Últimas de Carros

Peugeot 408 troca de câmbio para tentar encostar nos rivais

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

Não dá para chamar de fracasso. Mas a Peugeot não está -- e nunca esteve -- feliz com as vendas do 408, seu sedã médio, lançado no Brasil no começo de 2011 (foram 7.712 carros vendidos no ano passado inteiro e apenas 2.653 unidades comercializadas entre janeiro e julho de 2013).

A marca sabe que é difícil fazer um modelo engrenar em terra de Honda Civic e Toyota Corolla, sedãs que dominam a categoria (cada um com cerca de 5.000 unidades/mês, de acordo com a Fenabrave), mas está propensa a tentar. Para isso, trocou o câmbio automático da versão Allure.

Antes equipado com transmissão automática de quatro marchas, agora o 408 Allure 2.0 usa a caixa AT6, também automática, de seis velocidades (a mesma que equipa a versão THP, topo de gama). Os preços da linha 2014 do sedã são quase os mesmos: R$ 59.990 para a versão Allure manual; R$ 65.990 para o Allure A/T (R$ 2 mil mais cara); e R$ 73.990 para a configuração THP, com motor 1.6 turbo.

BUCHAS E PNEUS
Não foi só o câmbio que mudou. De acordo com a Peugeot, as buchas da suspensão traseira (que usa um eixo deformável) são novas e garantem um rodar mais suave e macio. Além disso, os antigos pneus foram substituídos por novos Pirelli Cinturato P7 (aro 16 na versão Allure com câmbio manual e 17" nas demais configurações) "verdes", já que possuem banda de rodagem voltada ao consumo de combustível.

As novidades param por aí. O Peugeot 408 continua oferecendo pacotes recheados, desde a versão de entrada: airbag duplo, freios com sistema ABS (antitravamento), faróis e lanterna de neblina, vidros e travas elétricos, ar-condicionado digital de duas zonas, banco do motorista com regulagem de altura, coluna de direção ajustável em altura e profundidade, computador de bordo, direção eletro-hidráulica, controlador automático de velocidade, rádio CD-Player com MP3, USB, Bluetooth e entrada auxiliar, rodas de liga leve e volante multifuncional são equipamentos de série.

Apenas a versão THP, topo de gama, possui opcionais: faróis de xenônio autodirecionais e sensor de estacionamento dianteiro (sensor traseiro passa a ser de série neste versão). Para visualizar a lista completa de equipamentos e a diferença entre cada versão, clique aqui.

MOTORES
Apesar das alterações no câmbio, não houve mudança nos motores: a versão Allure continua sendo equipada com o propulsor EW10, de 2 litros, 151 cavalos e 22 kgfm de torque com etanol (143 cv e 20 kgfm com gasolina), enquanto o 408 THP utiliza o moderno motor 1.6 turbo de 165 cv e 24,5 kgfm de torque (somente a gasolina).

A linha 2014 do Peugeot 408 chega às lojas em outubro, com três anos de garantia. Carro será oferecido nas cores azul, branco, preto e em cinco tipos de cinza -- segundo a Peugeot, os planos de manutenção terão preços nivelados e abaixo dos que são praticados pelos concorrentes.

  • Murilo Góes/UOL

    408 tem 4,69 m de comprimento, 2,71 m de entre-eixos, 1,82 m de largura e 1,52 m de altura

IMPRESSÕES
UOL Carros
 rodou por cerca de 120 quilômetros com a novidade, a versão Allure com câmbio automático. De fato, o câmbio de seis marchas dá ânimo ao 408 2.0, algo que faltava com defasada e lenta transmissão de quatro velocidades.

As retomadas de velocidade realmente são mais ágeis (0,6 segundo de 80 km/h a 120 km/h, de acordo com a Peugeot). Acelerar de 0 a 100 km/h, segundo a marca, está 1,4 segundo mais rápido. Não foi possível medir tempo, mas a impressão tirada por UOL Carros acompanha a informação da fabricante.

As tais buchas da suspensão também fazem diferença: rodar com o sedã (em bom asfalto. diga-se) está mais suave. O silêncio da cabine impressiona.

A marca afirma que as mudanças fizeram com o que o carro ficasse até 5% mais econômico. Os números de consumo apontados no painel realmente melhoraram: com etanol, o sedã registrou a média de 9,6 km/litro (em trajeto predominantemente rodoviário). Com 60 litros de capacidade no tanque de combustível, o sedã conseguiria rodar 576 quilômetros com apenas um abastecimento.

Topo