Coluna

O Motociclista

Assim como moto substituiu o jegue, scooter pode ser nova "moto de entrada"

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Divulgação
O MotociclistaRoberto Agresti

Roberto Agresti, editor da Revista da Moto! desde 1994, volta a escrever para UOL Carros. Sua estreia na imprensa automotiva foi em 1984, com passagens pelas revistas Motoshow (atual Motor Show) e Motor 3. Atualmente, é comentarista da rádio CBN/CBN MOTO e colaborador do site AutoEntusiastas desde 2011.

Colaboração para o UOL

17/10/2017 04h00

Em uma época nem tão remota assim, na metade dos anos 1980, a motocicleta no Brasil vivia um momento de transição: de veículo outrora exclusivo, importado, caro e prioritariamente usado como objeto de lazer, a maciça produção de modelos de pequena cilindrada em Manaus (AM) popularizou seu uso, destacando outra faceta: a do meio de transporte e de trabalho -- em muitos lugares, substituindo animais que faziam esta função.

A partir de então aconteceu uma brutal escalada, que "pilhou" o segmento que cresceu durante muitos anos à razão de dois dígitos. Foi uma maravilha até 2011, ano recordista em vendas no país, quando mais de 2 milhões de unidades foram vendidas. Mas eis que sobreveio a crise, e de 2012 para cá o mergulho foi constante, implacável, cruel.

Neste 2017, segundo os dados da associação dos fabricantes, a Abraciclo, a previsão das vendas é de mal superar 800 mil unidades, queda de cerca 5% no ano, brutais 40% desde o ano-recorde 2011.

Quais os motivos?

Tamanho declínio teve diversas causas, algumas evidentes como a fortíssima redução da atividade econômica no Brasil. Mas o que saltou à vista na recente divulgação dos dados do setor relativos ao 3º trimestre foi a forte evolução de um segmento em particular, o de scooters.

Nada menos que 62% de crescimento no acumulado de janeiro a setembro de 2017, se comparado ao mesmo período do ano passado. Esses números não deixam dúvida que, apesar da bola murcha da economia, o fenômeno mundial de scooters está em marcha também no Brasil.

Por que "também"? Simples: é este tipo de veículo que há anos se constitui em verdadeira "salvação da lavoura" do exigente e evoluído mercado europeu e da Ásia -- em países como Indonésia, Tailândia, Vietnã e obviamente os gigantescos China e Índia, scooters tem conquistado cada vez mais espaço.

Benoit Tessier/Reuters
Fabricante que não tiver um scooter competitivo para este segmento no Brasil estará fadado ao fracasso por aqui Imagem: Benoit Tessier/Reuters

Amigável

A razão do progresso dos scooters no Brasil e mundo afora é variada, mas existe uma explicação -em uma só palavra- para revelar a essência desse fenômeno por aqui: o scooter é amigável.

Enquanto a moto -- especialmente as grandonas -- sobrevivem às custas de redutos de apaixonados, aqueles usuários "por lazer" que eram os motores do consumo de muitas décadas atrás, o atual comprador de scooter, seja ele pequeno, médio ou grande, está mais interessado em aspectos relacionado à praticidade e facilidade de uso.

Vento na cara, sensação de liberdade? Marqueteiros interessados em vender scooters devem esquecer tais estereótipos e mirar em palavras como "economia", "facilidade" e "praticidade". Os compradores desses veículos não querem pertencer a tribo e tampouco frequentar encontros de adoradores das duas rodas, mas apenas ir do ponto A ao B suavemente, com seus pés e pernas protegidos atrás de carenagens e levando seus pertences bem abrigados nos compartimentos sob o assento. Ah, e se houver um para-brisa bem protetivo, melhor.

Este perfil do (novo) consumidor está contrariando a regra do declínio das vendas de veículos de duas rodas no Brasil. É claro que há gente que já usava motocicletas e escolhe o scooter pelas vantagens assinaladas, como também há gente que opta por este veículo porque está cansado (a) de se arrastar em congestionamentos dentro de automóveis. E ainda existem aqueles que jamais teriam uma motocicleta, mas veem nos scooters a ferramenta ideal para a mobilidade nas grandes cidades.

Às vésperas do Salão das Duas Rodas de São Paulo, cuja abertura está prevista para o dia 14 de novembro, o fabricante que não tiver em seu estande ao menos um modelo competitivo para o nosso ora pulsante segmento de scooters estará fadado ao fracasso.

O Brasil ainda é um país que -- com a economia reagindo -- poderá absorver milhões de motonetas e motocicletas de pequena cilindrada, que ainda são a base crucial para transporte especialmente nas regiões norte e nordeste.

Mas é inegável que a genialidade do democrático e sobretudo amigável scooter foi definitivamente capturada -- e a tendência é vermos cada vez mais este tipo de veículo rodando nas mãos de quem, inclusive, jamais pensou em rodar com nada que tivesse duas rodas e motor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Colunas - Coluna O Motociclista
Topo