UOL Carros

20/08/2009 - 14h12

Primeiro SUV chinês no Brasil, Tiggo chega por R$ 49.900

RICARDO PANESSA
Colaboração para UOL Carros, em São Paulo
A Chery, uma das cinco maiores fabricantes de veículos de passeio do mercado chinês, lançou hoje o seu primeiro modelo em solo tupiniquim. Trata-se do utilitário esportivo compacto Tiggo, em versão única, com motor de 2.0 litros de capacidade a gasolina, 135 cv de potência, 18,2 kgfm de torque, câmbio manual de cinco marchas e tração 4x2, apenas nas rodas da frente.
  • Divulgação

    Utilitário esportivo compacto Tiggo chega com compromisso de provar o valor da marca Chery

Desmistificando o estigma de baixa qualidade que os produtos chineses em geral têm no Brasil, o Chery Tiggo incorpora todos os recursos de eletrônica embarcada tipicos do segmento --como freios ABS com ABD, direção hidráulica, vidros elétricos, rodas de liga leve, faróis de milha, air bag duplo, rack de teto e sistema de som com MP3 e entrada USB--, mas não oferece o recurso da tração 4x4, característico de veículos desse segmento. O Tiggo tem preço sugerido de R$ 49.900,00 e oferece como único item opcional bancos revestidos em couro.

IMPRESSÕES AO DIRIGIR

  • Divulgação
Exposição estática do modelo mostra um veículo de linhas modernas, embora um tanto comuns. Medindo 4,28m de comprimento, 1,76m de largura, 1,70m de altura e 2,51m de distância entre eixos, o Tiggo --como a maioria de seus concorrentes do segmento-- transmite aparência de robustez.

A grade dianteira e ampla, com o generoso logotipo da Cherry Automobile no centro, harmoniza bem com os vincos frontais e contornos arredondados do capô. Os faróis dianteiros e as lanternas traseiras são grandes e marcantes, reforçando a aparência de solidez do veículo.

BOM ACABAMENTO E MECÂNICA ROBUSTA
Rápida análise interna apontou um acabamento correto, porém um tanto espartano. Os bancos traseiros bipartidos e totalmente removíveis constituem um diferencial bastante atraente. Com os bancos traseiros em posição normal, o compartimento de carga disponibiliza 520 litros de capacidade, mas com os assentos e encostos rebatidos a capacidade aumenta para 1.965 litros. Mas em peso, além dos cinco ocupantes, o Tiggo só pode transportar 375 kg de carga, o que é pouco para um veículo desse porte.
ÁLBUM DE FOTOS
Murilo Góes/UOL
TIGGO POR INTEIRO
Ao contrário do que já se divulgou, o Tiggo, embora de origem chinesa (ele chega ao Brasil via Uruguai, onde é montado em CKD), tem bom padrão de acabamento e motorização bastante confiável. O chassi é projetado pela British Lotus Company (que não tem nada a ver com a memorável Lotus de Colin Chapman, da F1), e utiliza motor Acteco 2.0 a gasolina, fabricado na china com tecnologia alemã.

Trata-se de um propulsor de 4 cilindros em linha e 16 válvulas, com 135 cv de potência a 5.750 rpm e 18,2 kgfm de torque a 4.300 rpm. Pesando, vazio, 1.375 kg, na teoria seu desempenho não deve ser dos melhores, já que sua força e potência só surgem em giros altos, condição pouco utilizada pela maioria dos usuários no dia-a-dia comum. (Leia matéria de avaliação dinâmica ainda hoje).

PARA DESBRAVAR O MERCADO
Segundo Luis Curi, CEO da Chery do Brasil, o Tiggo chega ao Brasil não como modelo de entrada, mas sim como um veículo de qualidade superior. Até o final deste ano vamos lançar também o Chery QQ, compacto com motor de 1.1 litro, este sim modelo de entrada, por cerca de R$ 22.900", afirma.

De acordo com o executivo, o Tiggo vai ganhar versão 4x4 com câmbio automático no Brasil no início do primeiro trimestre do próximo ano. "Mas antes ainda vamos lançar no Brasil o monovolume Face por cerca de R$ 29.900 e um sedan ou hatch de luxo, que na China tem o nome de A3 mas no Brasil será batizado pelos próprios consumidores através de uma campanha de marketing, que tem design Pininfarina e deverá custar aproximadamente R$ 43.000", adianta o executivo. Todos os modelos, inclusive o Tiggo agora lançado, tem garantia total de fábrica de três anos e 24 horas de assistência técnia através do Road Assistance da marca.

CONCORRÊNCIA PESADA
Segundo a Fenabrave, Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, em 2008 foram emplacados no Brasil exatos 146.920 SUVs, similares ao Tiggo. Este ano, de janeiro a julho, a entidade anotou 93.300 emplacamentos de veículos desse segmento, aumento de cerca de 1% em relação ao mesmo período do ano passado.

O QUE HÁ POR TRÁS DO TIGGO

  • Divulgação

    Lanternas são marcantes e grandes, reforçando
    a aparência de solidez do modelo de estreia

O 'bolo' dos SUVs no Brasil é bem disputado. O Ford EcoSport é o líder disparado, com vendas também baseadas na sua versão mais simples, 4x2, com preço e características bem semelhantes às do Tiggo. Mas há outros modelos na briga, desde os coreanos Tucson e Sportage, os mais ´em conta` até os japoneses Toyota RAV4, Honda CR-V, Mitsubishi TR4, Suzuki Grand Vitara e Land Rover Freelander, entre outros, em sua maioria bem mais caros porém com recursos autenticamente off road, como tração 4x4 e, alguns, até reduzida.

Com 30 revendas já instaladas e funcionando em 14 estados (55 até dezembro de 2009), a Chery pretende comercializar 2.500 unidades do Tiggo até o final deste ano e dobrar as vendas do modelo em 2010.

GIGANTE CHINESA
A Chery foi fundada na China em 1997 e hoje conta com 15 unidades produtivas, em 11 países. Apenas quatro fábricas da Chery estão na China. As demais estão espalhadas pela Ucrânia, Tailândia, Vietnã, Síria, Rússia, Malásia, Indonésia, Egito, Irã e Uruguai.
O grupo produz mais de 17 modelos e emprega aproximadamente 22 mil funcionários em todo o mundo. Sua capacidade de produção anual é de 650 mil carros, 650 mil motores e 400 mil conjuntos de transmissões. Além de ser uma das cinco maiores montadoras de automóveis do mercado interno chinês, a Chery é o primeiro grupo chinês a exportar, em grande escala, veículos montados e em CKD, com 135 mil unidades comercializadas em outros países em 2008. Desde o início de suas atividades de exportação em 2001, a Chery já exportou 300 mil carros.

FICHA TÉCNICA

Chery Tiggo 2.0 16V
Motor: Gasolina, transversal, 1.971 cm³, quatro cilindros em linha DOHC e quatro válvulas por cilindro. Injeção eletrônica multiponto sequencial. Arrefecimento por etileno glico e água 50/50.
Transmissão: Câmbio manual de cinco velocidades à frente e uma a ré. Tração dianteira.
Direção: Hidráulica, tipo pinhão e cremalheira.
Potência: 135 cv a 5.750 rpm.
Torque: 18,2 cv a 4.300~4.500 rpm.
Diâmetro e curso: 83,5 mm X 90,0 mm. Taxa de compressão: 10:01.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, molas helicoidais, amortecedores pressurizados e barra estabilizadora. Traseira independente, braços arrastados tipo 4 pontos, molas helicoidais, barra estabilizadora e amortecedores pressurizados.
Freios: A discos ventilados na frente e sólidos atrás.
Carroceria: Utilitário esportivo compacto em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. 4,28 metros de comprimento, 1,76 m de largura, 1,70 m de altura e 2,51 m de distância entre-eixos. Airbag duplo frontal de série.
Rodas: 7J x 16'' liga leve.
Pneus: 235/60 R16.
Porta-malas: 520/1.965 litros com o banco traseiro rebatido.
Peso: 1.375 kg em ordem de marcha, com 375 kg de carga útil.
Tanque: 57 litros.

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES