende com respostas rápidas ao pedal do acelerador e com desempenho da tração

O SX4 é um hatch altinho que até poderia ser confundido com um desses "off-road leves" que infestam as ruas brasileiras. A diferença é ser dotado de uma tração 4x4 de verdade, com direito a distribuição automática da tração e bloqueio do diferencial traseiro. O porte um pouco mais jipeiro deve-se ao porte do SX4: o modelo tem 1,58 metro de altura e 17,5 cm de vão livre do solo. No mais, são 4,13 metros de comprimento, 1,73 m de largura e 2,50 m de entre-eixos em um visual bem comportado, harmonioso. Na frente, o capô abaulado e bastante inclinado é interrompido por uma grade trapezoidal com tela do tipo colmeia. Ao centro, o “S” da logomarca da Suzuki. Os faróis sobem pelas laterais, têm desenhos levemente irregulares e cantos arredondados. O para-choques tem seções mais bem definidas, com uma entrada de ar na parte inferior e faróis de neblina redondos nos cantos.

Visto de perfil, o SX4 ostenta uma cintura em cunha, bagageiro no teto e linhas predominantemente lisas. Na carroceria, caixas de roda bastante salientes. Um vinco na altura das maçanetas parte do para-lamas dianteiro e corta toda a lateral. Na traseira, o hatch médio da Suzuki tem um visual com cortes mais secos. No vidro inclinado e na tampa do porta-malas predominam traços mais definidos, que contrastam com as lanternas trapezoidais com contornos arredondados. O para-choques traseiro é bem encorpado e traz dois refletores em forma de filete.

As origens off-road da marca também ganham eco no sistema i-AWD (Intelligent All Wheel Drive). A tração é dianteira, mas através de um pequeno interruptor no console central do carro é possível acionar a tração nas quatro rodas com distribuição automática. Há ainda, no mesmo comando, opção de bloqueio do diferencial traseiro. O conjunto inclui um motor 2.0 16V com 145 cv de potência a 5.800 rotações e torque máximo de 18,7 kgfm aos 3.500 giros, o mesmo que equipa a versão de entrada do SUV Grand Vitara por aqui. A transmissão é manual de cinco velocidades – o câmbio automático de quatro velocidades é opcional.

A lista de opcionais, por sinal, é enxuta e privilegia a estética. O Sport Pack inclui rodas na cor grafite, faixas esportivas, ponteira do escapamento cromada, teto pintado na cor preta, bancos em couro, soquete para conexão com iPod e aerofólio traseiro. No geral, toda a linha SX4 chega ao Brasil bem recheada. Na parte de segurança, airbag duplo frontal e freios com ABS e EBD. No quesito conforto, ar-condicionado automático, direção elétrica, trio, computador de bordo, banco e volante com regulagem de altura, rodas de liga leve aro 16, abertura interna da tampa do reservatório de combustível e rádio/CD/MP3 com comandos no volante em couro.

O SX4 parte dos R$ 62.490 e completo, com o Sport Pack, chega a R$ 68.490, um preço dilatado pelas taxas de importação, mas que ainda deixa o modelo japonês competitivo diante dos rivais nacionais. O Volkswagen CrossFox 1.6 e o Fiat Idea Adventure 1.8 Locker, com os mesmos equipamentos, chegam a respectivos R$ 57.860 e R$ 58.678. Os R$ 4 mil ou R$ 5 mil de diferença para o exemplar da Suzuki dão em troca um sistema 4x4, que o credencia a enfrentar o off-road, e um motor bem mais potente, de 145 cv -- contra 102/104 cv do carro da Volkswagen e 112/114 cv do modelo da Fiat.

FALANDO EM FIAT...
Lançado mundialmente no Salão de Genebra de 2006, o Suzuki SX4 compartilha plataforma com o italiano Fiat Sedici, modelo que já foi cotado para vir para o Brasil. Ainda na Europa, o SX4 tem uma derivação sedã chamada SX4 Limusine, 47 cm mais comprida que o hatch. Por lá, o compacto também usa motores 1.6 a gasolina de 107 cv e 1.9 turbodiesel de 120 cv.

Por aqui, a divisão de automóveis da Suzuki, que retomou as atividades comerciais após o hiato 2003-2008, estuda trazer ainda a nova geração do Swift e o SUV XL7. O objetivo é, com maior portfólio, aumentar também a participação. Neste ano, a Suzuki comercializou 1.266 unidades até abril: 275 foram do SX4, 839 do Grand Vitara e 152 do Jimny.

IMPRESSÕES AO DIRIGIR: Entre dois mundos
A tradição da Suzuki em veículos fora-de-estrada se impõe ao SX4. Com um leve jeito de jipinho e tração 4X4, o hatch compacto instiga a que se descubra como ele se comporta não só no asfalto, como na terra. E em trechos sutilmente enlameados e com buracos o modelo mostrou que é valente. Com a tração integral acionada, o SX4 exibiu força e disposição para encarar o off-road -- leve, diga-se de passagem. Já ao enfrentar lama mais carregada, o bloqueio se mostrou eficiente e a suspensão bem acertada. Trabalhou bem e mostrou flexibilidade para copiar as ondulações do terreno.

FICHA TÉCNICA: Suzuki SX4 2.0 16V AWD

Motor:Gasolina, dianteiro, transversal, 1.995 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro com comando duplo de válvulas no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
Tranmissão:Câmbio manual com cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira com opção de tração 4x4 com distribuição automática entre as rodas e bloqueio do diferencial traseiro.
Potência:145 cv a 5.800 rpm.
Torque:18,7 kgfm a 3.500 rpm.
Diâmetro e curso:84 mm x 90 mm. Taxa de compressão: 10.5:1.
Suspensão:Dianteira independente do tipo McPherson com batente progressivo, braços triangulares transversais, amortecedores hidráulicos e molas helicoidais. Traseira independente, com barra de torção, amortecedores hidráulicos, molas helicoidais e barras estabilizadora.
Freios:Discos ventilados na frente e tambores atrás. ABS com EBD de série.
Pneus:205/60 R16 92H em rodas de liga leve.
Carroceria:Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,13 metros de comprimento, 1,73 metro de largura, 1,58 metro de altura e 2,50 metros de entre-eixos. Airbag duplo frontal de série.
Peso:1.130 kg em ordem de marcha.
Tanque:45 litros.
Porta-malas270 litros.

Uma performance na terra obtida graças também ao eficiente motor 2.0 16V de 145 cv do SX4. O propulsor responde bem às investidas no pedal do acelerador e, com isso, o desempenho no asfalto é ainda mais competente. O zero a 100 km/h é feito em 9,5 segundos, graças também ao câmbio bem escalonado e com as primeiras relações mais curtas, o que privilegia maior agilidade nas arrancadas. Depois dos 100 km/h, contudo, é preciso pé pesado e paciência, pois o carrinho demora a ganhar velocidade.

Nos trechos de subida e em situações de ultrapassagens, o SX4 se sai bem. O torque já se apresenta de forma quase integral antes dos 3 mil giros, mantendo o motor cheio em uma boa faixa de rotações para efetuar as retomadas. Ainda nas estradas de serra, em curvas sinuosas o dois volumes se mostra bem equilibrado em velocidades baixas, torcendo o mínimo a carroceria. Com o pé mais em baixo, porém, o modelo faz menção de rolar. Nas retas, a estabilidade é boa até os 130 km/h, quando a comunicação entre rodas e volante passa a ficar imprecisa e a exigir correções a todo momento por parte do motorista.

A bordo do hatch, a vida é quase tranquila. O motorista fica em uma posição elevada ao dirigir, tem boa visibilidade lateral e traseira, quadro de instrumentos de fácil visualização e ainda conta com ajustes do banco e da coluna de direção, além de comando do som no volante. A maior parte dos botões é intuitiva e está ao alcance das mãos e dos olhos do condutor. O câmbio tem cursos curtos, mas os engates são pouco suaves, apesar de serem precisos. A direção elétrica facilita as manobras.O espaço geral está de acordo com os compactos do mercado, com vão limitado para pernas, dois adultos bem acomodados atrás, mas com um vão para cabeças interessante, que aumenta a sensação de amplitude do habitáculo. Em matéria de acabamento, o SX4 aparenta bastante simplicidade e até uma certa rusticidade. Há muito plástico no painel e nos revestimentos. Mas encaixes e fechamentos são precisos na maior parte das vezes e só há sinais de rebarbas em alguns detalhes no acabamento do teto e do porta-malas.

No consumo, uma média também normal, com 8,1 km/l com gasolina em itinerário 2/3 urbano e o restante rodoviário. (por Fernando Miragaya)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo