Testes e lançamentos

Já andamos no novo VW Tiguan: veja 5 melhorias e uma coisa que ficou pior

Murilo Góes/UOL
Tiguan "esticado" e equipado com motor 2.0 e tração integral foi exibido no Salão de Buenos Aires 2017 Imagem: Murilo Góes/UOL

Eugênio Augusto Brito
Leonardo Felix

Do UOL, em Wolfsburg (Alemanha), e Buenos Aires (Argentina)

10/07/2017 06h00

A segunda geração do Tiguan vai atrasar, mas está a caminho do Brasil -- previsão inicial era para o fim deste ano, mas deve ficar para primeiro semestre de 2018. E vai mudar bastante, ao adotar a plataforma modular MQB.

Para nosso país a Volkswagen vai trazer apenas a configuração de sete lugares produzida no México e preparada para o mercado americano, com motor 2.0 TSI. Isso abrirá espaço, inclusive, para uma convivência com o velho Tiguan, que recentemente ganhou versões com motor 1.4 turbo a gasolina de 150 cv e tração dianteira.

O novo deve vir com propulsor 2.0, também turbinado da família TSI, com 186 cv e opções de tração dianteira ou integral. Afinal, será preciso mais força para levar até sete pessoas.

Recentemente UOL Carros teve dois contatos com o modelo: no Salão de Buenos (Argentina) conhecemos a derivação esticada que será importada para mercados da América do Sul. Em Wolfsburg (Alemanha), cidade onde fica sediada a matriz da marca, testamos uma das configurações do modelo.

Veja cinco pontos que melhoraram (bastante) e um que deixou a desejar na troca de plataforma.

 

O que melhorou no Tiguan

  • Imagem: Murilo Góes/UOL
    Murilo Góes/UOL
    Imagem: Murilo Góes/UOL

    Visual

    A nova identidade visual adotada pelo Tiguan, batizada de "Tornado" e já presente no novo Passat, ornou muito bem com a proposta mais "parruda" do utilitário médio. É um dos segredos para o sucesso que o modelo tem feito na Europa. O capô elevedo e estendido até a grade dianteira, larga e integrada aos faróis, as linhas de cintura bastante delineadas e as lanternas traseiras bipartidas em forma de L dão ar moderno sem perder os traços retilíneos e sóbrios típicos de um Volkswagen.

  • Imagem: Murilo Góes/UOL
    Murilo Góes/UOL
    Imagem: Murilo Góes/UOL

    Acabamento e equipamentos

    Desde o fim da década passada o Tiguan vendido no Brasil não passa por transformações profundas, tendo portanto envelhecido bastante. O novo está muito mais arejado, com painel e acabamento rejuvenescidos, quadro de instrumentos totalmente digital (também herdado do Passat e de modelos da Audi) e central multimídia com projeção de celulares em tela tátil de alta resolução.

  • Imagem: Murilo Góes/UOL
    Murilo Góes/UOL
    Imagem: Murilo Góes/UOL

    Espaço interno

    O Tiguan atual já é confortável e tem bom espaço interno para cinco pessoas, com 2,60 metros de entre-eixos e 470 litros de porta-malas. Só que o novo cresceu bastante: são 2,68 m de entre-eixos na configuração de cinco lugares e 2,79 m na de sete, que é a que virá ao Brasil. Bagageiro agora oferece volume de 615 litros na variante mais curta, sendo excelentes 760 litros na derivação esticada.

  • Imagem: Murilo Góes/UOL
    Murilo Góes/UOL
    Imagem: Murilo Góes/UOL

    Tecnologia

    Já dissemos que o atual Tiguan está envelhecido, sobretudo na área de comandos e do painel de instrumentos, com dois relógios chapados e telinha central monocromática, que ainda remete a modelos como Gol e Fox. Isso sem falar no volante, que já ficou mais do que manjado em toda a linha. A nova geração traz novo padrão, já vista em Passat e Golf atuais, e também aplicada (em doses mais humildes, claro) ao up! 2018. Itens como freio de estacionamento elétrico, seis airbags e controles de estabilidade e tração continuará presentes, acompanhados por faróis e lanternas com LEDs, ar-condicionado digital de três zonas e assistências semi-autônomas de condução.

  • Imagem: Murilo Góes/UOL
    Murilo Góes/UOL
    Imagem: Murilo Góes/UOL

    De onde vem

    O Tiguan 2 virá ao Brasil via México, não mais Europa. Isso explica por que ele terá configuração de sete lugares e não mais cinco, já que a produção mexicana é dedicada aos Estados Unidos, que só terá a opção de carroceria esticada. Isso é bom, pois o acordo comercial entre os dois países latino-americanos permitirá que o preço não suba tanto quanto se o SUV viesse da Europa. Por enquanto, caberá ao Tiguan antigo suprir a demanda por SUVs compactos-médios de cinco lugares, já que a importação do T-Roc, utilitário baseado no Golf, vem sendo descartada pela marca (por enquanto).

O que piorou

  • Imagem: Murilo Góes/UOL
    Murilo Góes/UOL
    Imagem: Murilo Góes/UOL

    Mais potente, menos estável

    Mesmo usando pacote com motor 1.4 e tração dianteira apenas, seria um pecado falar contra o dinamismo do Tiguan atual. Muito bem arranjado, o SUV contorna curvas muito bem, possui suspensões com acerto mais firme e oferece ótima dinâmica. O novo, ainda que seja mais potente e esperto ao usar motor 2.0 turbo e transmissão DSG (automatizada de dupla embreagem) de sete marchas, apresenta um comportamento menos estável ao contornar curvas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Testes e lançamentos

Topo