Topo

Cultura do carro

Veja oito carros nascidos na década passada que ainda estão nas ruas

Divulgação
Volkswagen Fox passou por três reestilizações em 15 anos de vida Imagem: Divulgação

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

12/09/2018 04h00

A indústria automobilística brasileira evoluiu muito nas últimas décadas, mas uma coisa é fato: ela ainda não consegue acompanhar os países mais ricos no desenvolvimento de novos produtos.

É verdade que temos alguns bons exemplos alinhados às tendências internacionais, como a décima geração do Honda Civic e o novo Volkswagen Polo. Mesmo assim, alguns projetos ainda resistem ao tempo e permanecem em linha por anos a fio.

UOL Carros separou a seguir oito exemplos.

Veja mais

+ Carros dos candidatos: Bolsonaro tem Freelander e Ciro anda de Elantra
+ Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
+ Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
+ Instagram oficial de UOL Carros
+ Siga UOL Carros no Twitter

Os veteranos das ruas

  • Divulgação

    Fiat Weekend (1996)

    Pouca gente sabe, mas a Palio Weekend mudou de nome em 2015 e agora se chama apenas Weekend. Dona do projeto mais velho desta lista, a perua surgiu em 1997 como primeiro modelo derivado do Palio, lançado no ano anterior. Além do design moderno, outro atrativo era o porta-malas de 500 litros, honrando o legado de sua antecessora Elba.

    Em 1999, a Fiat lançou a Palio Weekend Adventure, responsável por inaugurar o segmento de aventureiros urbanos no mercado brasileiro. A perua tinha vários adereços plásticos pela carroceria, pneus de uso misto, suspensão reforçada (e 4 cm mais alta) e até quebra-mato, que seria suprimido alguns anos depois.

    A perua passou por quatro reestilizações, e hoje preserva o visual da última atualização, realizada em 2012. Apesar dos boatos de que havia sido descontinuada, a Weekend segue em linha, segundo a Fiat. Duas versões são exibidas no configurador: Attractive (R$ 62.500, com motor 1.4 de 86/85 cv) e Adventure (R$ 79.290, com motor 1.8 de 132/130 cv). Em meio ao "mar" de SUVs compactos, a perua ainda tem uma clientela razoável. De janeiro a agosto deste ano, a Weekend emplacou 1.951 unidades.

  • Reprodução/Auto+

    Suzuki Jimny (1998)

    Quem entende de jipes sabe que este tipo de veículo costuma durar muito tempo. Até porque não há muito segredo: um projeto robusto o suficiente para encarar trilhas pode passar décadas a fio sem mudanças -- e nomes como Land Rover Defender e Jeep Wrangler estão aí para provar.

    É o que acontece também com o Suzuki Jimny. Lançada em 1998, a terceira geração está nas ruas até hoje e só será aposentada definitivamente em 2019, quando um novo projeto será lançado no Japão. Valente, o jipinho segue a clássica receita off-road, com carroceria construída sobre chassi e um sistema 4x4 "raiz", com caia de transferência e reduzida.

    Vendido no Brasil desde o ano de lançamento, o Jimny saiu de cena em 2003, voltando a ser importado em 2008. A partir de 2011, o Jimny começou a ser produzido no Brasil, inicialmente em uma fábrica em Itumbiara. Em 2015, a produção foi transferida para Catalão (ambas as cidades em Goiás), de onde o jipinho sai desde então. E assim deve permanecer por mais alguns anos, já que a chegada do novo Jimny não deve aposentar a atual (e longeva) geração aqui no país. Leia mais

  • Murilo Góes/UOL

    Fiat Strada (1998)

    O segundo "filhote" do Palio nasceu em 1998 e nem a Fiat deveria imaginar o tamanho do sucesso que a Strada faria. A picape leve assumiu a liderança do segmento em 2000 e nunca mais deixou o primeiro lugar. Nos anos seguintes, ela ganharia fama pelo pioneirismo no segmento, lançando as carrocerias de cabine estendida (1999) e dupla (2009), esta última com a sacada da terceira porta em 2013.

    A Strada, porém, segue sendo um sucesso, mesmo sem nenhuma alteração realizada no projeto em 20 anos de vida. É verdade que a picape já sente o peso da idade há tempos, mas ainda agrada quem precisa de uma picape robusta para trabalho pesado ou versátil para ser utilizada também como veículo de lazer. Leia mais

  • Divulgação

    Fiat Doblò (2001)

    O Doblò é mais um dos veteranos da Fiat. Lançado em 2001, o furgão tinha versões para passageiros e carga. Ganhou a versão Adventure em 2003 e o sistema de bloqueio do diferencial dianteiro Locker seis anos mais tarde. A primeira (e até hoje única) reestilização aconteceu em 2010, quando a Fiat aproveitou para lançar o novo motor 1.8 e.torq de 130 cv. Importante lembrar que o Doblò é uma das raras opções de veículos de sete lugares fabricados no Brasil abaixo de R$ 100 mil -- apenas a Spin também se enquadra neste grupo.

    Assim como a Weekend, permanece em linha sem mudanças significativas. E vende mais do que a perua: a Fenabrave indica 3.307 unidades comercializadas de janeiro a agosto deste ano.

  • Divulgação

    Volkswagen Fox (2003)

    O Fox surgiu em 2003 como um projeto genuinamente brasileiro. Baseado na plataforma do Polo (conhecida pelo código PQ-24), ele seguia o conceito de projeto "de dentro para fora", ou seja, considerando o espaço interno em primeiro lugar. Um de seus destaques era o banco traseiro deslizante, podendo ampliar o espaço para passageiros ou bagagem no porta-malas.

    Uma leve reestilização foi feita em 2008, pouco antes de um facelift mais profundo no ano seguinte. A renovação seguia a identidade visual da Volkswagen lançada na Europa, antecipando o design adotado posteriormente pelos demais modelos no Brasil. O interior do Fox também foi repaginado, ganhando, inclusive, acabamento de melhor qualidade.

    Em 2013 veio o Fox Bluemotion, estreando o motor 1.0 de três cilindros da família EA-211, que seria adotado posteriormente em Up! e Gol. Nova atualização visual aconteceu em 2015, acompanhada da estreia do motor 1.6 MSI de 120 cv, associado ao câmbio manual de seis marchas.

    Não houve mudanças significativas desde então, o que não impediu o Fox de continuar vendendo bem mesmo com a chegada do novo Polo. De janeiro a agosto deste ano, ele vendeu 25.707 unidades.

  • Divulgação

    Hyundai Tucson (2003)

    O Tucson desembarcou no país em 2003, inicialmente importado da Coreia do Sul. Era vendido nas motorizações 2.0 de quatro cilindros em linha e 2.7 V6, com opção de câmbios manual de cinco marchas ou automático de quatro velocidades, além de oferta de tração 4x4.

    A partir de 2010, o carro começou a ser montado na fábrica da Caoa, em Anápolis (GO). Dois anos depois, o SUV ganhou uma versão Flex com motor 2.0 de 146/142 cv. O design, porém, permanece inalterado desde o lançamento.

    O Tucson ainda tem um fã clube fiel: de janeiro a agosto, 3.453 carros foram vendidos no Brasil. Nosso país, aliás, é o único do mundo a vender as três gerações do Tucson ao mesmo tempo. Além do pioneiro, há a segunda geração (conhecida aqui como ix35) e o modelo mais recente, chamado de New Tucson.

  • Divulgação

    Mitsubishi Pajero (2007)

    Faz algum tempo que a Mitsubishi não lança um SUV totalmente novo. A atual geração do Pajero Full está nas ruas brasileiras desde 2007. O design praticamente não mudou nestes 11 anos, mas pelo menos o Pajero traz itens como oito airbags, controles de estabilidade e de tração, ar-condicionado digital e central multimídia com tela tátil de sete polegadas e suporte a Android Auto e Apple CarPlay.

    O SUV está disponível nas motorizações 3.2 turbodiesel de 200 cv e 3.8 a gasolina de 250 cv. Apenas 1.150 unidades foram emplacadas até agosto deste ano. Uma nova geração estaria sendo desenvolvida pela Mitsubishi juntamente com a Nissan, mas ainda não há data de lançamento.

  • Murilo Góes/UOL

    Volkswagen Gol (2008)

    O Gol é um dos modelos mais longevos da indústria brasileira. Lançado em 1980, o carro está em sua terceira geração -- embora comercialmente a Volkswagen prefira chamá-la de Geração 6. O modelo atual está entre nós desde 2008. Aproveitando a plataforma de Polo e Fox, o hatch tinha design moderno (inspirado no primeiro Tiguan) e acabava com velhos vícios do Gol, como motor transversal no lugar do longitudinal e melhor aproveitamento do espaço interno. E já que estamos falando em motorização, o carro estreou a linha de motores EA 111, com opções de 1 e 1,6 litro.

    De lá para cá, porém, pouca coisa mudou. O Gol passou por três reestilizações, sendo a última delas realizada neste ano. Juntamente com a atualização (que deu a "cara" da Saveiro ao hatch) veio a inédita oferta de câmbio automático de seis marchas, associado ao motor 1.6 MSI de 120 cv da linha EA 211.

    Mesmo longe da liderança absoluta perdida em 2014, o Gol continua sendo um dos modelos mais vendidos do país. Neste ano, a VW emplacou 45.771 unidades até agosto. Leia mais

Fonte: Divulgação

Mais Cultura do carro