Carros

Mercedes-Benz esnoba robôs e usa mais pessoas na linha de produção

Divulgação
Classe S Coupé conversível em Sindelfingen é feito por mais operários e menos robôs Imagem: Divulgação


Elisabeth Behrmann e Christoph Rauwald

De Frankfurt e Munique (Alemanha)

26/02/2016 08h00

A Mercedes-Benz oferece o sedã de alto luxo Classe S com uma lista cada vez maior de opcionais: frisos de fibra de carbono, aparadores de copo aquecidos ou refrigerados e quatro tipos de tampas para as válvulas dos pneus. E os robôs da fabricante de veículos não estão conseguindo acompanhar este grau de personalização.

Como a customização está se tornando fundamental para atrair os consumidores modernos, a flexibilidade e a destreza dos trabalhadores humanos estão recuperando espaço nas linhas de montagem da Mercedes. Isso vai contra uma tendência que deu uma vantagem às máquinas sobre a mão-de-obra desde que o lendário ferroviário americano John Henry morreu tentando superar um martelo mecanizado, há mais de um século.

"Os robôs não conseguem lidar com o grau de individualização e com as muitas variações que temos hoje", disse Markus Schäfer, chefe de produção da fabricante de veículos alemã, em sua fábrica de Sindelfingen, na Alemanha, a principal da rede internacional de produção da marca. "Estamos economizando dinheiro e protegendo nosso futuro empregando mais pessoas".

Criadouro de robôs

O Mercedes Classe E reformulado, que chega às lojas da Europa em março (e no segundo semestre ao Brasil), é um exemplo do recuo das máquinas. Para alinhar o painel do carro, que projeta a velocidade e as instruções de navegação no para-brisa, a fabricante substituirá dois robôs instalados de forma permanente por uma máquina leve e móvel ou por um trabalhador.

Thomas Kienzle/AP
"Robôs não conseguem lidar com o grau de individualização e variações que temos hoje". Markus Schäfer, Mercedes-Benz Imagem: Thomas Kienzle/AP
Os robôs não desaparecerão por completo, mas serão cada vez menores e mais flexíveis e operarão em conjunto com trabalhadores humanos em vez de serem acionados de trás de cercas de segurança. A Mercedes chama a iniciativa de "criadouro de robôs".

A segunda maior fabricante de carros de luxo não está sozinha. A BMW e a Audi também estão testando robôs leves com sensores e dispositivos seguros o bastante para trabalharem com humanos. A vantagem que elas estão buscando é serem melhores e mais rápidas que as rivais em um momento em que o ritmo das mudanças se acelera. Os carros estão cada vez mais se transformando em smartphones sobre rodas e as fabricantes são pressionadas a atualizar seus modelos em intervalos menores que o tradicional ciclo de sete ou oito anos.

Com a fabricação focada em uma equipe qualificada de trabalhadores a Mercedes poderá mudar a linha de produção em um fim de semana, em vez das semanas necessárias no passado para reprogramar robôs e mudar padrões de montagem, disse Schäfer. Durante a suspensão, a produção seria paralisada.

"Estamos nos distanciando da automação e fazendo com que os humanos assumam uma parcela maior dos processos industriais novamente", disse Schäfer. "Precisamos ser flexíveis".

Fábrica 4.0

A planta de Sindelfingen, a maior da Mercedes, é um lugar improvável para se questionar os benefícios da automação. Embora produza modelos de elite, como o esportivo AMG GT e o ultraluxuoso Classe S Maybach, a fábrica de 101 anos está longe de ser uma unidade de montagem customizada. O complexo processa 1.500 toneladas de aço por dia e produz mais de 400.000 unidades por ano.

Isso torna a produção eficiente e dinamizada tão importante em Sindelfingen quanto em qualquer outra fábrica automotiva. Mas a era da individualização está forçando mudanças nos métodos de fabricação:o ímpeto por mudança vem da versatilidade. Embora sejam bons no cumprimento confiável e repetido das tarefas estabelecidas, os robôs não são bons em adaptação, algo cada vez mais em demanda devido à oferta ampla de modelos, cada qual com mais e mais recursos.

"A variedade é grande demais para ser encarada pelas máquinas", disse Schäfer, que está pressionando para reduzir para 30 o número de horas necessárias para produzir um carro, contra 61 em 2005. "Eles não conseguem trabalhar com todos os diferentes opcionais e acompanhar as mudanças".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo