Carros

MV Agusta Brutale 1090RR e Honda CB 1000R travam duelo de nakeds

Doni Castilho/Infomoto
Desenho agressivo e desempenho bruto são as marcas dessa dupla de motos sem carenagem Imagem: Doni Castilho/Infomoto

Arthur Caldeira

Da Infomoto

24/02/2012 17h57

Comparar as mais recentes nakeds de 1.000cc lançadas no mercado brasileiro -- MV Agusta Brutale 1090RR e Honda CB 1000R -- pode parecer loucura, afinal a diferença de preço entre ambas é de cerca de R$ 20.000. Porém, ambas disputam a preferência do consumidor que busca uma moto com a potência na casa dos três dígitos, mas que não seja uma esportiva. Uma análise mais cuidadosa durante o uso diário e uma viagem ao interior do Estado de São Paulo mostrou que há tanta disparidade entre elas quanto a diferença entre os valores de cada uma.

O comparativo acaba sendo mais sobre a origem e a filosofia de cada fabricante das nakeds do que sobre o modelo em si. A Honda CB 1000R é quase um estandarte da marca nipônica que, desde sua criação, preocupou-se em desenvolver motocicletas amigáveis e fáceis de pilotar. É comum alguém descrever uma moto Honda com a frase chavão: "você sobe nela e parece que a moto é sua". Com a CB 1000R não é diferente.

Por outro lado, a Brutale exala em cada detalhe, cada parafuso, o desejo italiano pelo máximo desempenho. Traz bastante eletrônica -- controle de tração e dois modos de pilotagem --, um motor arisco, além de suspensões e freios com especificações dignas de uma moto de corrida. Para gostar da Brutale, o motociclista precisa ser experiente e aprender a lidar com ela.

DESIGN E ACABAMENTO
Ambas, apesar de novas no mercado brasileiro, já tem algum tempo nas estradas europeias. A MV Agusta Brutale virou ícone de moto naked (nua), sem carenagem, com seu motor e quadro expostos. Destaque para seu farol excêntrico e rabeta minimalista com duas saídas de escapamento na lateral da moto.

Claramente inspirada nas motos esportivas personalizadas, a própria CB 1000R, quando surgiu, trouxe o visual streetfighter (lutadora de rua) para as linhas de montagem. Sua rabeta mostra alguma semelhança com o elogiado desenho de Massimo Tamburini -- principalmente pelas alças para a garupa embutidas. Mas a Honda optou por uma única saída curta de escape no meio da moto. 

Os dois modelos têm um desenho que agrada, mas um ponto negativo da naked de 1.000cc da Honda é que a marca disponibiliza sua moto apenas nas cores verde metálico e preta -- as mesmas da nova Hornet CB 600F. Portanto, não é raro alguém confundir a CB 1000R com sua irmã de 600cc. Por outro lado, a Brutale é inconfundível. As linhas são únicas e não há quem não pare para admirar a naked italiana. 

Modelo exclusivo e fabricado quase de modo artesanal, a Brutale demonstra um maior cuidado da fábrica italiana com os detalhes. Tem quadro em treliça soldado a mão e um acabamento impecável -- também a MV Agusta fabrica apenas 30 unidades por dia em Varese, na Itália. Já a CB 1000R tem bom nível de acabamento, mas seu projeto mostra que sua fabricação é em larga escala -- como se nota nos punhos espartanos demais. Uma das razões para tamanha diferença no preço final. 

 

DESEMPENHO
Ao montar nessas duas nakeds de um litro o motociclista já começa a notar as filosofias distintas de cada uma delas. Enquanto a Honda traz um banco com mais espuma, um guidão mais largo e pedaleiras mais baixas, a MV Agusta conta com um assento estreito para facilitar a pilotagem esportiva, pedaleiras mais altas (e reguláveis) e uma posição de pilotagem mais agressiva. 

 

Quando o motor é acionado, o ronco da Brutale, mais alto e compassado, já dá ideia de que se trata de uma moto mais bruta. A primeira marcha bastante curta chega a dar um tranco e faz com que o piloto ponha segunda, terceira... Pode-se rodar na cidade, por exemplo, em quarta marcha, praticamente sem queimar embreagem. 

O propulsor de quatro cilindros em linha, 1078 cm³ de capacidade, duplo comando de válvulas no cabeçote, válvulas radiais e refrigeração líquida, produz 144,2 cv de potência máxima a 10.300 rpm e torque máximo de 11,2 kgfm a 8.100 rpm. Porém o que impressiona é como essa italiana sobe de giros abruptamente e demonstra vigor impressionante acima de 5.000 giros -- nem é preciso reduzir para realizar ultrapassagens e, um giro com mais ímpeto no acelerador, já faz com que a roda dianteira saia do chão.

O tetracilíndrico da CB 1000R com 998,3 cm³ de capacidade, refrigeração líquida, DOHC, conta com um sistema de exaustão 4 em 1 e uma válvula que regula a saída de gases, melhorando o torque em baixas rotações. Além de ser infinitamente mais amigável que o da Brutale, o propulsor tem um desempenho mais modesto: são 125 cv de potência máxima a 10.000 rpm e 10,1 kgfm de torque a 7.750 rpm. Sem dúvida é mais confortável rodar com a CB 1000R no trânsito urbano. Motor mais manso, embreagem mais macia, enfim, uma motocicleta mais fácil de domar. 

Mais fácil também para enfrentar o trânsito urbano. Apesar de mais pesada -- a CB tem 208 kg (versão com ABS) contra 190 kg da Brutale RR -- a Honda tem maior ângulo de esterço e um pneu mais estreito na traseira (180/55-17), deixando-a mais ágil em manobras com baixa velocidade. Além disso, a CB 1000R faz jus à herança da família CB, uma linhagem de excelentes motos urbanas que existe desde a década de 60. 

 

FICHA TÉCNICA

MV Agusta Brutale 1090RR
Motor: Quatro cilindros em linha, 16 válvulas, DOHC, com refrigeração líquida
Capacidade cúbica: 1078 cm³
Potência: 144,2 cv a 10.300 rpm
Torque: 11,2 kgfm a 8.100 rpm
Câmbio: Seis velocidades
Alimentação: Injeção eletrônica Magnetti Marelli com corpo Mikuni
Quadro: Treliça em cromo-molibdênio
Suspensão: Dianteira telescópica invertida (upside-down) Marzocchi com 50 mm de diâmetro e 130 mm de curso, com ajuste de pré-carga da mola, retorno e compressão; traseira monoamortecedor Sachs fixado ao monobraço traseiro por link, com curso de 120 mm e ajuste de pré-carga da mola, retorno e compressão
Comprimento: 2.093 mm
Largura: 760 mm
Altura: não informada
Distância entre-eixos: 1.438 mm
Altura do banco: 830 mm
Tanque de combustível: 23 litros
Peso (a seco): 190 kg
Freios: Dianteiro com duplo disco flutuante de 320 mm com pinças monobloco Brembo de quatro pistões fixadas radialmente; traseiro por disco simples de 210 mm, com pinça de quatro pistões
Pneus: Dianteiro 120/70 R17; traseiro: 190/55 R17
Cores: Pérola/preto e vermelha/prata 
Honda CB 1000R C-ABS
Motor: Quatro cilindros em linha, 998,3 cm³, 16 válvulas, DOHC, arrefecimento líquido
Potência máxima: 125,1 cv a 10.000 rpm
Torque máximo: 10,1 kgfm a 7.750 rpm
Câmbio: Seis velocidades 
Alimentação: Injeção Eletrônica de combustível
Quadro: do tipo diamante em alumínio 
Suspensão: Dianteira do tipo garfo telescópico invertido, com 120 mm de curso e 109 mm de diâmetro, com regulagens; traseira monoamortecida, 128 mm de curso e 10 regulagens na pré-carga da mola
Freios: dianteiro por discos duplos flutuantes com 310 mm de diâmetro e pinça de 3 pistões; traseiro por disco simples com 256 mm de diâmetro e pinça de duplo pistão
Comprimento: 2.105 mm
Largura: 805 mm
Altura: 1.095 mm
Altura do assento: 825 mm
Altura mínima do solo: 130 mm
Distância entre-eixos: 1.445 mm
Tanque de combustível: 17 litros
Pneus: Dianteiro 120/70 -- ZR17 M/C (58W); traseiro 180/55 -- ZR17 M/C (73W)
Peso seco: 208 kg (versão C-ABS)
Cores: Verde metálica e Preta 

ESPECIFICAÇÕES TOP DE LINHA
Por outro lado, a MV Agusta Brutale traz especificações de uma superesportiva top de linha, praticamente pronta para entrar na pista. Ambas têm garfo telescópico invertido na dianteira, porém a Brutale traz tubos de 50 mm de diâmetro da grife Marzocchi. As duas nakeds têm freios a disco nas duas rodas -- mas a bruta italiana conta com pinças monobloco Brembo fixadas radialmente e mangueiras revestidas em malha de aço (aeroquip). Em resumo, a MV Agusta escolheu o que há de melhor no mercado de motos para montar a Brutale -- novamente justificando o preço mais alto.

 

Já a Honda optou por componentes de qualidade, mas que fossem mais acessíveis. Caso dos freios Nissin convencionais, porém equipados com sistema Combined ABS. São bastante eficazes e mais progressivos do que na Brutale, que optou por um conjunto mais agressivo. 

No quesito suspensão fica novamente clara a diferença entre as propostas dessas nakeds. Quando exigida até mesmo esportivamente, a Brutale mantém a moto na trajetória. Por outro lado, na Honda a suspensão dianteira é mais macia e, portanto, menos esportiva. Funciona muito bem para o uso cotidiano, mas o piloto vai sentir falta de mais rigidez para deitar em curvas radicais.

Isso sem falar em toda a eletrônica embarcada na Brutale 1090RR. Além de contar com dois modos de pilotagem -- Sport e Rain --, a naked italiana traz controle de tração com oito níveis de atuação. Um auxílio e tanto para rodar na pista e abusar do acelerador nas saídas de curvas. Outro item bastante importante para rodar em altas velocidades é o amortecedor de direção de série na Brutale -- ajustável, funciona muito bem.

DUAS ORIGENS, MESMA QUALIDADE
Como afirmei no início, esse comparativo não trata de decidir qual a melhor naked de 1.000cc. Cada uma tem suas qualidades e características, portanto cabe ao motociclista decidir qual a melhor para ele. E isso depende de diversos fatores. A começar pela conta bancária. A MV Agusta baixou o preço da Brutale 1090RR. Agora a naked montada em Manaus (AM) custa R$ 60.000, ainda bem acima dos R$ 40.800 pedidos pela Honda CB 1000R com freios C-ABS. 

Vale dizer que a escolha não deve ficar restrita apenas a boa grana que você pode economizar, mas também vai depender do seu perfil de motociclista. Se você nunca teve uma moto de 1.000cc e ainda sente certa insegurança em acelerar motores com mais de uma centena de cavalos, opte pela Honda CB 1000R. Certamente a naked japonesa vai lha oferecer potência e emoções suficientes, além de ser mais fácil de pilotar. 

Agora, se você já tem uma superesportiva japonesa de um litro, fez cursos de pilotagem em autódromos e curte acelerar na pista, a Brutale vai ser ideal para conhecer as motos italianas. São mais bruscas, ariscas, com mais personalidade, e, uma vez que vocês se entendem, é só diversão. Sem falar que, com as especificações da versão RR, não será preciso nem mesmo gastar com amortecedor de direção e pneus para entrar na pista -- a Brutale vem calçada com os Pirelli Diablo Rosso Corsa, um pneu de corrida homologado para rodar nas ruas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo