Topo

Coluna

Caçador de Carros

Caçador de carros: por que você deve levar seu filho ao Salão do Automóvel?

Siga o UOL Carros no
Felipe Carvalho

Felipe Carvalho é administrador de empresas, consultor e primeiro "caçador de carros" profissional do país. Seu canal no YouTube dedicado a avaliações de achados automotivos tem mais de 100 mil inscritos. www.youtube.com/CarrosdoPortuga

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

09/11/2018 13h30

Minha paixão por carros -- que se tornou profissão -- começou ainda criança, no Salão de SP de 1990

O ano era 1990. O presidente Fernando Collor de Mello, em seu primeiro ano de mandato, comparou os carros fabricados no Brasil com carroças. Claro que essa comparação foi um exagero, mas de fato nossos carros estavam bem atrasados em relação a outros mercados. Até então, passamos bons anos sem poder importar carros. O mercado era dominado por quatro grandes fabricantes -- Volkswagen, Chevrolet, Ford e Fiat -- e cada uma delas tinha um leque pequeno de opções.

Dito isso, uma de suas primeiras ações como presidente foi justamente liberar as importações, o que abriu portas de um dia para o outro para uma infinidade de carros bem mais modernos que os que estávamos acostumados.

No final daquele ano, o já então consagrado Salão do Automóvel recebeu carros de diversas marcas, algumas desconhecidas da maioria das pessoas. Eu era apenas uma criança de oito anos e meu pai resolveu me levar naquela que seria minha primeira visita ao evento. Foi o começo de tudo.

Veja mais

Clássico: conheça Ferrari F40 que veio ao Salão de SP de 1990 e não voltou
+ Veja dicas para visitar o Salão na boa
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Um ícone me marcou

Uma imagem não sai da minha cabeça: a icônica Ferrari F40 no estande da Fiat. Como qualquer garoto dos anos 1980, cresci idolatrando esse carro, que estampou a parede e enfeitou o armário do meu quarto em forma de quadro e miniatura. Era tanta gente ao redor da Ferrari que foram poucos os segundos de contato visual, mas suficientes para enxerem meus olhos.

Quase três décadas depois, ainda lembro desse momento como se fosse hoje. Essa mesma F40, a única do Brasil, ficou anos na fábrica da Fiat, em Betim-MG, até sair da toca nos últimos anos, inclusive participando de eventos de carros antigos.

Reprodução
A F40 no estande da Fiat, e o público ao fundo. Era o Salão de SP de 1990 Imagem: Reprodução

Depois dessa primeira visita, nunca mais deixei de ir no Salão do Automóvel. Estive presente em todos, na maioria das vezes acompanhado do meu pai, aquele que considero ser meu "mentor automotivo".

Cada uma dessas visitas sempre foi muito importante para mim. Meu pai tirava um dia de folga do trabalho para ter esse momento comigo. Era um dia especial, onde eu sabia que teria contato com aqueles carros que eu só poderia ver em revistas. E como nasci no final de outubro, data próxima da semana do evento, até parece um presente de aniversário para mim.

Nessas visitas, eu gostava de ver carro por carro e, sempre que possível, entrar neles para conhecer os detalhes do interior. Andava com uma sacola cheia de brindes e de materiais publicitários dos carros que são distribuídos nos estandes. Eles eram como medalhas de participação e no dia seguinte eram exibidos com orgulho para os amigos do colégio. Ainda tenho alguns guardados e é sempre curioso quando os revejo.

Qual o interesse atualmente?

Mesmo aquelas crianças que não têm tanta paixão por carros, vão se divertir com outras atrações. Sempre tem um carro que vira robô ou um artista famoso promovendo alguma marca.

Porém, não tenho pretensão nenhuma de mudar comportamentos. Eu gosto de carros, mas entendo que muitos não os têm como algo tão importante e, consequentemente, são menos apaixonados pelo universo automotivo. Para mim, tudo bem. Se ninguém quer que eu passe a me interessar por moda ou culinária, não sou eu que forçarei alguém a gostar de carros.

Minha única filha tem 10 anos e até está ansiosa pelo momento que eu for ensiná-la a dirigir, mas fora isso, não desperta nenhum interesse por carros. Na verdade, ela até tira sarro do nosso Nissan Maxima 1995, o antiguinho que alguns de vocês sabem que tenho na garagem.

Ela é uma garota que acompanha alguns dos costumes de sua geração e não sou eu que vou forçá-la a ir no Salão do Automóvel comigo.

O recado que quero passar é para você que tem um filho ou uma filha com paixões próximas às minhas. Mesmo que você não goste tanto quanto ele, faça um esforço em levá-lo ao Salão do Automóvel desse ano. Sem promessas de minha parte e sem pressão da sua parte, mas tenho convicção que será marcante para ele e pode até ser que fomente ainda mais essa paixão para que no futuro vire profissão, assim como foi comigo.

Nesse ano de 2018, estou indo para meu segundo Salão do Automóvel como membro da imprensa. Encaro esse trabalho com tanta paixão e felicidade que muitas vezes digo que isso parece um hobby. Eu não tenho dúvidas que trabalhar com carros é o que farei pelo resto da vida e não posso deixar de agradecer ao meu pai, que me levou naquele Salão do Automóvel de 1990 para ver a Ferrari F40.

Serviço

+ Data: 8 a 18 de novembro de 2018
+ Horário: de 8 a 17/11, das 13h às 22h; dia 18/11, das 11h às 19h
+ Endereço: São Paulo Expo - Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, Jabaquara, Zona Sul - SP
+ Pavilhão fica a 800 m da estação Jabaquara do Metrô. Há transporte gratuito entre estação e pavilhão
+ Atrações paralelas: test-drive de vários modelos na parte externa do evento.

+ Ingressos: Primeiro dia: R$ 50 (R$ 25 a meia entrada); Demais dias: R$ 72 (R$ 36 a meia); Último dia: R$ 90 (R$ 45 a meia)
+ Obs: Crianças até 5 anos não pagam; crianças de 6 a 12 anos pagam meia
+ Estacionamento: R$ 45 para carros; R$ 25 para motos