UOL Carros

21/07/2009 - 23h13

Chevrolet Astra 2010 passa a ter versão única e a missão de vender muito

EUGÊNIO AUGUSTO BRITO
Enviado especial a Americana (SP)*
A General Motors do Brasil apresentou nesta terça-feira (21) a linha 2010 de seu hatch médio Chevrolet Astra. Quem esperava por uma renovação de estilo -- e houve alguma especulação em torno disso (leia no quadro abaixo) -- ficou só na vontade. O "lançamento" do modelo envereda por campos mais racionais, onde valem mais a boa configuração e um desconto no preço final do que grade diferenciada ou identidade mundial.

Pensando assim, a GM aposentou a versão topo de linha Elegance e transferiu seu pacote de itens, adicionando algumas novidades, para a versão mais básica, a Advantage, que passa a ser a única existente. Eis o Chevrolet Astra hatch 2010. O preço varia de R$ 44.389, na configuração inicial, até R$ 50.240 para o modelo mais completo (veja a lista de preços completa ainda nesta reportagem).
  • Divulgação

    Astra 2010 parte de R$ 44.389 sem grandes novidades visuais (o quadriculado não está à venda)

A principal novidade é a adoção da mesma motorização utilizada na família Vectra -- os hatches Vectra GT Remix e GT-X Remix, o sedã Vectra Next Edition e a minivan Zafira --, desde o início do ano: o FlexPower 2.0 8V, com modificações que garantem o ganho de 12 cavalos de potência (com álcool e com gasolina), linha de torque mais presente desde baixas rotações e, principal motivo da mudança, que adequam o propulsor às normais atuais de emissão de poluentes.

PODE SONHAR

  • Reprodução da internet

    A imagem acima é uma reprodução de um dos resultados obtidos em buscadores da internet para a pesquisa "Chevrolet Astra 2010" até a segunda-feira (20).

    Nada mais é que uma montagem feita em cima da foto do Astra 2009 nacional. A grade repartida provavelmente foi pinçada do sedã Cruze, mostrado pela primeira vez em 2008.

    No entanto, mais do que uma tentativa de prever como ficaria o Astra 2010, pode refletir o desejo de que o hatch nacional ostente alguma novidade que não o deixe tão para trás do modelo com o qual divide o nome, mas não (e há muito tempo) as características: o Astra europeu, da Opel (abaixo).

Com a unificação de conteúdo, todo dono do Astra 2010 contará com trio elétrico, direção hidráulica, mostrador digital para as funções do computador de bordo e retrovisor eletrocrômico (antiofuscante), mas também com banco traseiro bipartido, rebatível (2/3 e 1/3) e com descansa-braço central, revestimento aveludado para os bancos, painel de instrumentos com fundo branco e elementos cromados, ar-condicionado eletrônico digital e regulagem de altura para os faróis com lâmpadas halógenas, entre outros itens. Externamente, também são de série faróis de neblina, spoilers laterais, rodas de alumínio/liga leve de 16 polegadas e perfil esportivo, além da ponteira de escapamento ovalada e polida. Este é o pacote inicial, orçado em R$ 44.389.

Airbag duplo e aerofólio traseiro elevam o preço a R$ 46.239; e com piloto automático e troca da transmissão manual de cinco marchas pela automática de quatro velocidades, chega aos R$ 50.240. Há ainda o valor da pintura, que varia de R$ 816 (metálica) a R$ 1.078 (perolizada).

A carroceria sedã, como já ocorria antes, existe como opção para frotistas e interessados em um modelo de valor baixo que suporte blindagem. Vendeu pouco mais de 1.481 unidades em seis meses e, na linha 2010, custa R$ 47.504 (com pacote similar ao intermediário do hatch, mas sem aerofólio) e R$ 51.505 (no pacote superior, com câmbio automático e piloto automático).

Na lista de acessórios, lanternas e faróis escurecidos, rádio com CD Player/Bluetooth/entradas para iPod, MP3 Player e cartão SD, sensor de estacionamento, GPS, cabide e geladeira, entre outros.

  • Grupo de Discussão: Você gostou do Astra 2010 ou preferia um modelo renovado? Opine

    DETALHES E FICHA TÉCNICA

    • Divulgação

      Acima, o motor FlexPower 2.0 8V de 133/140 cavalos e torque de 18,9/19,7 kgfm (g/a), o mesmo utilizado na família Vectra. Abaixo, imagem do interior renovado do Chevrolet Astra 2010.

    • Divulgação
    O CANTO DA SEREIA
    O lançamento do Chevrolet Astra 2010 é todo orientado por uma diretriz: aproveitar o nada mítico estímulo do IPI reduzido enquanto for possível e manter o sedutor nível de vendas alcançado em maio e junho, acima das 3 mil unidades. Assim, ficou fácil optar pela extinção de uma versão que "vendia zero", nas palavras da própria marca, e pela engorda da versão boa de venda, a Advantage, deixando-a mais atrativa com o rótulo auto-aplicado de "o 2.0 mais barato do país". Durante todo o evento de apresentação do modelo, o foco foi deixado sobre a liderança do Astra no segmento de hatches médios, principalmente no nicho de entrada, onde o que vale é a relação custo/benefício.

    Analisando os dados da Fenabrave para o primeiro semestre deste ano, o Astra vendeu um total de 13.346 unidades, sendo seguido por Fiat Punto (deixando de lado a discussão sobre seu porte, mas considerando que vendeu 12.409 unidades no período e foi líder no mês de janeiro), Volkswagen Golf (9.573), Ford Focus (7.191) e Fiat Stilo (5.527). Há ainda a quinta colocação do Chevrolet Vectra GT/GT-X (com 5.460 unidades), classificado pela montadora como integrante do nicho hatch médio premium.

    O período de glória, no entanto, coincidiu com o momento de corrida do consumidor às lojas, para aproveitar o preço menor antes da provável volta da cobrança integral do IPI, que acabou adiada mais uma vez. Em maio, um total de 3.356 unidades do Astra foram emplacadas, caindo ligeiramente para 3.274 em junho. Este é o patamar mágico, transformado em missão única para o Astra 2010.

    IMPRESSÕES AO DIRIGIR
    Juntamente com colegas da imprensa especializada, UOL Carros participou da apresentação do Chevrolet Astra 2010, realizada nos arredores da cidade de Americana (SP).

    Na prática, foram duas voltas por um trajeto determinado na pista do avançado campo de provas da fabricante de pneus Goodyear, além de uma bateria de exercícios entre cones, que inviabilizaram uma avaliação a fundo das características do modelo.
    • Divulgação

      Rodas esportivas aro 16 e faróis de neblina vêm da versão Elegance, extinta; aerofólio é opcional

    Ficou a impressão de melhor arranque, garantido pelo torque de 18,9/19,7 kgfm a baixos 2.600 rpm (gasolina/álcool) do propulsor 2.0 retrabalhado e que gera 133/140 cv a 5.600 rpm (gasolina/álcool). Velocidade final e aceleração não foram aferidas, mas os dados oficiais indicam números melhores que os obtidos pela família Vectra: máxima de 200 km/h e 0-100 em 9,8 s (equipado com câmbio manual e rodando com álcool). Dados mais do que esperados, aliás, uma vez que o Astra hatch é menor e, principalmente, mais leve.

    Externamente, nenhum detalhe causou frisson, uma vez que o design do modelo segue sendo rigorosamente o mesmo, com exceção da plaqueta de identificação da versão, agora desnecessária. Na verdade, a unidade testada causou algum rebuliço, sim, por ser da cor branca, portar todos os opcionais e alguns dos acessórios disponíveis e vir estampada com uma faixa quadriculada que ia do capô à tampa do porta-malas. Este visual mais esportivo, no entanto, não poderá ser reproduzido fielmente nas ruas (ao menos, não oficialmente), uma vez que os adesivos não estarão a venda.

    *Viagem e test drive a convite da General Motors do Brasil
  • Compartilhe:

      Fale com UOL Carros

      SALOES