Topo

Coluna

Fernando Calmon

"Medidas drásticas" das marcas causam rebuliço na indústria automobilística

Divulgação
Sedãs da Ford estão com dias contados: marca vai priorizar SUVs e crossovers Imagem: Divulgação
Fernando Calmon

Fernando Calmon, engenheiro, jornalista e consultor, dirigiu a revista Auto Esporte e apresentou diversos programas de TV. Escreve às terças-feiras.

Colaboração para o UOL, de São Paulo (SP)

12/12/2018 07h00

Fim de produção de sedãs, fechamento de fábricas e mudança de estratégia são anúncios que podem transformar o setor

Se o mundo automobilístico tem passado por fortes turbulências, acontecimentos recentes no exterior colocaram mais coisas de pernas para o ar. Há um primeiro episódio, em abril último, quando a Ford desistiu de produzir sedãs nos EUA para se concentrar em SUVs e picapes. Pouco adiante, em junho, Sergio Marchionne, CEO da FCA falecido um mês depois, admitiu encolher drasticamente a presença da marca Fiat em toda a Europa.

Agora a GM, além de decretar o fim de vários modelos Chevrolet (incluindo o híbrido Volt), Cadillac e Buick, anunciou o fechamento de duas fábricas nos EUA e uma no Canadá, além de duas outras não especificadas no resto do mundo. O grupo tem 32 fábricas do Uzbequistão ao Equador, passando por Egito e Vietnã. Mais doloroso foi o corte anunciado de mais de 10.000 empregos na América do Norte como indicativo de sua forte guinada em direção aos veículos elétricos. A empresa estima em cerca de 15 anos o fim dos motores a combustão interna (MCI) em automóveis.

Veja mais

+ Comprar carro pelo celular já é realidade; como isso afeta o mercado?
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

A Volkswagen anunciou, agora, que em 2026 lançará sua última geração de MCI, sem marcar o encerramento total da produção. Ciclos de evolução de motores são em geral de dez anos e dos veículos, de sete anos. Então, ainda terá tempo de, eventualmente, rever planos. Mesmo porque o CEO Herbert Diess admitiu, em setembro, que investimentos para desenvolver os elétricos serão maiores que os estimados.

Um estudo publicado pela revista suíça "Revue Automobile" mostrou o custo de eliminar cada tonelada de CO2 (gás precursor de efeito estufa e mudanças climáticas). Em motor convencional é de 400 francos (R$ 1.600); em híbridos, 1.100 francos (R$ 4.400) e em elétricos de 3.000 a 4.300 francos (até R$ 17.000). Ou seja, cerca de 10 vezes mais caro.

Isso explica, em parte, os recentes distúrbios violentos na França. O estopim foi o acréscimo de apenas seis centavos de euro no diesel (R$ 0,26) e três centavos na gasolina (R$ 0,13) para "desestimular" combustíveis fósseis: na Europa são os mais caros do mundo (R$ 6,50, o litro). Obviamente houve outros motivos para a revolta, mas a desistência do aumento por parte do governo francês indica que será difícil equacionar subsídios tão altos, em curto espaço de tempo.

Tem pouco sentido só proprietários de veículos pagarem a conta. Na Alemanha e nos EUA ela é dividida entre todos os contribuintes de impostos. Sem subvenção (governos já enfrentam problemas fiscais), poucos se animarão a comprar um automóvel elétrico. Nenhum governo terá fôlego para bancar isso, em prazos tão otimistas.

Agora mesmo, GM, Tesla e Nissan apelam ao governo americano para renovar, em parte, subsídios de até US$ 7.500 (quase R$ 30.000) por meio de compensação no acerto anual do imposto de renda dos compradores. Isso é válido apenas para os primeiros 200.000 clientes de elétricos ou híbridos de cada marca.

Para completar todos esses fatos confusos, a Volvo participou de forma inusitada do recente Salão do Automóvel de Los Angeles (EUA), encerrado domingo passado. Seu estande não tinha nenhum carro exposto: apenas sofás e peças de decoração. Pura jogada de marketing, mas houve também interpretações pouco abonadoras à marca sueca.

Siga o colunista

Fernando Calmon no Facebook
@fernandocalmon no Twitter
@fernandocalmonoficial no Instagram

Alta Roda

Alta Roda
Imagem: Alta Roda
+ Anfavea confirma: 2018 terá resultado superior à sua segunda previsão para vendas de veículos leves e pesados. "Preferimos ser surpreendidos para mais do que para menos", expressou Antônio Megale, presidente da entidade. Até novembro, no acumulado do ano, o crescimento foi de 15% sobre 2017. Quase 2,6 milhões de unidades serão emplacadas em 2018.

+ Conversíveis atraem muito poucos compradores no Brasil, mas a Mini voltou a oferecê-los. Merece aplausos. São três motores (136, 192 e 231 cv) e duas opções automáticas (7 e 8 marchas) de R$ 146.990 a 196.990. Versão JCW, a mais rápida e veloz, traz acerto duro de suspensão, inevitavelmente desconfortável, mas dentro de sua proposta. Ideal para boas estradas.

+ Esta semana foi publicada resolução do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) que estabelece novas normas de emissões para veículos leves, padrão L7. Passará a vigorar em modelos novos a partir de 2022 e para toda a linha comercializada no país, em 2023. Ponto altamente positivo é a convergência de prazos com as metas de economia de combustível.

+ Restaurante e oficina de automóvel importado, no mesmo endereço na capital paulista, é combinação inusitada. Chamam-se, respectivamente, 911 e Flacht. Nem precisa explicitar que se trata de sofisticada iniciativa para os fãs do icônico carro esporte da Porsche, sejam modelos mais novos ou mais antigos. Tecnologia de inspiração alemã, mas a comida, bem brasileira.