Topo

Coluna

Caçador de Carros

Quer vender o carro? Caçador de Carros dá dicas para valorizar o seu usado

Marlene Bergamo/Folhapress
Imagem: Marlene Bergamo/Folhapress
Felipe Carvalho

Felipe Carvalho é administrador de empresas, consultor e primeiro "caçador de carros" profissional do país. Seu canal no YouTube dedicado a avaliações de achados automotivos tem mais de 100 mil inscritos. www.youtube.com/CarrosdoPortuga

Colaboração para o UOL, de São Paulo (SP)

24/10/2018 04h00

Saiba como "ajeitar" seu carro e preparar um bom anúncio na hora de passá-lo adiante

É consenso que os carros no Brasil são muito caros. Até mesmo a compra de um simples modelo usado está distante de boa parte das pessoas. Sendo assim, é importante que a escolha seja bem feita para que a desvalorização possa ser a menor possível no futuro dia da venda desse carro.

Assim pensa a maioria, basta ver quantidade de carros iguais nas ruas, sempre nas mesmas cores e modelos. Não faltam ótimas opções com melhor custo/benefício que os líderes de mercado, mas o medo de comprar algo com pouca liquidez é maior que a vontade de ter um bom carro.

Veja mais

+ Caçador de Carros: já ouviu falar em "resto de rico"?
+ Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
+ Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
+ Instagram oficial de UOL Carros
+ Siga UOL Carros no Twitter

Dito isso, fica claro a importância da venda de um carro usado para que o dono possa concretizar o ciclo de um bom negócio, que começa no dia da compra, se mantém durante o período de uso e finaliza no dia da venda. Quanto menor a diferença entre a venda e a compra e menor o valor gasto com manutenção, melhor será o negócio.

Claro que não incluo nisso os profissionais que trabalham com compra e venda de carros, que obviamente visam lucro em uma transação de compra e venda.

Mas se você é uma pessoa "comum", que sabe que carro não é investimento e que possivelmente vai perder dinheiro, siga essas dicas para valorizar ainda mais seu usado.

1. Faça uma avaliação crítica.

Todos os dias recebo dezenas de mensagens de interessados em vender seus carros e, em todas elas, vem a observação de que o carro está impecável, mas nem sempre essa é a realidade. Liste todos os detalhes negativos que o carro possa ter e procure melhorá-los.

Na parte externa, a dúvida de todos é se vale a pena investir em reparos de funilaria e pintura, e a reposta é simples: vale. Se você quer vender um carro, ele precisa estar o mais bonito possível para se destacar diante de tantos outros modelos.

É comum ver riscos e ralados que podem ser disfarçados ou até eliminados com um simples polimento. Porém, alguns mais profundos podem precisar da interferência de um profissional, que vai avaliar qual a melhor técnica para o reparo parecer o mais original possível.

Na parte interna, invista num serviço de higienização, principalmente se o carro tiver algum cheiro desagradável. Tire todos objetos que normalmente são carregados no carro, seja no interior ou porta-malas. Não apresente o carro com a aparência de uma "lixeira" que isso vai afastar compradores. Todos os equipamentos devem estar funcionando perfeitamente, portanto faça reparo antes de um possível comprador descobrir e descartar a compra.

Sobre mecânica, se você é daqueles que mantém todas as manutenções em dia, não terá nenhuma surpresa. Apenas recomendo que guarde todos os comprovantes e notas fiscais, seja de serviços realizados em concessionária ou em oficinas particulares, para poder apresentar aos interessados. Não tem nada mais seguro para um comprador do que ver que a mecânica do carro não foi negligenciada.

Agora, se você é daqueles que espera quebrar para consertar, sinto dizer, mas a economia que fez no período que ficou com o carro terá que ser revertida em uma revisão pesada antes da venda, caso queira realmente que alguém compre seu carro. Nem tudo precisa estar novo, afinal de contas é um carro usado, mas o comprador prioriza carros sem reparos para serem feitos no curto prazo.

Um bom exemplo são os pneus, que são caros e interferem diretamente no valor final. Se os do seu carro estiverem no fim da vida, é melhor trocá-los e tornar o carro atraente do que esperar uma proposta ruim.

Reprodução/Facebook
Capriche no anúncio: lembre-se que seu carro será visto lado a lado com outras publicações Imagem: Reprodução/Facebook

2. Anúncio chamativo

Depois de concluído a avaliação crítica com o reparo dos possíveis detalhes, chegou o momento de cuidar do anúncio. Para isso, recomendo que procure um lugar aberto e visualmente bonito para fazer fotos. Vejo muitos anúncios de carros em garagens escuras ou em locais feios.

Lembre-se que você precisa chamar atenção de alguém que está navegando em um classificado com outros milhares de carros.

Não é preciso ser um fotógrafo profissional para tirar fotos aceitáveis. Hoje os celulares são bons e os trabalhos mais difíceis são feitos de forma automática. O trabalho do vendedor será apenas um bom enquadramento. Tire várias fotos de vários ângulos. Não se esqueça do interior, porta malas e motor. Nem todas elas serão usadas nos anúncios, que geralmente têm número reduzido de fotos, mas podem ser úteis para enviar para aqueles interessados que pedem mais fotos.

Para o anúncio, escolha pelo menos quatro do exterior, sendo uma de cada ângulo (frente e lateral esquerda; lateral esquerda e traseira; traseira e lateral direita; lateral direita e frente), uma foto do painel, uma dos bancos dianteiros, outra do banco traseiro e uma última dos comprovantes de manutenção ao lado de manual e chave reserva.

Se o carro possuir teto solar, deixe-o levantado para aparecer nas fotos. Se ele for fixo, a foto dos bancos precisa vir de baixo para cima para que ele apareça.

3. Vídeos são bem-vindos

Um vídeo também é bem-vindo, mas é bom que você interaja e vá falando sobre o carro. Não descarte investir em um editor de vídeo para deixá-lo mais atraente e dinâmico.

Sobre os classificados, não precisa se preocupar em colocar em todos, algo até impossível diante da quantidade. Mas procure saber qual é o mais utilizado em sua região e invista nele. Hoje a maioria das pessoas procura carro pela internet e a chance de seu comprador vir de lá é grande.

Caso o seu carro seja algum modelo exclusivo, recomendo que também procure por classificados específicos, especializados em carros antigos, de colecionadores, etc. Na descrição, seja sincero e objetivo. Liste todas as qualidades e equipamentos que o carro tenha. Pense como comprador e escreva aquilo que você gostaria de ler para poder comprar seu carro.

Preste atenção nos filtros e revise antes de enviar o anúncio. É incrível o número de anúncios cadastrados errados, e nessas o seu pode ficar de fora da busca. Para decidir o valor da venda, procure pedir algo próximo da média de mercado. Se seu carro tiver diferenciais de baixa quilometragem e procedência, pode pedir um pouco acima -- o ideal é estar atento às propostas e estar aberto a negociações.

Não faltam pessoas que "sentam" em cima do preço e não fazem nada além de enfeitar classificados com seus lindos carros.

4. Seja um bom vendedor

Quando aparecer algum interessado, recomendo que marque em um ponto de encontro, que pode ser o estacionamento de um shopping ou mercado. Deixe a pessoa à vontade para avaliar o carro e demonstre interesse em responder dúvidas.

Possivelmente essa pessoa vai querer andar com o carro e nessa hora sempre surge aquela preocupação com um possível roubo, sequestro ou coisa do tipo. Isso é algo imprevisível, mas só libere o carro para test- drive se sentir confiança no interessado. Claro, vá junto com ele.

Hoje em dia é comum pedir uma vistoria cautelar do carro, para atestar sua procedência, qualidade estrutural e outros pontos importantes. Como isso tem um custo alto, recomendo que negocie com o comprador, de maneira que ele pague no caso de aprovação e você no de reprovação.

Vale dizer que, se você já sabe que seu carro não será aprovado por algum motivo, faça esse laudo antes e já deixe isso claro na descrição do anúncio, assim você não perde seu tempo e o do interessado em um possível encontro que não vai dar em nada. Quanto ao preço, ele sempre será menor que o valor de mercado.

Uma vez acertado o valor, receba o pagamento do comprador e depois vá com ele ao cartório para preencher o DUT (Documento Único de Transferência). Feito isso, é só se despedir do carro e partir para o próximo.

Se você não tem paciência ou tempo para nada disso, recomendo que descarte vender seu carro de forma particular e procure um intermediador que compre seu carro ou que possa cuidar da venda. Nesse caso, você vai receber menos do que receberia em uma venda particular, mas pode ser que atenda melhor sua necessidade.