UOL Carros

23/01/2009 - 22h00

Renault Sandero 1.0 básico tem preço baixo, mas pouco benefício

Da Auto Press
O mercado brasileiro de automóveis é majoritariamente movimentado pelos hatches básicos. A razão é evidente: os preços baixos. Mas no caso do Renault Sandero, a lógica não é exatamente a mesma. A versão mais barata do modelo, a Authentique 1.0 16V flex é vendida a partir de R$ 29.290 e serve como isca de anzol -- para atrair consumidores que buscam o menor custo, sempre aparece nos anúncios com os dizeres "a partir de..." letras garrafais. Ainda assim, a configuração responde por apenas 13% das vendas do modelo produzido em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba (PR).

Fotos: Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias

Sandero 1.0 tem projeto moderno e bom espaço interno, mas interior espartano não agrada

Na lógica do preço inicial, a versão Authentique 1.0 flex do Sandero se mostra excessivamente carente em conteúdo e acabamento. A lista de série, por exemplo, é bastante enxuta. São oferecidos para-choques na cor do veículo, alarme de advertência dos faróis acesos, banco traseiro rebatível, preparação para som, temporizador do limpador do para-brisas, vidros verdes e protetor do cárter. Os retrovisores externos não contam nem com comando interno e, para ajustá-los, é preciso meter o dedo diretamente nos espelhos.

Para se ter alguns itens para tornar o modelo mais interessante, como ar quente, desembaçador/limpador/lavador do vidro traseiro, calotas, hastes de regulagem interna dos retrovisores laterais e ar-condicionado, é preciso pagar um pacote que adiciona R$ 4.280 ao preço final -- a direção hidráulica sequer é oferecida nesta configuração básica. Com todos os poucos opcionais e uma pintura metálica, que custa R$ 790, o preço da versão avaliada Authentique 1.0 atinge R$ 34.360.

  • Releia o texto de lançamento do Renault Sandero
  • Os atrativos da versão Privilège 1.6
  • Stepway: Sandero com traje aventureiro

    FICHA TÉCNICA
    Renault Sandero Authentique 1.0 16V Flex
    Motor: A gasolina e álcool, dianteiro, transversal, 999 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando duplo no cabeçote. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
    Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração.
    Potência: 76 cv com gasolina e 77 cv com álcool, ambos a 5.850 rpm.
    Torque: 9,9 kgfm com gasolina e 10,1 kgfm com álcool a 4.350 rpm.
    Diâmetro e curso: 69 mm x 66,8 mm . Taxa de compressão: 10.1:1.
    Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com triângulo inferior, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos.
    Traseira semi-independente, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
    Freios: Dianteiros a discos sólidos e traseiros a tambor. Não oferece ABS.
    Carroceria: Hatch compacto em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Dimensões: 4,02 metros de comprimento, 1,74 m de largura, 1,53 m de altura e 2,59 m de entre-eixos. Não oferece airbags.
    Peso: 1.025 kg, com 445 kg de carga útil.
    Porta-malas: 320 litros.
    Tanque: 50 litros.
    Preço: de R$ 29.220 (básico)
    a R$ 34.320 (completo).
    BOM DE BRIGA
    Já diante dos rivais, o Sandero Authentique 1.0 fica competitivo no preço e nos itens de fábrica. Os concorrentes Chevrolet Corsa Joy 1.0, Ford Fiesta 1.0, Fiat Palio 1.0 e Volkswagen Gol 1.0, todos flex, têm preços entre R$ 29 mil e R$ 31 mil. Só o Peugeot 206 Sensation, que é 1.4, parte mais de cima, por R$ 32.790.

    O Sandero tem ainda como pontos positivos o maior espaço interno do segmento, com 2,59 metros de distância entre-eixos, 320 litros de porta-malas e o motor 1.0 16V flex, um dos mais fortes. A unidade de força rende 76/77 cv de potência com gasolina/álcool a 5.850 rpm e torque máximo de 9,9/10,1 kgfm aos 4.350, na mesma ordem. E o hatch da Renault é um dos compactos mais recentes do mercado. Sem dúvida, aspectos considerados pelos brasileiros. Depois do preço.

    IMPRESSÕES AO DIRIGIR
    O Sandero é um carro básico por natureza. Foi projetado para ser simples em todos os aspectos. Mas no dia-a-dia, o hatch compacto se mostra eficiente no seu propósito: ser um veículo urbano e prático. O motor 1.0 16V com 76/77 cv com gasolina/álcool funciona bem, com respostas interessantes e até um consumo razoável com álcool, de 8,1 km/l.

    O bom comportamento do câmbio é outro ponto positivo. As trocas de marcha são suaves e precisas, com destaque para o curso mais curto e a liberação de parte dos 10,1 kgfm de torque com álcool aos 2.800 giros. O zero a 100 km/h é feito em 14 segundos, com máxima de 160 km/h. O bom equilíbrio do hatch em retas e curvas é notável. A carroceria torce pouco e transmite segurança.

    Dos aspectos mais marcantes, porém, o espaço interno amplo é o que mais chama a atenção. Além dos 2,59 metros de entre-eixos, o porta-malas leva até 320 litros. São as maiores medidas do segmento. Na versão Authentique, o único porém é a lista de série demasiadamente enxuta. É preciso pagar para ter ar-condicionado e outros itens e sequer existe a opção de direção hidráulica como opcional. E ter de usar o dedo diretamente no espelho para ajeitá-lo é indiscutivelmente anacrônico.
    (por Diogo de Oliveira)

    DE ZERO A 100 PONTOS, O RENAULT SANDERO AUTHENTIQUE 1.0 16V FLEX
    Desempenho - O motor 1.0 16V da Renault agrada no Sandero, apesar de não esbanjar vigor. Seus 76/77 cv com gasolina/álcool são suficientes para enfrentar o trânsito com agilidade, sem que seja necessário subir os giros para obter arrancadas decentes. O bom escalonamento do câmbio ajuda, principalmente nas primeiras marchas, quando o propulsor libera boa parte dos seus 10,1 kgfm de torque com álcool, a partir dos 2.800 rpm. O zero a 100 km/h é cumprido em 14 segundos e a máxima é de 160 km/h. Nota 6.
    Estabilidade - O comportamento equilibrado do Sandero é a característica mais marcante ao volante. O hatch compacto tem postura firme no solo, com boa estabilidade em retas. A flutuação só surge após os 140 km/h. A carroceria também torce pouco nas curvas e transmite segurança mesmo nas manobras mais intensas. Nas frenagens, o equilíbrio também prevalece. Nota 8.
    Interatividade - A versão básica Authentique 1.0 flex não dispõe de muitos recursos para o motorista, mas os comandos, em geral, são bem dispostos. Outro aspecto positivo é a caixa de câmbio, com engates suaves e precisos. Nota 7.
    Consumo - O Sandero obteve média razoável de 8,1 km/l com álcool, num percurso que mesclou 2/3 de cidade com 1/3 de estrada. Nota 7.
    Conforto - O espaço interno é o grande atrativo do Sandero. Seu entre-eixos de 2,59 metros é o maior do segmento, com tamanho equivalente ao dos carros médios. Embora a versão Authentique careça de alguns itens de série fundamentais, o comportamento equilibrado da suspensão, aliado ao espaço interno farto, torna a vida dos passeios dentro do hatch agradável. Nota 7.
    Tecnologia - O Sandero foi concebido para ser um carro de baixo custo, mas sua estrutura em monobloco é recente, com dois anos de Brasil, e uma das mais modernas entre os compactos. O motor 1.0 16V flex também é destaque, por ser um dos mais potentes do segmento. Já a versão Authentique peca pela lista de série enxuta demais. Nota 7.
    Habitabilidade - O porta-malas do Sandero também é destaque, com 320 litros de capacidade. Há ainda bom número de porta-objetos dentro do habitáculo e os acessos são amplos. Nota 8.
    Acabamento - É talvez o aspecto mais carente do Sandero na versão Authentique 1.0. As peças se encaixam com boa precisão, mas a qualidade dos materiais não agrada olhos e tato. As texturas dos plásticos transmitem certa fragilidade, apesar das poucas rebarbas. Nota 5.
    Design - O Sandero tem um desenho meio quadradão, com chapas retas e vincos pouco harmônicos. Mas os faróis arqueados que sobem em diagonal fazem um conjunto interessante com a tomada de ar ampla no para-choques. Nota 7.
    Custo/Benefício - O preço é o principal atrativo da versão de entrada Authentique 1.0 flex. Só que os R$ 29.290 pedidos pela Renault são elevados diante da lista de série demasiadamente enxuta. Com ar-condicionado, pintura metálica e outros itens mais básicos, o valor sobe para R$ 34.360 e compromete o custo/benefício. Nota 6.
    Total - O Sandero Authentique 1.0 16V flex somou 68 pontos em 100 possíveis. NOTA FINAL: 6,8.
  • Compartilhe:

      Fale com UOL Carros

      SALOES