Carros

Nova Vespa é cara? Veja 5 dicas para usar melhor seu dinheiro

Helena Yoshioka/Divulgação
Importada, série histórica da Vespa é limitada a 1.000 unidades e custa caro: R$ 27.930 Imagem: Helena Yoshioka/Divulgação

Arthur Caldeira

Da Infomoto, especial para o UOL

Sim, a Vespa voltou a ser importada para o Brasil, mas agora com um status de modelo luxuoso: a intenção é atrair um público jovem e endinheirado, que busca uma forma "cool" de se locomover nas grandes cidades. Com isso, será vendida em lojas de shopping-centers, junto com roupas e itens da grife.

Diferentemente de outras fábricas de motocicletas premium, como a Harley-Davidson e a BMW, a empresa não irá produzir a Vespa no Brasil por ora -- ainda que haja planos futuros. Ou seja, o preço é salgado mesmo e não há panorama de mudança a curto prazo. São R$ 27.930 pedidos pela série especial e limitada da Primavera 150, valor equivalente a uma Honda CB 500F 2016. 

(A versão Sprint custa R$ 26.930, enquanto a grandalhona GTS 300 vai a R$ 32.930.)

É um preço tão alto que, mesmo que você seja um fã ardoroso da marca, poderá gastar o valor com experiências mais interessantes com a Vespa. Infomoto e UOL Carros listam cinco dicas do que fazer com os quase R$ 30 mil, confira!

O que fazer com os R$ 27.930?

  • Imagem: Matteo Cavadini
    Matteo Cavadini
    Imagem: Matteo Cavadini

    Comprar a Vespa clássica usada

    A última vez em que a Vespa foi vendida oficialmente no Brasil foi na década de 1980. Fez muito sucesso no país à época com o modelo PX 200, equipado com motor dois tempos, câmbio na manopla e o inconfundível design italiano. Se você leva jeito para mecânica e curte o cheirinho de óleo dois tempos, pode comprar uma PX 200 1987 elestart, ou seja, com partida elétrica, por cerca de R$ 8 mil, inclusive com documentação em dia. Há modelos em estado de novo que são vendidos por até R$ 11.000 e outros que vão dar trabalho para restaurar e custam R$ 3.000, R$ 3.500. Com a diferença dá para restaurar e ainda customizar sua PX 200 com acessórios da época. Ou seja, você vai rodar com ainda mais estilo.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Comprar outro scooter de 150 cc

    No lançamento da Vespa, o slogan "a Vespa é uma Vespa e não um scooter" foi repetido à exaustão. Retórica à parte, a Vespa é sim um scooter e pioneira: inaugurou o segmento de veículos de duas rodas no qual o condutor vai sentado e que traz o motor acoplado à roda traseira. Se você não se importar em rodar com um scooter de 150 cc que não seja a Primavera, mas que tenha câmbio CVT e freios ABS. Um exemplo? A Yamaha oferece o NMax por R$ 12.207 (com frete incluso para o Estado de São Paulo). E pode economizar a outra metade do valor.

  • Imagem: Infomoto
    Infomoto
    Imagem: Infomoto

    Fazer "tour cultural" pela Itália e ir ao Museu da Vespa

    Se você for fã de museus e arte, uma opção é usar os quase R$ 30 mil para se hospedar em Florença e dar uma esticada até Pontedera, distrito de Pisa onde fica o Museu da Piaggio. Capital da Toscana, Florença reúne cerca de 40% das obras de arte da Itália em seus famosos museus, ou seja, temos um combo 2 em 1. Um pacote com passagem aérea e hospedagem de seis noites (com café da manhã) em Florença fica em torno de R$ 7 mil por pessoa. O trem até Pontedera sai por R$ 24 (cerca de 7 euros) e a entrada para o Museu Piaggio que, além da Vespa, conta a história do Grupo Piaggio e de outras marcas como a Gilera, é gratuito. Certamente, os outros R$ 14 mil serão suficientes para cobrir traslados, refeições e até comprinhas durante sua viagem cultural pelo berço do Renascimento.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Percorrer a Costa Amalfitana... de Vespa

    Mais do que clássica, a estrada de mão dupla entre Sorrento e Salerno, na Costa Amalfitana (Itália), é um desafio da engenharia italiana ao bom senso com suas dezenas de curvas cegas, compensadas pela vista maravilhosa desse charmoso pedaço do litoral europeu. Uma das maneiras de circular pela estrada é alugar uma Vespa. O passeio guiado de um dia com Vespa sai por R$ 850 (250 euros), mas se preferir pode alugar um dos scooters da marca por três dias ao custo de R$ 500 (150 euros) e rodar por conta própria nos vilarejos como Positano ou Ravello. Para chegar até lá, o mesmo voo direto para a capital italiana (R$ 6.600). Cotamos um pacote de seis dias da Visual Turismo, que inclui acomodação em hotéis quatro estrelas (com café da manhã) em Roma e Amalfi, "city tour" em Roma, passeio em Pompéia e Nápoles, além de algumas refeições, a R$ 5.300 (1.550 euros). Com a diferença para o valor de uma Vespa nova no Brasil você pode cobrir os custos diários da viagem e ainda fazer compras.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Fazer roteiro culinário pela Toscana... de Vespa

    Segundo o discurso da marca no Brasil, a Vespa simboliza o modo de vida italiano. Que tal trocar a Vespa nova pela chance de vivenciar "la dolce vita" na própria Itália? Gastando bem menos do que os mesmos R$ 27.930 cobrados pela Primavera 150 histórica, é possível pegar um voo até Roma (R$ 6.600) de classe econômica voando Alitalia, um trem (cerca de R$ 100 o expresso) até Florença e participar de um tour culinário pela Toscana, famosa por suas belas paisagens, bons vinhos e comida saborosa. E o melhor de tudo, pilotando uma Vespa. O tour de sete dias pela Toscana, oferecido pela empresa "Italy by Vespa", custa R$ 9.500 (2.800 euros) e inclui sete noites de hospedagem em hotel quatro estrelas em Chianti, aluguel da Vespa, seguro do scooter, guia, quatro almoços e jantares, uma aula de culinária com um chef italiano e passeio pelas principais atrações da região, como castelos, vinícolas, entre outros. Isso vale para pacotes entre abril e maio, ou setembro e outubro. Sobrariam ainda cerca de R$ 11.700. Va benne!

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo