Cultura do carro

Land Rover recupera Range Rover dos anos 1970... e cobra caro por isso


Hannah Elliott

Em Londres (Inglaterra)

14/02/2017 04h00

Este é o último exemplo da loucura para trazer de volta todos os SUVs bacanas feitos no passado: a Land Rover acaba de relançar o Range Rover clássico.

Na última quarta-feira, em Paris (França), a Land Rover revelou o primeiro de uma nova série de carros que está chamando Range Rover Reborn: um Range Rover amarelo mostarda (oficialmente, amarelo Bahama Gold) ano 1978, relançado e perfeitamente certificado pela Land Rover Classic, a divisão que restaurou alguns dos primeiros Land Rovers Série 1 no ano passado. O veículo estará em exposição durante o fim de semana.

A empresa sediada em Coventry (Inglaterra) está relançando 10 Range Rovers dos anos 1970 para capitalizar com a explosão do interesse no mercado vintage. Eles entram nas mesmas categorias de afinidade geral do famoso Defender, do Ford Bronco, das caminhonetes Scrambler e dos já defasados Toyota FJ Cruiser e Mercedes-Benz Classe G.

No ano passado, 13 Range Rovers dessa época foram a leilões públicos nos EUA, a um preço médio de venda de US$ 20.000; apenas oito foram oferecidos em 2014, segundo a seguradora de veículos clássicos Hagerty, que considera o aumento considerável para um automóvel de nicho. O valor médio desses veículos britânicos, segundo cotação do Hagerty.com, subiu 11% em 2016 em relação a 2015 e acumula alta de 67% nos últimos cinco anos.

Embora seja possível encontrar Range Rovers intocados na internet por menos de US$ 70.000, os veículos da edição Range Rover Reborn são vendidos pelo equivalente a R$ 530 mil -- cerca de US$ 160 mil.

Clássico vira negócio

"Eles são uma forma inteligente de capitalizar", disse Jonathan Klinger, porta-voz da Hagerty, sobre os SUVs antigos. "Eles são simples e puros, são totalmente mecânicos: não são uma experiência de direção de luxo -- mas é isso o que faz com que sejam legais."

O programa Range Rover Reborn funciona assim: a divisão especial (que também lançou o novo-velho Jaguar XKSS, também conhecido como "série de continuação") encontra carrocerias e estruturas raras e em boas condições e depois realiza uma restauração completa de fábrica sobre esse esqueleto; elas são limpas ou consertadas, usando o estoque morto de peças de Land Rover ou fabricando novas peças, se necessário.

Isso significa obter o clássico estilo britânico, o relógio especial Quartz no painel, espelhos retrovisores montados nas portas e o sistema de ar-condicionado, com todos os componentes em perfeito estado.

"Nós os reconstruímos absolutamente como devem ser", disse Tim Hannig, diretor da Jaguar Land Rover Classic. "Quando os encontramos, eles estão caindo aos pedaços. Não têm um aspecto legal. Mas há muito material bom neles."

"Todos os líquidos são drenados. Cada peça é tirada e inspecionada", explicou Hannig. "Durante esse processo nós olhamos todas as peças e decidimos: podemos usá-la ou temos que substituí-la? Todo o trabalho é feito em paralelo para assegurar que seja exatamente perfeito, e depois o remontamos."

Cada veículo leva seis meses a um ano para ser concluído.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Cultura do carro

Topo