UOL Carros

22/12/2008 - 19h00

Testado em Las Vegas, Nissan 370Z supera antecessor em potência e tecnologia

Da Auto Press
No lugar de mais uma reformulação, a Nissan optou por lançar uma sexta geração da série de "Z", recriada pelo 350Z há seis anos. Produzido no Japão e apresentado como 370Z, o novo modelo mantêm laços estreitos com a gama de esportivos "acessíveis", iniciada em 1969 com o precursor 240Z. Acessíveis em países como os Estados Unidos, claro, onde o 350Z era oferecido por preços a partir de US$ 29 mil (o equivalente a R$ 67 mil). No Brasil, o preço do mesmo modelo começava em indigestos R$ 196 mil. O novo modelo ainda não tem preço definido. Mais do que um aumento numérico, seu nome indica a litragem do motor V6, que passou de 3.5 para 3.7.

Divulgação 
Menor e mais potente, 370Z mostra clara evolução da série de esportivos da Nissan

O propulsor é o mesmo que equipa o Infiniti G37, o cupê da divisão de luxo da Nissan. Com bloco e cabeçote de alumínio e 24 válvulas, a "usina de força" gera 336 cv de potência a 7 mil rpm e 37 kgfm de torque a 5.200 rpm. Para extrair o máximo de rendimento a qualquer regime de rotações, o motor foi equipado com comando de válvulas variável -- CVTCS --, capaz de modificar o tempo de abertura das válvulas de admissão. De toda forma, por segurança, a velocidade máxima está limitada a 250 km/h.

Para transmitir a força para as rodas traseiras, o modelo conta com duas opções de câmbio. Um manual tradicional de seis marchas e um automático de sete velocidades com opções de trocas por paletas atrás do volante. A caixa manual possui, no pacote Sport, um dispositivo que aumenta instantaneamente o regime de rotações ao se efetuar uma redução, ajustando o giro do motor a outros parâmetros, como a velocidade desenvolvida no momento.

Além das linhas renovadas, as dimensões gerais da carroceria passaram por alterações milimétricas, mas que colaboraram para um menor peso e maior agilidade. O comprimento total encolheu 7 cm, de 4,31 m para 4,24 m. O entre-eixos também foi encurtado, com 2,55 m contra 2,65 m, um corte de 10 cm. O modelo também ficou mais baixo, com 1,31 m, 2 cm a menos que o 350Z. Um dos poucos acréscimos em medidas foi na largura, que ganhou 3 cm -- de 1,81 m passou para 1,84 m.

DO VIRTUAL AO REAL

  • A apresentação do 370Z, no final de outubro, não foi "ao vivo", mas no mundos dos jogos eletrônicos

A diminuição de medidas e o uso de materiais mais leves explicam a redução de peso, de 1.515 kg para 1.466 kg. Os painéis das portas, o capô e a tampa do porta-malas são feitos com alumínio. A suspensão utiliza o mesmo material, aplicado nos braços duplos sobrepostos na dianteira e nos multibraços na traseira. Os freios a disco ventilados nas quatro rodas trazem pinças de quatro pistões na frente e de dois atrás.

Outros componentes, como o eixo cardã, foram construídos com fibra de carbono. Em prol do equilíbrio dinâmico, a distribuição do peso é de 54% na dianteira e 46% na traseira. A rigidez torcional da carroceria foi reforçada com uma barra de três pontos sob o capô e uma estrutura em "V" na parte de baixo do veículo.

O desenho do modelo replica as linhas de modelos atuais da Nissan e da Infiniti, com faróis e lanternas em forma de bumerange. A grande entrada de ar frontal foi mantida. O perfil da carroceria ostenta o capô longo e a traseira curta, com a queda de teto acentuada característica dos carros Z das décadas de 60 e 70. Os arcos das rodas ficaram mais pronunciados ao passo que a área envidraçada diminuiu. As rodas aro 18, equipadas com pneus 225/50 na dianteira e 245/45 na traseira, são de série. Como opcional, um conjunto aro 19.


FICHA TÉCNICA
Nissan 370Z
Motor: A gasolina, dianteiro, longitudinal, 3.696 cm³, seis cilindros em "V", quatro válvulas por cilindro e comando duplo no cabeçote, com controle variável de abertura de válvulas. Injeção eletrônica multiponto seqüencial e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio manual de seis marchas a frente e uma a ré. Tração traseira. Controle eletrônico de tração de série.
Potência: 336 cv a 7.000 rpm.
Torque: 37,3 kgfm a 5.200 rpm.
Diâmetro e curso: 95.5 mm x 86 mm.
Taxa de compressão: 11:1
Suspensão: Dianteira independente do tipo duplos braços sobrepostos, com barra estabilizadora, molas helicoidais e amortecedores pressurizados.
Traseira independente, com barra estabilizadora, braços múltiplos, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos.
Controle eletrônico de estabilidade de série.
Freios: Discos ventilados nas quatro rodas. ABS e EBD de série.
Carroceria: cupê em monobloco, com duas portas e dois lugares. 4,24 metros de comprimento, 1,84 m de largura, 1,31 m de altura e 2,55 m de entre-eixos. Oferece airbag duplo frontal, airbags laterais e do tipo cortina de série.
Peso: 1.466 kg.
Tanque: 72 litros.
As maçanetas de alumínio verticais foram mantidas, só que com um desenho mais rebuscado. A traseira permanece volumosa, ligada à tampa do porta-malas com um grande vidro integrado. O pára-choque se destaca pelas duas vistosas saídas de ar e pelo espaço central reservado para uma câmera, que auxilia o motorista em manobras de estacionamento.

O habitáculo também foi redesenhado. Somado ao novo arranjo interno, o 370Z possui uma ampla lista de itens de conforto. Entre os mais interessantes, estão o sistema de som da Bose, com 9,3 gigabytes de espaço de armazenamento para músicas e arquivos, e um novo sistema de navegação com tela sensível ao toque e dados em tempo real sobre as condições das vias. O 370Z é produzido apenas no Japão e será lançado nos principais mercados mundiais em janeiro de 2009, já como modelo 2010. Para o Brasil, a expectativa é que o modelo chegue no segundo semestre de 2009.
(por Julio Cabral, da Auto Press, e Carlos González Arizmendi, do Autocosmos.com/México)

PRIMEIRAS IMPRESSÕES
O 370Z foi posto à prova em um autódromo em pleno deserto de Nevada, no Sudoeste dos Estados Unidos. E, no bem cuidado asfalto do circuito, foi possível comprovar a sua estabilidade, obediência e desempenho esportivo. O cupê da Nissan agora é um automóvel mais balanceado e mais voltado à comodidade que seu predecessor. E também mais enxuto, pois o seu tamanho diminuiu 7 cm em relação ao 350Z.

O aspecto geral do interior foi mantido, ainda que tenha sido completamente renovado. Se destacam a tela do navegador no console e os três mostradores circulares no topo do painel. Os relógios indicam as horas, a temperatura do líquido de arrefecimento e a carga da bateria.

O 370Z se mostra uma excelente opção para um esportivo de uso diário, apto a encarar os competidores Audi TT, Porsche Cayman e BMW M Coupé. No circuito norte-americano, se destacou a eficiência do sistema eletrônico do câmbio manual de seis marchas, que aumenta automaticamente as rotações ao se efetuar uma redução. Esse recurso equilibra o modelo em situações como uma curva feita em velocidade acima do recomendável. Também é interessante o sistema de assistência computadorizada para fazer o "punta-taco" -- movimento de frear acelerando simultaneamente enquanto se reduz uma marcha, para manter o giro alto e não deixar o motor esvaziar, muito utilizado nas corridas.
(por Carlos González Arizmendi, do Autocosmos.com/México, em Las Vegas-EUA)

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES