Últimas de Carros

Range Rover mostra novo Vogue com toque de Evoque

André Deliberato/UOL
Range Rover Vogue V8 mostra a que veio: conjunto óptico ganhou um "frufru" que lembra o urbanóide Evoque, mas o topo de gama da Land Rover continua sendo paradigma de off-road luxuoso imagem: André Deliberato/UOL

André Deliberato

Do UOL, em Marrakech e Essaouira (Marrocos)

O Brasil está em alta. Após as várias estreias mundiais no Salão do Automóvel de São Paulo 2012, a Land Rover resolveu antecipar o test-drive da nova geração do Range Rover Vogue, apresentada oficialmente nos últimos autoshows de Paris e de São Paulo e que nem data tem para estrear no Brasil. O SUV chegou às lojas do Reino Unido (país-sede da marca) no começo deste mês e deve desembarcar por aqui somente em fevereiro.

O que deixa ainda mais claro a importância brasileira no mercado de luxo (o Vogue não sairá por menos de R$ 500 mil) é o fato de que o grupo de jornalistas brasileiros que conheceu o jipão no Marrocos, noroeste da África, é um dos primeiros de uma série de outros que ainda vão avaliá-lo. A Land Rover não quis abrir quais países já haviam testado o SUV -- mas não duvide que (depois dos próprios ingleses) as primeiras turmas tenham sido de chineses e indianos, onde a venda de Range Rover tem crescido vastamente nos últimos anos.

A Land Rover do Brasil ainda não definiu as configurações do Vogue que serão comercializadas no Brasil, nem seus preços (por isso as fichas técnicas estão em inglês). Mas já existem algumas informações a respeito: sabe-se que o modelo com motor V8 Supercharged (510 cv), a gasolina, será uma das opções. Outro V8, mas a diesel e com dois turbos, também já é certo (339 cv). Foi esta a versão que UOL Carros dirigiu no país africano. A versão V6, a princípio, está descartada. A última variação restante, de motor V8 a gasolina com 375 cv, também não deve chegar ao Brasil. Os pacotes de equipamentos também não foram escolhidos ainda.

O CARRO
O Vogue, topo da gama luxuosa da Land Rover (a Range Rover), mudou, ganhou desenho inovador inspirado em alguns detalhes no do Evoque (o que deve incomodar alguns fãs do modelo, criado em 1970 e, junto com o Defender, um dos mais tradicionais da marca), recalibrações nos motores e câmbio e sistema de suspensão off-road novos. Clique aqui para saber mais sobre as mudanças.

Segundo a Land Rover, as alterações estéticas foram cirúrgicas para não prejudicar a aceitação do carro em mercados onde ele é tradicionalmente conhecido. "Os clientes disseram que não deveríamos transformá-lo, mas torná-lo ainda melhor", diz John Edward, diretor global da empresa.

Para UOL Carros, o modelo perdeu um pouco de personalidade ao seguir, em certos pontos, as linhas arrojadas do mais refinado e urbano Evoque. Numa conversa com Richard Woolley, diretor do estúdio de design da Land Rover, questionamos, por exemplo, se os elementos estéticos que dão continuidade às lanternas não ameaçam a sobriedade da traseira. O executivo foi enfático ao dizer que não, pois "os principais vincos do Range Rover, presentes desde o primeiro modelo, de 1970, ainda estão lá". Fato curioso: uma das primeiras unidades pré-série do SUV, datada de 1970 e utilizada para testes de homologação naquela época, "participou" do evento com os jornalistas.

IMPRESSÕES
UOL Carros rodou por cerca de 500 quilômetros com a versão Vogue V8 a diesel (essa denominação não existe em todos os mercados, mas é usada no Brasil). Praia, montanha, pedras, autoestrada e lama não impediram o Range Rover de encarar obstáculos com maestria. O jipão, desde sua primeira geração, parece ter tido aulas de desempenho fora-de-estrada com o icônico Defender, aquele que é considerado por muitos fãs da marca como o "pai" do off-road, mas é infinitamente menos luxuoso.

Graças à nova carroceria, feita inteiramente em alumínio, o novo Vogue está mais ágil e também amigo de curvas -- ele pode ser até 420 kg mais leve, dependendo da versão (na V8 a diesel a dieta é de cerca de 300 kg). A aceleração não é bruta como a de um carro esportivo, mas o torque de 71,4 kgfm, disponíveis a curtíssimos 1.750 giros, é para SUV nenhum botar defeito.

O sistema eletrônico da tração 4x4 e a suspensão pneumática são recheados com recursos quase infinitos para o fora-de-estrada, do rodar na neve sob 30 graus negativos a fazer uma baliza no cascalho do sítio quando a temperatura for de 40º. Dirigir o carro na cidade pode incomodar, pois seus 5 metros (mais exatamente, 4,99 m) de comprimento e 2,07 metros de largura podem atrapalhar em certas situações. Numa (surpreendentemente boa) estrada marroquina, a 120 km/h, o carro rodava em absurdas 1.500 rpm, quase com o mesmo giro do motor na marcha-lenta (ressalvando que o motor diesel gira menos que o que usa gasolina).

Para quem procura um modelo robusto e altamente luxuoso (os bancos traseiros, elétricos, têm memorizador de posição e até massageadores, e todos os instrumentos no painel são digitais) e pode gastar, pelo menos, R$ 500 mil num SUV de verdade, o novo Range Rover Vogue é uma opção certeira. Para quem não curtiu o visual "evocado" do modelo, fica a dica: a versão Sport da linha Range Rover, com desenho diferente (mas, como na geração anterior, com elementos iguais e outras exclusividades), deverá ser apresentada no Salão de Genebra de 2013. É esperar para ver.

Viagem a convite da Land Rover do Brasil

Topo