Carros

Harley-Davidson Fat Boy Special é exterminadora sobre duas rodas

Divulgação
Nova versão chega ao Brasil em janeiro, com freios ABS de série e preço sugerido de R$ 48.200 Imagem: Divulgação

Da Infomoto

De Park City, Utah (EUA)*

12/12/2011 15h41

Uma das motocicletas mais cultuadas do mundo motociclístico, a Harley-Davidson Fat Boy traz novidades em sua linha 2012: guidão recuado e assento mais baixo em forma de cunha. Ao pilotá-la, fica claro que as mudanças se convertem em um maior nível de conforto para piloto. O ícone americano -- que ficou imortalizado no filme "O Exterminador do Futuro 2", estrelado em 1992 por Arnold Schwarzenegger -- ganhou aparência mais dark, uma vez que várias peças receberam acabamento em cromo acetinado preto na versão Special. Com preço definido de R$ 48.200, o modelo estará disponível já em janeiro para o motociclista brasileiro.

Assim como todos os modelos da família Softail vendidos no Brasil, da qual a Fat Boy Special faz parte, a moto também conta com freios ABS como item de série, além do tradicional motor Twin Cam 96 de 1600 cm³, transmissão de seis velocidades e sexta-marcha Over-Drive (Six-Speed Cruise Drive, como prefere a Harley).

Esta nova versão da Fat Boy também traz rodas de liga leve maciça, porém pintadas em preto, com 25 pequenos orifícios. Detalhe, o pneu traseiro tem perfil baixo e 200 mm de largura. Além de escapamento duplo estilo shotgun, com ponteira cromada.

MOTOR V2
A Fat Boy Special que será comercializada por aqui vem equipada com o motor Twin Cam 96, e não com o Twin Cam 103 da versão norte-americana testada pela Infomoto nos Estados Unidos. A título de curiosidade, o Twin Cam 103 oferece quase 2 kgfm de torque a mais se comparado com o Twin Cam 96 (13,9 kgfm contra 12,1 kgfm). A Harley-Davidson do Brasil acredita que o motor de maior torque seja um diferencial da linha Touring.

A opção da subsidiária brasileira pode não ser a das melhores, até por que a Fat Boy recebeu melhorias que estão diretamente ligadas ao conforto, já que oferece uma posição de pilotagem mais agradável. Da mesma forma, um motor de maior capacidade cúbica e torque só ajudaria ainda mais nas retomadas, nas manobras e nos deslocamentos que exigem baixos e médios regimes de rotação. Enfim, mais segurança!

FICHA TÉCNICA: Harley-Davidson Fat Boy Special

Motor:Dois cilindros em V, 1585 cm³, Twin Cam 96B, refrigerado a ar.
Potência máxima:N/D
Alimentação:Injeção eletrônica. Partida elétrica.
Tanque:18,9 litros.
Câmbio:Seis velocidades, transmissão final por correia dentada..
Quadro:Berço duplo.
Suspensão:Garfo telescópico, com 130 mm de curso e 41,3 mm de diâmetro (dianteira); Bichoque (escondidos e montados horizontalmente), com 91 mm de curso (traseira).
Freios:Disco Simples flutuantes com 292 mm de diâmetro e pinça de 4 pistões (dianteiro); disco simples com 292 mm de diâmetro e pinça de duplo pistão (traseira).
Dimensões:2.390 mm x 905 mm x 1.075 mm (CxLxA); 120 mm (altura mínima do solo); 670 mm (altura do assento); 1.630 mm (entre-eixos)
Pneus:140/75 – R17 67V (dianteiro);
200/55 – R17 78V
(traseiro)
Peso a seco:313 kg (seco).

TESTE DINÂMICO
Neste teste realizado em Park City, vizinha à capital de Utah, Salt Lake City, no meio-oeste americano, a Fat Boy Special demonstrou muita desenvoltura e estabilidade, apesar de seus 313 kg (a seco).

O motor conta com injeção eletrônica de combustível e câmbio de seis velocidades com uma característica muito importante para quem gosta de viajar. A sexta marcha é Over-Drive. Ou seja, a última marcha tranquiliza o motorzão V-Twin, que trabalha com giro mais baixo, oferecendo conforto, menos vibração e maior economia de combustível.

No conjunto de suspensão e freios, o destaque é a adoção do sistema ABS, item de série em toda a família Softail. Claro que nenhum motociclista quer usar os freios no limite, principalmente em situações extremas, porém só de saber que o ABS está ali, à disposição, há certo alívio. Além disso, a Fat Boy conta com disco simples de 292 mm em ambas as rodas -- com cáliper de 4 pistões na dianteira e cáliper de dois pistões na traseira.

Durante as dezenas de quilômetros percorridos, o conjunto de suspensão da Special se mostrou bastante firme, copiando bem o piso. Mas vale ressaltar que imperfeições ou ondulações não fazem parte das estradas norte-americanas. Para este trabalho, a versão Special da HD conta com o tradicional garfo telescópico com 130 mm de curso na dianteira e, na traseira, sistema bichoque (escondidos e montados horizontalmente sob a moto), com 91 mm de curso.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES
Para muitos motociclistas, ser dono de uma Harley é mais que ter simplesmente uma moto na garagem. É compartilhar um estilo de vida que leva a bandeira do entretenimento e da amizade sobre duas rodas. No caso da Fat Boy isso vai além: trata-se de pilotar um ícone cuja história começou a ser escrita em 1990.

Na linha 2012, a HD melhorou a posição de pilotagem. Sobre a Fat Boy Special o piloto vai confortavelmente sentado, com os pés apoiados em pedaleiras plataforma. Isso sem falar no novo guidão, mais baixo e inclinado. Agora o piloto fica em uma posição mais natural, encaixado no banco e com os braços semi-flexionados. Em modo geral, o motociclista seguirá viagem com bom nível de conforto, desde que não se incomode com o vento no peito.

A Harley-Davidson Fat Boy Special foi feita para o motociclista que tem um destino, mas sem rota definida ou pressa de chegar lá. Aqui, vale a premissa de que o caminho é a parte mais interessante da viagem. Com capacidade para 18,9 litros de gasolina, esta Harley sugere poucas paradas e mais tempo rodando, uma vez que oferece uma autonomia de cerca de 350 km.

Resumindo: confortável, o conjunto também conta com boa estabilidade, mas não convém exagerar na inclinação da moto para contornar curvas, pois as pedaleiras irão ralar no asfalto.

Para finalizar, o painel de instrumentos da Fat Boy Special foi instalado no centro do tanque de combustível. O mostrador traz várias informações -- hodômetros total e parcial, relógio, indicador de marcha e rpm, mostrador de nível de combustível e contador de autonomia e luzes indicadoras de LED -- e ajuda a compor o visual clássico de uma moto que pode ser considerada um mito da recente história do motociclismo mundial. (por Aldo Tizzani)

*Viagem a convite da Harley-Davidson

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo