UOL Carros

14/12/2007 - 21h00

RAV4 tem duas rodas na terra e duas no asfalto

Da Auto Press
A Toyota foi uma das pioneiras na atual tendência dos utilitários esportivos com vocação off-road light. Começou com essa estratégia em 1994, justamente com o RAV4. O nome do modelo, por si só, traduz suas pretensões. Sigla para Recreational Active Vehicle (algo como veículo de recreação ativa), o utilitário esportivo compacto importado do Japão oferece tração 4x4 e bloqueio do diferencial, mas dispensa a reduzida.

São características que o credenciam a enfrentar terrenos fora-de-estrada "normais", nada demasiadamente radical, mas sem abrir mão de um conjunto ajustado para o cotidiano do asfalto. No Brasil, o RAV4 busca um nicho de mercado mais sofisticado que o de outros utilitários esportivos compactos, mas com preços menores que os médios.

Luiza Dantas/Carta Z Notícias

O RVA4 custa R$ 129 mil; design busca diferenciar-se do segmento
VEJA MAIS FOTOS DO TOYOTA RAV4
IMPRESSÕES AO DIRIGIR: DIVERSÃO E BAIXO ESTRESSE

Para tentar se encaixar nesse vácuo de mercado, a única versão do RAV4 que vem para o Brasil é a com motor 2.4 litros 16V a gasolina e com transmissão automática de quatro velocidades. É o utilitário esportivo mais barato da Toyota no país, abaixo da Hilux SW4 (que chega da Argentina por valores que começam nos R$ 149.600) e do Land Cruiser Prado, que também vem do Japão, mas custa a partir de R$ 172.300.

Luiz Dantas/Carta Z Notícias
RAV4 tem diversos "músculos" e vincos, como na capa do estepe
Por R$ 129 mil, o RAV4 desembarca por aqui com uma lista de itens interessante, mas também quase obrigatória para um modelo deste preço. Estão lá ar-condicionado automático com saídas e regulagens independentes para motorista e passageiro da frente, direção eletro-hidráulica, trio elétrico, rádio/CD/MP3 com disqueteira para seis discos, ajuste de altura e profundidade do banco e do volante, descansa-braço dianteiro e piloto automático. No quesito segurança, freios com ABS, EBD e assistente de frenagem e airbag duplo.

O modelo também chega com teto solar elétrico, mas inexplicavelmente não há computador de bordo nem sensor de estacionamento traseiro. Tudo bem que o RAV4 é o menor SUV da marca. São 4,6 metros de comprimento, 1,81 m de largura e 1,72 m de altura, além de um entre-eixos de 2,66 m. Só que o modelo tem abuso de "músculos" e saliências no desenho da carroceria -- o que, em certa medida, complica um pouco a visibilidade, principalmente na hora de estacionar.

4 DO TOYOTA RAV
O Toyota RAV4 foi lançado mundialmente no Salão de Genebra, em março de 1994 e chegou ao Japão no mesmo ano. Em 1995 foi a vez de o modelo ser lançado nos EUA.
No Brasil, o SUV compacto começou a ser importado em fevereiro de 1999, ainda na primeira geração.
A segunda geração do RAV surgiu em 2000, no Japão e nos Estados Unidos.
No Japão, o modelo tem versões com motor a gasolina 2.0 de 152 cv e 3.5 V6 de 273 cv, além de duas turbo-diesel 2.2, de 136 cv e de 177 cv.
As linhas angulosas, aliás, surgiram em 2005 com a chegada da terceira geração do RAV4. A frente é bicuda, o capô bastante inclinado e há diversos vincos sobre a tampa do motor. O conjunto óptico diagonal acompanha o desenho dianteiro e empresta um ar arrojado ao modelo. Nas laterais, mais vincos e saliências deixam o utilitário com aparência "marombada".

A traseira também tenta fugir do estilo retão habitual dos utilitários esportivos, com lanternas do tipo folha, detalhes bojudos na tampa do porta-malas e no pára-choques e um vinco em forma de bumerangue na capa do estepe.

A nova geração também trouxe um novo motor. O propulsor 2.4 VVT-i conta com comando variável de válvulas na admissão e no escape e duplo comando de válvulas no cabeçote. Ele gera 170 cv a 6.000 rpm e torque de 22,8 kgfm a 4.000 giros. A tração permanente AWD (all-wheel drive) conta com bloqueio de diferencial, acionado por um botão no painel.

Toyota vs. Honda
Na ancestral rivalidade entre as duas principais montadoras japonesas do mundo, no caso dos SUVs compactos o RAV4 levou a pior este ano no mercado brasileiro. Com a chegada da nova geração do CR-V no primeiro semestre de 2007, o exemplar da eterna rival Honda (que custa R$ 123 mil, R$ 6.000 a menos que o RAV) emplacou 1.786 unidades no Brasil de janeiro a novembro, enquanto o utilitário esportivo da Toyota soma apenas 930 unidades.

Os outros rivais, por sua vez, têm motores mais potentes. O Jeep Cherokee Sport é equipado com um V6 3.7 de 211 cv e parte dos R$ 114.900, enquanto o Land Rover Freelander S tem unidade de força 3.2, seis cilindros em linha e 233 cv e emplacou 1.342 unidades, ao preço de R$ 132 mil cada. Ou seja, para crescer por aqui, o RAV4 ainda tem muito caminho pela frente. Sejam trilhas ou estradas. (por Fernando Miragaya)

O TOYOTA RAV4 DE ZERO A 100 PONTOS
Desempenho - O moderno motor VVT-i, com seus 170 cv, garante arrancadas eficientes ao RAV4. Para tirar da inércia a tonelada e meia do SUV e alcançar os 100 km/h foram precisos razoáveis 11,8 segundos. Nas retomadas, porém , ele não é tão prestativo. O torque de 22,8 kgfm só se apresenta acima dos 4.000 giros. Já o câmbio automático de quatro velocidades vez por outra fica indeciso sobre qual melhor marcha engatar e apresenta buracos, principalmente entre a terceira e a quarta. A máxima alcançada foi de 175 km/h. Nota 7
Estabilidade - O RAV4 tem uma estrutura bem acertada, o que lhe confere um bom comportamento em curvas. A carroceria torce pouco e as suspensões independentes com barras estabilizadoras ajudam a manter o carro no chão, mesmo ao se entrar forte. Nas frenagens, o ABS e EBD ajudam a segurar o utilitário esportivo. Nas retas, uma pequena sensação de flutuação só surge mesmo acima dos 160 km/h, já quase na velocidade final. Nota 8
Interatividade - Dirigir o RAV4 é fácil. A posição alta do motorista, as regulagens de banco e de volante e a boa área envidraçada, aliadas à ergonomia eficiente e à macia direção eletroassistida, garantem uma condução sem maiores esforços. A parte negativa fica por conta da ausência de um sensor de obstáculos, que auxiliaria na hora de usar a ré, pois a carroceria do SUV é bastante volumosa. Também não dá para entender a falta de um computador de bordo em um veículo de quase R$ 130 mil. Nota 7
Consumo - O modelo fez a média de 6,3 km/l com gasolina, com uso 1/3 na estrada e 2/3 na cidade. Nota 6
Conforto - É o ponto forte do RAV4. A suspensão bem calibrada absorve os buracos das grandes cidades, o que garante um viajar tranqüilo dentro do SUV, principalmente para os ocupantes de trás. Há um bom espaço para cabeças e pernas, o isolamento acústico é eficiente e quase não se ouve o barulho o motor ou de rolagem. Nota 9
Tecnologia - A atual geração do RAV ganhou uma nova plataforma, com suspensão que possui barras estabilizadoras e rodas independentes. Destaque também para o motor com comando duplo variável de válvulas VVT-i e a tração AWD com bloqueio eletrônico do diferencial. O modelo conta com ABS, EBD e airbag duplo, mas bolsas adicionais e controles de estabilidade inexistem. O câmbio de quatro velocidades é um tanto defasado, e falta também um computador de bordo. Nota 8
Habitabilidade - Apesar de alto, o acesso ao RAV4 não exige grandes esforços, já que o vão das portas é relativamente generoso. Os 540 litros do porta-malas também ajudam a quem gosta de encher o carro de bagagem e bugigangas. Só a quantidade de porta-objetos poderia ser maior. Nota 8
Acabamento - Apesar do estilo demasiadamente sóbrio, o RAV4 tem materiais que aparentam qualidade no revestimento dos bancos e painéis. Fechamentos e encaixes têm a precisão japonesa. Nota 8
Design - A nova geração ganhou um desenho, sem dúvida, mais arrojado e moderno, mas também não tem ousadias. O modelo abusa dos cortes angulosos e dos vincos na carroceria. O CR-V, por exemplo, é mais harmonioso. Nota 6
Custo/benefício - O RAV 4 custa R$ 129 mil, enquanto seu principal rival, o CR-V, custa R$ 123 mil. A mais, o modelo da Toyota só oferece teto solar elétrico e motor mais potente de 170 cv, contra o 2.0 16V de 150 cv do rival. Só que o SUV da Honda ainda oferece controle de estabilidade e de tração, computador de bordo e uma transmissão automática de cinco velocidades. Já o Land Rover Freelander S tem motor 3.2 de 233 cv e parte dos R$ 132 mil. Nota 6
Total - O RAV4 somou 73 pontos em 100 pontos. NOTA FINAL: 7,3


Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES