Últimas de Carros

Mercedes CLA AMG, o "Baby CLS", promete mostrar músculos ao Brasil

André Deliberato

Do UOL, em Hanover (Alemanha)

Assim como a maioria dos fabricantes de automóveis premium, a Mercedes-Benz quer sair por cima da crise econômica que afeta boa parte da Europa. A estratégia é a mesma que a das outras montadoras de luxo: explorar mercados mais fortes (Estados Unidos) em franco desenvolvimento (China e, por consequência, Brasil) e atrair público novo com carros mais modernos e baratos (em comparação ao restante da linha atual da própria Mercedes e de alguns rivais).

A arma principal da marca alemã para esta "guerra" é o nova Classe A: além de renovado, o modelo agora é a base de uma família composta, além do próprio hatch, pelo sedã CLA e ainda pelo GLA, SUVinho da marca que, espera-se, deve aparecer em sua versão definitiva durante o Salão de Frankfurt, ainda este ano. E de suas derivações esportivas, desenvolvidas pela divisão de performance AMG.

45 O QUÊ?

  • Divulgação

    Já faz um tempo que a Mercedes não alinha a numeração dos nomes de seus carros a alguma característica técnica. A disparidade segue com a família compacta.

    Tanto o hatch (A 45 AMG), quanto o sedã (CLA 45 AMG) são movidos por motores de 2 litros, com turbo e preparação para chegar a insanos 360 cavalos. De onde vem o "45", então? Do torque de 45,9 kgfm, talvez? Não.

    Aqui, a explicação é celebrar os 45 anos da AMG, divisão de performance da Mercedes.

Importante destacar: todos os modelos têm chance de ser produzidos no Brasil, em suas versões convencionais -- a Mercedes não esconde os planos de voltar a fabricar por aqui e admite estudar cidades para receber uma nova fábrica, embora não faça previsão para o início das obras.

Mas antes de ganhar cidadania brasileira, cada um dos modelos será importado a seu devido tempo. O hatch Classe A chegou em abril; em breve, será a vez da configuração civil CLA, com objetivos semelhantes ao do Audi A3 Sedan -- servir acesso ao universo premium e ainda evitar a perda de vendas para modelos maiores de Ford, Hyundai e Kia (todos na mesma faixa de preço, por volta dos R$ 100 mil).

E, em algum momento do segundo semestre de 2014, é a vez do esportivo CLA AMG, motivo da viagem de UOL Carros à Alemanha. A Mercedes ainda não definiu preços do modelo que é mostrado à imprensa especializada de todo o mundo agora, mas executivos falam em cerca de US$ 150 mil, acima de R$ 300 mil.

E ainda há o A 45 AMG, que chega entre novembro e dezembro próximos, e será um pouco mais barato que o CLA AMG: aproximadamente US$ 130 milpouco abaixo dos R$ 300 mil. Anote aí.

COMO ELE É
Visualmente o CLA 45 AMG é semelhante ao hatch A 45 AMG, mostrado mundialmente em março, durante o Salão de Genebra, mas com diferenças notáveis. Na dianteira, os faróis são mais afilados, o capô conta com vincos centrais salientes. No geral, o sedã esportivo tem estilo mais abrutalhado que o hatch -- a ponto de parecer mais colado no chão (a altura dos dois carros, porém, é a mesma).

Interior agradável, esportivo e espaçoso, apesar de estarmos falando de um compacto, é um dos trunfos do sedã. São 2,70 metros de entre-eixos em 4,70 m de comprimento -- lembre-se: o arqui-rival Audi A3, lançado globalmente na última semana na Hungria, é mais curto, com 4,46 m, e menos espaçoso, com 2,64 m de entre-eixos.

Acabamento refinado segue a receita de todo Mercedes, com realces esportivos em fibra de carbono, camurça e couro, além do plástico de boa qualidade. O sistema multimídia é intuitivo.

Banco do motorista oferece ótima posição de dirigir, que agrada tanto aos puristas -- no caso de esportivos, estes preferem ficar colados ao assoalho -- quanto aos "pilotos" menos experientes. O espaço traseiro é surpreendentemente bom para três pessoas, ainda que mais para os pés que para as cabeças, por conta da curvatura do teto, esforço dos engenheiros para dar ares de cupê ao modelo.

Voltando ao exterior, a silhueta lateral é musculosa e inovadora, o que provavelmente exigiu muito esforço dos designers tradicionalistas da marca. A traseira lembra a de um CLS -- não à toa, executivos da Mercedes da Alemanha não paravam de chamar o carro de "baby CLS". As lanternas compostas por LEDs são angulosas, bonitas e formam desenho agressivo quando acesas.

  • André Deliberato/UOL

    Perfil: coeficiente de 0,22 cx é o mais baixo do mundo em um carro de série (diz a Mercedes)

IMPRESSÕES
UOL Carros teve a oportunidade de rodar cerca de 120 quilômetros com um CLA 45 AMG na Alemanha, entre as cidades de Hanover e Bad Driburg. O carro é um míssil, assustadoramente esperto para um modelo compacto que usa motor 2.0.

Um dos segredos é o câmbio ultrarrápido, o Speedshift DCT 7, baseado na caixa e comandos eletrônicos dos superesportivos SLS AMG e C 63 AMG. Trata-se de um sistema automatizado de dupla embreagem com sete marchas, sendo a última um overdrive para economia de combustível. As trocas, feitas em milissegundos no modo Sport, ficam menos ligeiras no modo Normal, mas, ainda assim, impressionam. A tração é sempre integral.

O comandado é um motor 2.0 sobrealimentado por turbo que rende incríveis 360 cv e 45,9 kgfm de torque -- é, ao mesmo tempo, o motor 4-cilindros e 2 litros mais forte do mundo e o menor motor utilizado pela AMG em um Mercedes.

A combinação é ideal: ao mesmo tempo em que o conjunto consegue rodar com calma a 130 km/h, 1.600 rpm e em sétima marcha, também é possível andar forte, próximo da velocidade máxima de 250 km/h (limitada eletronicamente), em sexta marcha e a 6.000 giros (nos trechos sem limite de velocidade das Autobahns).

  • Divulgação

    Interior luxuoso e esportivo pode ter costuras e cintos vermelhos (opcionais) ou pretos

ABAIXO E ACIMA
As suspensões (do tipo McPherson na dianteira e multibraços na traseira) são duras como a de qualquer esportivo, mas se tornam mais amigáveis quando o modo de condução é mais calmo. Independente disso, no Brasil, o conjunto sofreria, principalmente quando equipado com as rodas de 19 polegadas de perfil baixo (235/35), opcionais.

Em trechos sinuosos e de bom asfalto, porém, a rigidez da suspensão é bem-vinda: o CLA AMG sabe fazer curva como seus irmãos maiores. O ronco que sai da dupla saída de escape a cada troca de marcha (no modo Sport) é viciante.

Viagem a convite da Mercedes-Benz

Topo