Carros

Motociclistas ignoram recall; redes sociais podem ser solução

Arquivo Pessoal/Facebook
Heverton Muller só ficou sabendo do recall por comunidade no Facebook Imagem: Arquivo Pessoal/Facebook

Cicero Lima

Colaboração para o UOL

07/07/2016 14h42

Imagine estar na rodovia e, sem aviso, sua moto desligar e ficar sem freio antes da curva... Ou, então, estar numa trilha de terra e o quadro se partir ao meio. Estas são apenas duas das possibilidades mais assustadoras de "falhas" que levaram a recalls de diversas fabricantes de motos no Brasil este ano.

Desde janeiro, mais de 20 modelos apresentaram problemas que colocam em risco a vida do proprietário (daí a necessidade do recall, segundo a lei), com cerca de 50 mil unidades afetadas. O que mais causa alarme: apenas três em cada 10 motos são reparadas, tudo por falha de comunicação.

Não importa a marca ou tipo e valor de moto: Honda, Yamaha, Harley-Davidson, BMW, Suzuki, Triumph, Kawasaki -- todos os principais fabricantes já divulgaram recall de seus modelos na temporada.

É um cardápio de defeitos aterrador: panes no sistema de freio ou de airbags, falhas de trem-de-força (lubrificação, ignição) ou fraquezas de estrutura (fixação do cavalete lateral ou rompimento do quadro. Qualquer um desses problemas é capaz de causar graves acidentes. 

Seu veículo tem recall?

Para saber se o veículo necessita passar por recall basta entrar no site do Denatran (www.denatran.serpro.gov.br) e clicar em CONSULTA.

Digitando o número do chassi e realizando a pesquisa, o proprietário é informado sobre as ocorrências existentes em relação a recall.

UOL Carros também reúne as ocorrências, conforme são divulgadas por fabricantes ou pelo Procon na página especial de Recall (http://carros.uol.com.br/recall).

Ninguém sabe, ninguém viu

A obrigação do fabricante é publicar anúncios informando da convocação (chamamento ou recall, no termo em inglês popularizado) em jornais, televisão, rádio, internet ou revistas de grande circulação, como exige a lei criada há 25 anos.

O problema é que tais veículos de comunicação eram eficientes, hoje não.

Segundo José Eduardo Gonçalves, diretor executivo da Abraciclo (entidade que reúne os fabricantes do setor), a eficiência do recall entre os motociclistas é bastante baixa: "Pouco mais de 30% das motos são levadas às concessionárias para realizar o conserto necessário, porque, muitas vezes, o motociclista nem fica sabendo".

Para o executivo, seria interessante intensificar a divulgação nos meios eletrônicos: portais, blogs e redes sociais seriam as formas mais eficientes para se divulgar o recall, atualmente.

Divulgação
Gold Wing: moto de luxo da Honda tem falha no airbag Imagem: Divulgação

Tudo online

Enquanto as formas oficiais de divulgação de recall mostram ineficiência, as comunidades virtuais já apresentam resultados melhores.

Recentemente, a Yamaha divulgou a notícia de que mais de 40 mil unidades do modelo XTZ 150 Crosser deveriam ter o quadro substituído por risco de rompimento.

Segundo a marca, nem todos os clientes ficaram sabendo da notícia por televisão, jornal ou rádio. Um exemplo é o comerciário Heverton Muller, de Nova Santa Rita (RS), que teve conhecimento pela comunidade de usuários do modelo no Facebook.

Ainda assim, Muller ficou cheio de dúvidas -- algo comum entre muitos motociclistas: "Não sabia se pagaria alguma coisa, quando tempo demoraria o serviço ou mesmo se o documento deveria ser trocado".

Sem endereço

Um procedimento até comum realizado por algumas concessionárias é o contato com o proprietário que comprou a moto zero-quilômetro, em caso de recall. Quando a moto é revendida, porém, a concessionária perde essa capacidade, pois o endereço do novo proprietário é geralmente desconhecido.

"Uma forma de resolver esse problema seria o Denatran fazer a comunicação para o novo dono ou mesmo nos fornecer o endereço", aponta Golçalves, da Abraciclo. 

O executivo afirma que a a entidade se prontificou a arcar com os custos de envio de telegrama ou e-mail, mas não obteve resposta positiva do órgão.

Mario Villaescusa/Infomoto
C 600 Sport: scooter premium da BMW tem problema no sistema de freios Imagem: Mario Villaescusa/Infomoto

Último recurso... também falha

O último recurso para alertar consumidores sobre a necessidade de fazer o recall, e que está previsto em lei, seria a inclusão do chamado de revisão no documento da moto.

É o que determina a Portaria Conjunta nº 69 de 15/12/2010, da Secretaria de Direito Econômico e do Diretor do Departamento Nacional de Trânsito.

O texto da portaria diz que "o veículo que não for reparado/inspecionado em até 12 meses, após o início da campanha de recall, terá a informação lançada no campo 'observações' do próximo CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo) emitido pela autoridade de trânsito".

Na prática, porém, os documentos não trazem o aviso. "Em quase trinta anos vendendo e comprando carros e moto nunca vi isso", informou Humberto Cury, consultor de vendas da BG Motos, de São Paulo, quando procurado pela reportagem.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo