BMW X6 abre mão da versatilidade para valorizar desempenho e exclusividade

Da AutoPress

Especial para o UOL

No lugar de um banco traseiro generoso para três passageiros, dois assentos largos e um console enorme no meio. Teto rebaixado atrás, acessos meio apertados e um design incomum e extremamente bruto, repleto de nervuras pela carroceria de porte agigantado. Na essência, o X6 é um utilitário esportivo. Mas a BMW perverteu a proposta mais familiar do SUV de oferecer versatilidade e espaço interno amplo. No crossover médio-grande de luxo, somente a estrutura em monobloco compartilhada com o X5, mantém as características típicas de um "sport-utility" tradicional. O X6, na verdade, tem no desempenho esportivo, no visual original e na exclusividade seus principais atributos. Os números de vendas no Brasil comprovam essa linha de atuação. Em 2009, foram 139 unidades, média mensal de 23.

  • Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias

    BMW X6: utilitário esportivo só na essência; design incomum e exclusivo é diferencial

O volume parece pequeno. Mas, no Brasil, o segmento de utilitários esportivos médio-grandes de luxo é mesmo para poucos. E o X6 tem uma participação mediana. Importado dos Estados Unidos desde o fim do ano passado, ele é produzido em Spartanburg, na Carolina do Sul, e é atualmente o quinto modelo mais emplacado nesse segmento, atrás do líder Land Rover Range Rover Sport - médias mensais são de 57 unidades -, seguido por Porsche Cayenne, Mercedes-Benz Classe ML e BMW X5 - 24 unidades/mês. Evidentemente, o baixo volume de vendas no nicho é justificado pelos preços. A BMW pede R$ 325 mil pela versão mais simples do X6, a xDrive 35i. E mesmo na versão "de entrada", tudo no crossover impressiona. Desde o padrão de acabamento ao moderno e brutal motor 3.0 biturbo de 306 cv.
 

ÁLBUM DE FOTOS
Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias
VEJA MAIS FOTOS DO X6

São seis cilindros em linha, com bloco e cabeçote em alumínio, duplo comando variável na admissão e no escape das 24 válvulas e injeção direta de combustível. Este propulsor a gasolina despeja um torque de 40,8 kgfm, disponíveis por inteiro desde os 1.300 até os 4 mil giros. O gerenciamento é feito pelo câmbio automático sequencial de seis marchas Steptronic, que oferece trocas manuais por meio de paddle-shifts atrás do volante. Em conjunto com o trem de força, atua o sistema de tração integral xDrive. O recurso eletrônico distribui a força produzida pelo motor entre os eixos dianteiro e traseiro, alternando sua proporção de acordo com a necessidade. Com um detalhe: o condutor pode visualizar essa distribuição de torque. Um gráfico na pequena tela do computador de bordo sinaliza a força liberada para cada uma das rodas.

Eletrônica embarcada, aliás, sobra no estiloso crossover da BMW. O sistema de entretenimento iDrive é um dos destaques. O dispositivo permite ao condutor e passageiro operar diversos sistemas e conferir dados técnicos do veículo. É possível, por exemplo, ajustar a intensidade e a distribuição do ar-condicionado de duas zonas, com indicações por gráficos. As informações são exibidas em uma tela no alto do console central e o sistema é controlado por um botão giratório, à direita da alavanca do câmbio. O iDrive ainda reproduz imagens recebidas do sintonizador de tevê e da câmara traseira de auxílio à manobras.

ACELERADAS

- As vendas do BMW X6 comprovam a exclusividade do modelo, à venda há quase um ano no Brasil. Em 2009 foram emplacadas 65 unidades da versão de entrada xDrive 35i e mais 74 unidades da configuração "top" xDrive 50i, empurrada pelo vigoroso motor 4.4 litros V8 biturbo de 408 cv de potência e 62,2 kgfm de torque máximo.
- O X6 traz de série um eficiente sistema de travamento assistido da tampa do porta-malas. Um pequeno motor elétrico dispensa a força para fechar: basta empurrá-la levemente.
- O sistema de tração integral do crossover estreou na segunda geração do utilitário esportivo X5.
- São utilizados mais de 300 robôs na fabricação do X6, desde o processo de solda a laser da carroceria até a colocação dos vidros. Há câmaras espalhadas nos postos robóticos que acompanham minuciosamente cada etapa da montagem.
- O pacote de fábrica do X6 inclui o interessante assistente de saída em aclives. O recurso é acionado por um botão junto à manopla do câmbio e mantém o veículo imóvel em ladeiras, mesmo que o motorista tire o pé do pedal do freio.

No interior do X6, algumas soluções chamam a atenção. O porta-luvas, por exemplo, tem a tampa bipartida e guarda a disqueteira para seis CDs do sistema de som, que reúne rádio/CD/DVD com leitor MP3, entrada auxiliar e conexão Bluetooth. Nas laterais dos bancos dianteiros, botões para ajuste elétrico e duas memórias no assento do motorista que combinam com volante e os retrovisores. Já o freio de estacionamento tem acionamento elétrico, feito por um botão à frente da alavanca do câmbio. O pacote generoso ainda traz revestimento em couro, rodas aro 19, teto solar, tapetes em veludo, faróis bixênon direcionais e "previsíveis" controles de estabilidade e de tração, ABS e oito airbags.

É o design incomum, porém, que faz do BMW X6 um modelo único. A dianteira imponente é marcada por vincos no capô que vão ao encontro da tradicional grade bipartida da marca alemã, envolvida por filetes cromados. Ainda na frente, duas enormes tomadas de ar nas extremidades laterais do para-choques reforçam o cartáter esportivo, com os faróis de neblina fixados no interior. Mas o ponto alto do desenho do crossover está nas laterais, com para-lamas bojudos, linha de cintura ascendente marcada por um vinco bastante pronunciado e o caimento acentuado do teto na traseira - exatamente como nos cupês. A traseira elevada traz as lanternas na parte superior, com o clássico formato em "L" dos BMW. O para-choques alto completa o visual agressivo, com uma larga saída de ar central e escapes cromados nas pontas. Um visual de chamar muita atenção nas ruas. Um verdadeiro abuso de exclusividade.

IMPRESSÕES AO DIRIGIR
Um BMW normalmente impressiona pelo requinte do acabamento e, sobretudo, pela potência despejada nas rodas pelo motor. Com o X6 acontece exatamente o mesmo, só que com algumas substanciais particularidades. A começar pelo design singular, que chama bastante atenção nas ruas, mas interfere de forma determinante no convívio a bordo. Ao contrário do que sugerem as dimensões enormes do crossover, o espaço interno é restrito. O teto com caimento acentuado atrás, inspirado nos cupês, deixa os acessos ao interior e o próprio espaço interno limitados. Por outro lado, o X6 é luxuoso. Há múltiplas regulagens elétricas nos bancos dianteiros e no volante, além de uma profusão de botões no painel.

Uma vez "configurado", hora de pôr o crossover à prova. E as reações são imediatas. O motor 3.0 litros biturbo de seis cilindros em linha produz arrancadas e retomadas bastante fortes. Basta colocar a alavanca do câmbio no modo automático e, ao menor toque no pedal do acelerador, o corpo do motorista é jogado para trás. O agressivo torque de 40,8 kgfm é despejado por inteiro nas quatro rodas logo aos 1.300 giros, produzindo acelerações violentas. A arrancada de zero a 100 km/h é cumprida em 7,1 segundos e o tempo só não é menor porque o X6 tem pesados 2.145 kg em ordem de marcha.
 

FICHA TÉCNICA

BMW X6 xDrive 35i
Motor: A gasolina, dianteiro, longitudinal, 2.979 cm³, seis cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando duplo variável. Injeção direta de combustível, acelerador eletrônico e dois turbocompressores com intercooler.
Transmissão: Automático sequencial com seis marchas à frente e uma a ré. Tração integral. Oferece controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 306 cv a 5.800 rpm.
Torque máximo: 40,8 kgfm entre 1.300 rpm e 4 mil rpm.
Diâmetro e curso: 84 mm X 89,6 mm. Taxa de compressão: 10,2:1.
Suspensão: Dianteira independente com braços sobrepostos, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira independente do tipo Multilink, com braços múltiplos, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Oferece controle eletrônico de estabilidade.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS, EBD e assistente de frenagem de emergência.
Carroceria: Utilitário esportivo em monobloco com quatro portas e quatro lugares. Com 4,87 metros de comprimento, 1,98 m de largura, 1,69 m de altura e 2,93 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais dianteiros e traseiros e do tipo cortina.
Peso: 2.145 kg em ordem de marcha, com 600 kg de carga útil.
Porta-malas: 570 litros.
Tanque: 85 litros.

Nas retomadas, porém, é possível extrair o máximo de esportividade que os 306 cv de potência do motor proporcionam. Com o torque liberado integralmente até os 4 mil giros, a recuperação de fôlego conta sempre com o propulsor cheio, com força máxima disponível. A retomada de 60 km/h a 100 km/h com o câmbio em Drive comprova o comportamento feroz: são necessários apenas 3,9 segundos. O desempenho é fruto do bom entrosamento do motor 3.0 com a transmissão automática de seis velocidades. As trocas são suaves e precisas, sem buracos ou trancos.

Na parte dinâmica, o X6 exibe um comportamento bastante neutro, mesmo com seus 1,69 metro de altura e o porte de utilitário. Nas curvas fechadas, a carroceria alta poderia ser um problema, mas a elevada rigidez torcional mantém o equilíbrio e não faz qualquer menção de que pode desgrudar uma das rodas. Nas frenagens, mesmo nas mais intensas, prevalece a estabilidade plena e a dianteira mantém-se íntegra, sem embicar. Já nas retas, a postura do veículo no asfalto transmite total segurança, com comunicação precisa entre as rodas e o volante de ótima empunhadura. A direção mais rígida reforça a percepção.

O X6 conta também com o sistema de tração integral xDrive, que distribui a energia do motor nas quatro rodas. É possível acompanhar a distribuição da força em tempo real pela pequena tela do computador de bordo, entre os relógios do velocímetro e do conta-giros no quadro de instrumentos. Com os outros diversos recursos eletrônicos de segurança, como controle de estabilidade e ABS, a sensação é de se ter o veículos nas mãos mesmo em velocidades muito elevadas, acima de 200 km/h.

O BMW X6 oferece ainda um nível elevado de conforto e entretenimento. Se o espaço para cabeças não é dos mais generosos, os bancos largos e macios cobertos em couro acomodam bem motorista e passageiros, com apoios laterais pronunciados que parecem encaixar o tronco. Outro destaque é o módulo iDrive, que tem sintonizador de tevê e reune funções do ar digital de duas zonas, do computador de bordo e do sistema de som de alta definição. Um conjunto minuciosamente pensado para oferecer status. Como qualquer BMW que se preze. (por Diogo de Oliveira)
 

DE ZERO A 100 PONTOS, O BMW X6

Desempenho - É um dos principais atributos do X6. Tanto nas arrancadas quanto nas retomadas, o crossover exibe grande virilidade sobre o asfalto. Os 40,8 kgfm de torque máximo produzidos pelo motor 3.0 biturbo ficam disponíveis desde as 1.300 rpm até os 4 mil giros, disponibilizando o máximo de força em um amplo espectro de ação. Basta triscar o pé no pedal e sentir o peso do corpo arremessado contra o encosto dos bancos. Também impressiona a velocidade com que os giros do motor sobem e o modelo ganha velocidade. Aos 180 km/h, o motor elástico trabalha em 3.500 rpm. As trocas de marcha ainda são precisas, suaves e dinâmicas. O câmbio automático sequencial de seis marchas bem escalonado não apresenta buracos ou trancos, sendo quase imperceptíveis as trocas de relação. Nota 10
Estabilidade - A elevada rigidez torcional da carroceria, somada à largura de 1,98 metro e aos diversos recursos eletrônicos de segurança, deixam o X6 estável em praticamente em qualquer situação. Nas curva, frenagens ou mesmo em retas, a velocidades extremas, o veículo se mantém firme e seguro, sem demonstrar qualquer sinal de instabilidade. A comunicação entre as rodas e o volante é precisa e o modelo ainda conta com o sistema de tração integral xDrive, que trabalha em conjunto com o controle de estabilidade. Só o centro de gravidade mais elevado afeta um pouco o comportamento dinâmico. Nota 9
Interatividade - Há uma grande diversidade de equipamentos de conforto, entretenimento e de auxílio em manobras no X6. O destaque é o iDrive, exibido em uma tela embutida na parte superior do console central e operado por um botão giratório, ao lado da alavanca do câmbio. O sistema oferece sintonizador de tevê, imagens da câmara traseira e permite controlar funções do ar e do sistema de som, além de visualizar informações técnicas do veículo. Mas o iDrive é um pouco confuso de se manipular, até que se adquira alguma prática. O computador de bordo é outro componente interessante. Além das funções básicas, como hodômetro e o consumo médio, o instrumento indica a distribuição do torque do motor em cada uma das rodas. O interior do X6 oferece ainda múltiplos ajustes elétricos para os assentos dianteiros e o volante multifuncional, com duas memórias. Os numerosos botões e alavancas também ficam bem posicionados e têm os acessos bastante intuitivos. A visibilidade traseira, porém, é extremamente limitada para privilegiar o design. Nota 9
Consumo - O BMW X6 não exibiu uma performance atraente neste quesito. A média do motorzão 3.0 biturbo foi de previsíveis 5,8 km/l, de gasolina num percurso mesclado com 2/3 de cidade e 1/3 de estrada. Nota 6
Conforto - Um dos principais destaques no interior do X6 são os bancos largos e macios, com apoios laterais pronunciados que envolvem sutilmente os ocupantes. O isolamento acústico também é marcante, ajudado pelo entrosamento do motor com o câmbio automático sequencial de seis marchas, que mantém os giros quase sempre dentro da faixa de torque, entre 1.300 rpm e 4 mil rpm. O comportamento da suspensão é outro ponto positivo, com eficiente absorção dos buracos e boa maciez, mas sem comprometer a estabilidade. De ruim, o interior é pouco convidativo para um utilitário, com o teto baixo e revestido em tecido preto. E embora os 2,93 metros de entre-eixos ofereçam um espaço interno farto para pernas, o espaço para cabeças é limitado atrás. Nota 8
Tecnologia - O X6 é um veículo sofisticado. A mecânica reúne o vigoroso motor 3.0 biturbo de 306 cv e o câmbio automático sequencial de seis marchas. Entre os sistemas de segurança, há controles eletrônicos de estabilidade e de tração, o moderno sistema de tração integral xDrive, freios com ABS, EBD e assistente de emergência, assistente de saída em aclives, além de oito airbags e faróis bixênon direcionais. Já na parte de entretenimento e conforto há fartura de equipamentos, como ar automático digital de duas zonas, rádio/CD/DVD/MP3 com entrada auxiliar, Bluetooth e disqueteira, além do sistema iDrive. Nota 10
Habitabilidade - Os acessos ao habitáculo são bastante ruins, assim como o vão de entrada do porta-malas de 570 litros, muito elevado em relação ao solo e pequeno em relação a utilitários esportivos rivais. O próprio BMW X5 leva 620 litros no bagageiro. Em compensação, há uma grande quantidade de porta-objetos para os ocupantes, muito bem distribuídos pelo habitáculo. Nota 6
Acabamento - Cada detalhe no interior do X6 transmite a sensação de refinamento absoluto e extremo cuidado durante o processo de montagem do veículo. Grande parte do habitáculo é revestida em couro e as peças plásticas do painel têm texturas agradáveis, que denotam bom gosto - apesar de algumas serem rígidas, sem uma cobertura macia. Há também materiais revestidos em veludo e os encaixes são milimétricos. Nota 10
Design - É certamente um dos maiores atributos do crossover da BMW, que mistura o porte de utilitário esportivo com traços inspirados nos cupês. O resultado é um visual extravagante e um tanto polêmico, porém, extremamente marcante. E ainda é novo - foi lançado há pouco mais de um ano na Europa. Nota 7
Custo/Benefício - Os R$ 325 mil pedidos pela BMW na versão mais simples xDrive 35i deixam o X6 num patamar atingível por poucos. O crossover tenta compensar com sofisticação, esportividade e uma relação farta de equipamentos de segurança, conforto e entretenimento. Nota 5
Total - O BMW X6 xDrive 35i somou 80 pontos em 100 possíveis. NOTA FINAL: 8,0

UOL Cursos Online

Todos os cursos