Últimas de Carros

Agile e Clio zeram em teste mais rigoroso do Latin NCAP

Eugênio Augusto Brito
André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

O Latin NCAP (Programa de Avaliação de Carros Novos da América Latina) divulgou no começo da tarde desta quarta-feira (24), através de vídeoconferência direto da Cidade do México (México), a quarta fase de seu programa de segurança de carros zero-quilômetro vendidos no México, Caribe, América Central e do Sul, incluindo o Brasil. O resultado é ruim para dois modelos vendidos no Brasil: Chevrolet Agile e Renault Clio deram vexame e zeraram (nenhum estrela) no teste de segurança para adultos.

Na avaliação de proteção infantil, com cadeirinhas, o hatch da GM obteve duas estrelas. O modelo da marca francesa recebeu apenas uma. Os vídeos com os testes de colisão de ambos, feitos pelo Latin NCAP, podem ser vistos mais abaixo.

De acordo com a entidade, a "estrutura do habitáculo do Renault Clio Mio [nome do Clio reestilizado no mercado argentino, onde é fabricado] foi qualificada de instável nos testes de batida. As forças sofridas pelas cabeças dos dummies [bonecos de teste] foram inaceitavelmente altas. Esses resultados fazem que o Renault Clio Mio obtenha zero estrela e zero ponto a respeito da segurança do adulto".

No caso do Agile, o NCAP afirma que "os dummies passageiros registraram esforços elevados no teste de impacto; resultado da instável estrutura do habitáculo do carro, expondo-se a área dos pés do motorista a maiores riscos. As forças sobre a cabeça do motorista foram inaceitavelmente altas".

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]
 


TER AIRBAG NÃO BASTA
UOL Carros procurou as duas fabricantes -- GM e Renault -- para ouvir suas opiniões sobre o resultados dos testes de segurança. A Chevrolet, que fabrica o Agile, se eximiu da resposta: "A empresa não irá se pronunciar. A Anfavea [Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, que representes as montadoras] deve ser procurada", informou um representante da marca.

A Anfavea, em nota, reitera que os modelos foram testados sem airbag, mas diz que o equipamento será obrigatório no Brasil a partir do ano que vem. A entidade ainda lembra que os critérios do Latin NCAP 2013 foram alterados em relação ao de 2012 e que os testes nos EUA são feitos a 48 km/h e, na Europa, a 56 km/h, sem especificar, porém, a quais institutos se refere -- o Latin NCAP faz colisões a 64 km/h. "As instituições independentes devem ser respeitadas, mas com a ressalva de que elas seguem critérios próprios, que não necessariamente condizem com aqueles adotados pelas legislações estabelecidas em nenhum lugar do mundo. Os automóveis produzidos e comercializados no Brasil são seguros e os testes de colisão em nosso país tiveram início em 1973 com a publicação de norma brasileira, já baseada em legislações internacionais", afirma Luiz Moan Yabiku Junior, presidente da Anfavea.

Já a Renault afirmou, por e-mail, que "o Novo Clio foi testado sem airbag. Esta configuração corresponde à regulamentação em vigor nos mercados onde é vendido, já que as regulamentações sul-americanas ainda não exigem o airbag. A partir de janeiro de 2014, todos os Novo Clio serão comercializados com airbag para o condutor e passageiro". A marca diz ainda que o modelo testado tem "nível de segurança igual ou até mesmo superior àquele de seus concorrentes" (Peugeot 207, Volkswagen Gol Trend 1.6, Fiat Palio ELX, Chevrolet Celta 1.4, Ford Ka, Chevrolet Classic e Fiat Novo Uno, que obtiveram uma estrela nos resultados de 2012.

Ainda segundo a assessoria da marca francesa, o maior rigor do  Latin NCAP em 2013 fez com que o Clio não obtivesse qualquer estrela. "Se nos baseássemos no protocolo do Latin NCAP em vigor em 2012, o Novo Clio teria obtido 1 estrela, assim como os seus concorrentes", conclui a nota da fabricante.

O QUE DIZ O NCAP

  • Divulgação

    Agile: no impacto, forças sobre a cabeça do motorista são "inaceitavelmente altas"

  • Divulgação

    Clio: "estrutura do habitáculo foi qualificada de instável"

Os dois modelos foram testados pelo Latin NCAP em suas versões sem airbags, como ainda são vendidos em parte dos mercados avaliados -- o Latin NCAP agora avalia a "pior" configuração possível de cada modelo. Ou seja, se em algum dos mercados-alvo da entidade o carro é oferecido sem airbags, ele será avaliado sem airbags.

No Brasil, o Agile mais básico (versão LT) começa em R$ 40.320 e já traz as bolsas de série (no ano que vem, o item será obrigatório em todos os carros novos). Já o Clio parte de R$ 23.990 e não tem airbags em nenhuma versão.

De acordo com Alejandro Furas, engenheiro técnico do Global NCAP e coordenador do teste latino-americano, a quantidade de airbags disponíveis ainda é tida como um argumento de segurança, mas carros vendidos em nosso mercado ainda carecem do básico: estruturas realmente seguras. "Conta pouco o número de airbags se, após o impacto, a estrutura se retorce tanto que homens das equipes de resgate não conseguem retirar os feridos do meio das ferragens", afirmou.

Para Furas, o consumidor latino-americano é quem paga mais caro para ter um carro no mundo, em termos comparativos, e deveria ter segurança na mesma medida de compradores europeus, norte-americanos e asiáticos: "Compare os preços e vocês verão que na Europa os carros são mais baratos e oferecem maior proteção. Então, na proporção, estamos pagando muito mais caro, seja em imposto, lucro ou falta de segurança", concluiu.   

MELHOR NÃO VEM AO BRASIL
O Seat León, modelo da subsidiária espanhola da Volkswagen que se baseia no Golf 7, foi o primeiro modelo avaliado pelo Latin NCAP (com o patrocínio da fabricante) a obter cinco estrelas no teste do Latin NCAP -- no caso, na proteção de adultos. Para crianças, o hatch vendido no México recebeu quatro das cinco estrelas possíveis.

Com seis airbags, freios com ABS (antiblocante) de última geração, cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes (com pré-tensionador nos bancos dianteiros), controles de estabilidade, tração, de pressão dos pneus e diferencial eletrônico autoblocante, entre outros equipamentos de segurança, tem preços entre 259 mil e 325.900 pesos mexicanos (algo entre R$ 46 mil e R$ 58 mil, sem impostos ou taxas).

No Brasil, por enquanto, temos como modelo mais próximo ao León o novo Audi A3, que é montado sobre a mesma plataforma, com o mesmo nível de equipamentos, mas chega importado da Alemanha a preços que partem de R$ 95 mil. Ainda não há previsão sobre a venda do Golf 7 por aqui. O León tem chance zero de ser comercializado em nosso país.

Além de Agile, Clio e León, o Latin NCAP avaliou em sua quarta fase outros três modelos, nenhum deles vendidos no Brasil. O city car Suzuki Celerio (quatro estrelas para adultos, duas para crianças), o também Suzuki Alto K10 (zero estrela para adultos, três no teste infantil) e Nissan Tsuru, modelo equivalente ao Sentra de duas gerações atrás ainda vendido como táxi no México (sem qualquer estrela em ambos os testes).   

  • Reprodução

NOVOS PADRÕES
A partir de agora, a entidade sobe o grau de exigência e passa a cobrar um nível "europeu" de segurança dos carros fabricados e vendidos nestes mercados. Com isso, para obter o índice máximo de cinco estrelas, os novos modelos deverão:

+ Ter bom desempenho no teste de impacto, não impondo impactos que supõem lesões fatais aos ocupantes.
+ Carros com cinco estrelas no teste de impacto para adultos deverá também ser aprovado no teste de impacto lateral seguindo a norma 95 das Nações Unidas.
+ Ter quatro canais de freios com ABS (antiblocante). 
+ Ter aviso no painel de instrumentos de que o cinto de segurança está desafivelado.

Além disso, a avaliação de segurança de "cadeirinhas" (assentos elevatórios para crianças) vai exigir que os modelos estejam à venda pelas fabricantes dos carros (ou por lojas e redes distribuidoras autorizadas) nos três principais mercados da América Latina: Argentina, Brasil e México. O programa também vai ampliar a avaliação da segurança na área dos joelhos dos passageiros.

A partir de 2014 e 2015, o órgão deve elevar mais seu nível de exigência. Um dos pontos diz respeito à criação de um programa independente de avaliação das cadeirinhas, com o objetivo de criar uma lista de bons fabricantes e modelos para que montadoras de carros e compradores possam decidir qual usar.

OS BRASILEIROS NO LATIN NCAP (2010 A 2013)

MODELOADULTOINFANTIL
2010 (Fase 1)  
Toyota Corolla 1.8 XEI (com airbag duplo e ABS)4 estrelas1 estrela
Fiat Palio 1.4 ELX (com airbag duplo e ABS)3 estrelas2 estrelas
Fiat Palio 1.4 ELX (sem airbag e ABS)1 estrela2 estrelas
Volkswagen Gol 1.6 Trend (com airbag duplo e ABS)3 estrelas2 estrelas
Volkswagen Gol 1.6 Trend (sem airbag e ABS)1 estrela2 estrelas
Peugeot 207 1.4 (com airbag duplo e ABS)3 estrelas2 estrelas
Peugeot 207 1.4 (sem airbag ou ABS)1 estrela2 estrelas
Chevrolet Meriva (com airbag duplo)3 estrelas1 estrela
2011 (Fase 2)  
Chevrolet Celta (sem airbag e ABS)1 estrela2 estrelas
Chevrolet Classic (sem airbag e ABS)1 estrela1 estrela
Chevrolet Cruze (com airbag duplo e ABS)4 estrelas3 estrelas
Fiat Uno (sem airbag e ABS)1 estrela2 estrelas
Ford Ka (sem airbag e ABS)1 estrela3 estrelas
Ford Focus hatch (com airbag duplo e ABS)4 estrelas3 estrelas
Nissan March (com airbag duplo, mas sem ABS)2 estrelas1 estrela
Nissan Tiida hatch (com apenas um airbag e ABS)3 estrelas1 estrela
Nissan Tiida hatch (com airbag duplo e ABS)4 estrelas1 estrela
2012-2013 (Fase 3)  
JAC J3 (com airbag duplo e ABS)1 estrela2 estrelas
Renault Sandero (sem airbag e ABS)1 estrela2 estrelas
Hyundai HB20 (com airbag duplo e ABS)3 estrelas1 estrela
Volkswagen Polo hatch (com airbag duplo e ABS)4 estrelas3 estrelas
Renault Fluence (com airbag duplo e ABS)4 estrelas2 estrelas
Toyota Etios hatch (com airbag duplo e ABS)4 estrelas2 estrelas
Ford EcoSport (com airbag duplo e ABS)4 estrelas3 estrelas
Ford New Fiesta hatch (com airbag duplo e ABS)4 estrelas4 estrelas
Honda City (com airbag duplo e ABS)4 estrelas4 estrelas
2013 (Fase 4)  
Chevrolet Agile (sem airbag e ABS)Zero2 estrelas
Renault Clio (sem airbag e ABS)Zero1 estrela

O outro ponto é a cobrança do controle de estabilidade nos carros vendidos na América Latina como parte dos requisitos para se obter cinco estrelas. "Por ora, não é possível, já que muitos fabricantes ainda não usam sistema de ABS com quatro canais em seus modelos, algo que começamos a exigir agora. Sem este sistema mais moderno, é impossível cobrar o controle de estabilidade, mas este passo será dado", afirmou Alejandro Furas, do Global NCAP.

O objetivo é que os carros vendidos na América Latina e que também são encontrados em mercados da Europa, Ásia e nos Estados Unidos tenham níveis similares de segurança. De acordo com executivos e integrantes da equipe técnica do Latin NCAP, as mudanças servem para balizar novos padrões para fabricantes e para os governos, bem como ampliar a noção de segurança dos compradores de carros.

De acordo com Furas, os governos dos países precisam reforçar os parâmetros locais de segurança, assegurando que carros encontrados nas lojas tenham os mesmos níveis de segurança obtidos nos testes. Para o engenheiro, há duas dificuldades: "Os países da região usam protocolos de seguranças desatualizados, abaixo do exigido pela regulamentação 95 das Nações Unidas, e os governos não mantém acordos com laboratórios independentes, dificultando testes isentos". 

Os testes para o Latin NCAP são feitos em laboratórios privados na Alemanha com carros comprados em concessionárias pela entidade nos países participantes.

Topo