Topo

Cultura do carro


Saiba como é a feira conhecida como "sangue azul do mundo automotivo"

Emilio Andreoli/Getty Images
Ferrari 750 Monza durante o Concorso d'Eleganza Villa d'Este Imagem: Emilio Andreoli/Getty Images

Hannah Elliott

2019-06-08T07:00:00

08/06/2019 07h00

Para os fatigados das multidões que povoam o Concours d'Elegance de Pebble Beach, eis um novo objetivo: o Concorso d'Eleganza Villa d'Este, uma exibição de carros e passeio realizados anualmente no fim de maio às margens do Lago de Como, na Itália.

Patrocinado principalmente pela BMW e pela fabricante de relógios alemã A. Lange & Sohne, o evento exibe 50 dos carros de coleções - mais caros e bonitos do mundo, fabricados entre 1925 até hoje. São o sangue azul do mundo automotivo, como um Bentley 4 - Litre de 1936, um Ferrari 250 GT Berlinetta de 1960, um Aston Martin V8 Vantage de 1985, além de um Lamborghini que foi dirigido por Grace Kelly e um roadster BMW que pertenceu a Elvis Presley.

O Villa d'Este Concours começou como uma forma de as montadoras mostrarem novos modelos para possíveis compradores e homenagearem os carros de corrida vencedores em cidades como Milão e Munique. Agora, talvez seja a exposição de automóveis mais surpreendentemente do mundo, com a mansão histórica Grand Hotel Villa d'Este como pano de fundo, e preços da maioria dos carros em exibição próximos ou acima de US$ 1 milhão cada.

E esse valor exclui as poucas criações modernas e sortudas que ganharam o direito de estacionar nesse ambiente tão rarefeito. Esses modelos incluem o Bugatti La Voiture Noire, de US$ 12,5 milhões (R$ 48,47 mi), e o BMW Garmisch, que não tem preço, e foi criado em homenagem a um carro conceito da BMW de 1970. Os ingressos para o evento privado foram vendidos a partir de 490 euros (R$ 2.155) por pessoa.

Os carros foram exibidos durante três dias no Villa d'Este e no Villa Erba. Convidados da França, Alemanha, Suíça, Holanda, Inglaterra, África do Sul, Japão e de outros países usavam ternos de verão e vestidos florais enquanto tiravam fotos dos carros, tomavam champanhe e comiam bife. Um quarteto de cordas tocava no gramado.

Carlo Borlenghi/REDA&CO/Universal Images Group via Getty Images
Imagem: Carlo Borlenghi/REDA&CO/Universal Images Group via Getty Images

Mais Cultura do carro