UOL Carros

27/01/2009 - 11h30

Suzuki Hayabusa está maior e mais potente para levar sua fama ainda mais longe

Fotos: Gustavo Epifanio/Infomoto


Da Infomoto

Pouco importa se a velocidade real da última geração da Suzuki GSX 1300R Hayabusa é de 300, 310 ou 320 km/h, afinal poucos terão a chance de acelerar esta supermoto até seu limite. O que importa é que o novo modelo da lendária Hayabusa, famosa como a moto de série mais rápida do mundo, ficou ainda mais potente e, ainda bem, mais segura. A nova Suzuki desembarcou no Brasil em meados do ano passado. Para experimentar seu novo motor, com a capacidade aumentada de 1.299 para 1.340 cm³, aceleramos a Hayabusa 2009 no campo de provas da Pirelli, em Sumaré, interior de São Paulo. Mas a maior capacidade cúbica do motor não é a única novidade -- seu design foi atualizado, mas sem perder sua identidade visual.

Aliás, os engenheiros da Suzuki tornaram-se mestres nesse quesito. Redesenham os bem sucedidos modelos da marca sem descaracterizá-los. No caso da GSX 1300R, foram ainda mais longe e diminuíram o arrasto aerodinâmico e ainda aperfeiçoaram a proteção ao piloto. A bolha ficou 15 mm mais alta e a carenagem mais envolvente. Basta acelerar esse míssil sobre duas rodas para notar a diferença.

EXAGERADA
O motor maior ganhou também mais potência e passou dos antigos 175 cv para 197 cv a 9.500 rpm. Um exagero, vale dizer, que conseguiu levar essa nova Hayabusa a mais de 260 km/h na reta de pouco mais de 800 metros da pista no interior paulista. Fruto também dos 15,81 kgfm de torque máximo já nas 7.200 rpm. Assim, é um alívio dizer que a moto agora tem sua velocidade limitada a 300 km/h eletronicamente.

Sua aceleração impressiona e com uma grande distância entre-eixos -- são 1.480 mm -- a roda da Hayabusa não levanta tão facilmente como em outras superesportivas mais compactas. Claro que as dimensões exageradas -- no total, a moto chega aos 2.190 mm de comprimento - causam certa limitação em curvas mais fechadas. Porém nesse novo modelo a tendência que o trem dianteiro da antiga Hayabusa tinha de "espalhar" nas curvas diminuiu bastante.

FICHA TÉCNICA
Suzuki GSX 1300R Hayabusa
Motor: Quatro cilindros em linha, refrigeração liquida, DOHC, 16 válvulas.
Cilindrada: 1.340 cm³.
Câmbio: 6 velocidades.
Potência: 197 cv a 9.500 rpm.
Torque: 15,81 kgfm a 7.200 rpm.
Quadro: Dupla trave superior em alumínio.
Suspensão: Dianteira com garfo telescópico invertido com ajuste na pré-carga da mola, compressão e retorno.
Traseira com balança oscilante com monoamortecedor, ajuste na pré-carga da mola, compressão e retorno.
Freio: Disco duplo flutuante de 310 mm de diâmetro com pinça radial de quatro pistões opostos na dianteira.
Disco simples de 260 mm de diâmetro com pinça de um pistão na traseira.
Pneus: 120/70 ZR17 (dianteiro); 190/50 ZR17 (traseiro).
Dimensões: 2190 mm (comprimento); 735 mm (largura); 1.165 mm (altura); 1.480 mm (entre-eixos); 805 mm (altura do assento).
Peso: 220 kg (a seco).
Tanque: 21 litros.
Cores: Azul; branco; laranja e preto; preto.
Preço: R$ 61.200.
Assim como outros modelos GSX da marca, a nova 1300R ganhou também o S-DMS (Suzuki Drive Mode Selector), um seletor que permite ao motociclista escolher como a potência e torque são entregues pelo motor. Segundo a Suzuki, a Hayabusa também conta com um novo sistema de gerenciamento do motor com 32 bits, que otimiza o funcionamento da injeção eletrônica.

Mas a grande vantagem da Hayabusa para quem não quer atingir velocidades estratosféricas é que ela se sai muito bem também como uma sport-touring. Afinal tem torque desde as baixas rotações, além de oferecer bastante conforto.

CONFORTÁVEL, SEGURA E... CARA
Seu enorme motor serve tanto para aqueles que querem "enrolar" o cabo e testar seus limites, como quem procura uma moto rápida para viajar. Exige poucas trocas de marchas e mostra disposição para retomadas.
Isso sem falar no conforto, já citado, que a nova bolha oferece ao piloto. Em conjunto com o banco, mais aconchegante que os encontrados em outra superesportivas, faz com que a Hayabusa seja uma ótima opção para pegar a estrada.

Nesse novo modelo, a Suzuki caprichou também nos freios. Na dianteira, são dois discos de 310 mm de diâmetro, mas agora mordidos por pinças de fixação radial com quatro pistões opostos, que melhoraram e muito as frenagens. Na traseira, um disco simples de 260 mm. Bem dosados, param com eficiência e segurança esse míssil da Suzuki.

Mais uma vez, a fabricante japonesa provou a excelência de seu time de projetistas, aperfeiçoando a lendária moto sem decepcionar os fãs do modelo. Aliás, outra característica da GSX 1300R é que a grande maioria dos seus proprietários está plenamente satisfeita com a moto, seja pelo desempenho ou pelo conforto para viagens. Afinal, ter a moto mais rápida do mundo na garagem é motivo de satisfação e orgulho.

Mas o é para poucos para alguns, já que para se juntar ao clube é necessário ter pelo menos R$ 61.200 na conta bancária.
(por Arthur Caldeira)

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES

    %>