Coluna

O Motociclista

Dupla Biz-Super Cub: "galinha dos ovos de ouro" da Honda se renova em breve

Divulgação
Imagem: Divulgação
Divulgação
O MotociclistaRoberto Agresti

Roberto Agresti, editor da Revista da Moto! desde 1994, volta a escrever para UOL Carros. Sua estreia na imprensa automotiva foi em 1984, com passagens pelas revistas Motoshow (atual Motor Show) e Motor 3. Atualmente, é comentarista da rádio CBN/CBN MOTO e colaborador do site AutoEntusiastas desde 2011.

Colaboração para o UOL

24/10/2017 04h00

A Honda não seria o gigante que é se não tivesse lançado a Super Cub, que em 2018 completará 60 anos de fabricação contínua e a espetacular cifra de 100 milhões de unidades produzidas.

Ela é, nada mais, nada menos, que o veículo mais popular sobre a face da terra.

Para os brasileiros esse nome não diz muito. Mas e se trocarmos "Super Cub" por "Biz"? Aí sim cai a ficha: lançada em 1998, a Biz é uma bem bolada motoneta de 100 cc, praticamente um clone muito bem-sucedido da filosofia que tornou a Super Cub um estrondoso sucesso por todas as partes do planeta.

Nos dois casos, a receita se repete: simplicidade, baixo custo e economia. Como nos rincões do Brasil onde a Biz é popular como pão com manteiga, no Japão do final dos anos 1950, ruas e estradas sofriam de má conservação crônica. E sob estas condições, rusticidade não foi o único fator que motivou o sucesso de ambas.

Reprodução
Anúncio da Honda de décadas atrás prova que motonetas práticas sempre foram sua maior sacada Imagem: Reprodução

Combinação perfeita

O pequeno e econômico motor 4-tempos, que praticamente dispensa manutenção, fica impecavelmente "casado" com um chassi robusto e suspensões simples, porém eficazes. E a Biz, a versão "jabuticaba" (exclusiva do Brasil), ainda tem uma espetacular vantagem: um amplo compartimento sob o banco, que pode abrigar capacete ou qualquer outra coisa de bom porte, em um espaço conseguido de forma genial: substituindo-se a roda traseira de 17 polegadas (original da Super Cub) por outra menor, de 14 polegadas.

No entanto, nada disso teria valor se elas não fossem fáceis de se conduzir e acessíveis a qualquer pessoa capaz de andar de bicicleta. Para isso, contribuiu muito o desenho do chassi, onde um escudo plástico protege as pernas, onde é possível até mesmo pilotar trajando saia.

Outra característica é o bom posicionamento do piloto, que fica mais ereto -- isso existe graças a um item técnico, a embreagem automática, que descomplica a pilotagem.

Origem

Nos anos 1960, algumas Super Cub foram trazidas ao Brasil por importadores independentes, mas a popularização dessa proposta veio mesmo com a montagem da C 100 Dream em Manaus, em 1992 -- era o modelo que precedeu a popularíssima Biz.

Agora, novidade no mundo todo: em uma ação conjunta, a matriz no Japão e a subsidiária brasileira da Honda reafirmam sua fé naquela que é a verdadeira "galinha dos ovos de ouro" da empresa e irão mostrar novas gerações das duas motonetas.

A primeira surge no Salão de Tóquio (que começa nesta semana), enquanto a segunda estreia no Salão das Duas Rodas de São Paulo (abertura em 14 de novembro): as inéditas motonetas serão modernizadas na técnica, mas seguirão plenamente fiéis à filosofia original.

As imagens das novas Super Cub já foram divulgadas. Já para a Biz, a Honda do Brasil preferiu mostrar a novidade aos pouquinhos, por meio de "teasers" divulgados no site da empresa.

Divulgação
Honda Super Cub 2018 já foi mostrada em fotos; nova Biz será revelada oficialmente no Salão Duas Rodas, em novembro Imagem: Divulgação

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Topo