Últimas de Carros

Peugeot 208 'civil', GTi e 308 turbinado sobem nível da marca

Eugênio Augusto Brito/UOL
Peugeot 208 Premier: série especial numerada será estreia do novo modelo, em março de 2014 imagem: Eugênio Augusto Brito/UOL

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

A Peugeot do Brasil abusou da numerologia para subir de vida a partir deste Salão do Automóvel. Os franceses fizeram questão de lembrar que estão há 20 anos e 8 meses no país antes de anunciar o compacto 208, evolução do 207 (que não morre, mas segue rebaixado a carro de entrada, assim como o sedã Passion e a picape Hoggar), que pode ser visto por todo o público a partir de quarta-feira (24), mas só será vendido em 208 dias. Nem todas as contas bateram e os números fundamentais, do preço, foram "esquecidos".

A marca afirma que está muito cedo para cotar o novo modelo, que vai competir no segmento de compactos premium com Ford New Fiesta, Fiat Punto, Chevrolet Sonic e Citroën C3. Claro, ele ficará na gama da Peugeot entre o 207 e o 308. Lançado mundialmente no Salão de Genebra, em março, o 208 terá pouco mais de um ano de vida quando estrear no Brasil.

A produção na unidade da PSA de Porto Real (RJ) começa no final do ano. De lá, também sai o novo C3, com quem divide arquitetura e soluções como LEDs diurnos, teto panorâmico, motores flex 1.5 (93 cavalos com etanol) e 1.6 Flex Start (sem "tanquinho" e com 122 cv) e câmbio manual de cinco marchas e automático de quatro velocidades. De exclusivo (e marcante), o 208 tem o visual, mais compacto e arrojado: a lanterna tem a forma de "garra de leão" (embora muitos enxerguem um bumerangue ali); a grade "flutua" sobre a frente e é demarcada pelos LEDs. Por dentro, o volante é mais baixo e menor para facilitar manobras -- o belo e completo painel deve ser visto por sobre a peça, não através dela; e a tela de LCD sensível ao toque, das versões mais caras, é montada no painel central, na altura dos olhos, mas voltada às mãos do condutor, não do passageiro.

Haverá uma versão especial de lançamento limitada a... sim, 208 unidades. Chamada Premier, chega um mês antes da estreia oficial e trará pacote especial: cor fosca, rodas aro 16, seis airbags, sensores dianteiro e traseiro de estacionamento, revestimento interno com mescla de tecido e couro, pedaleiras de alumínio e numeração do exemplar no painel.

E ainda é possível ainda sonhar com a versão GTi para o futuro. O carro de imagem, com algo de esportivo (equivalente ao DS3 do C3) não faz número no estande: em estratégia similar àquela da Peugeot francesa, aparece no Salão como carro-conceito, mas chega ao Brasil em 2014, por importação. Vale a pena esperar para ver: o GTi tem estilo acupezado com apenas duas portas e vidro lateral traseiro em cunha, rodas de 18 polegadas e motor turbo de 200 cavalos.

A família 208 terá ainda, num futuro próximo, a derivação mais ambiciosa: o SUV compacto 2008, desenvolvido no Brasil (em colaboração com outros centros de design da marca) e que surgirá para disputar mercado com Ford EcoSport e Renault Duster, entre outros.
 

MÉDIO MAIS FORTE
O estande tem ainda o novo 308 turbo -- nome oficial: 308 THP 1.6 --, já avaliado por UOL Carros e que complementa a gama do hatch médio, composta também pelo 308 aspirado (1.6 e 2.0) e pelo cupê-conversível CC. Com motor de 165 cv preparado pelos franceses em parceria com a BMW, câmbio de seis marchas (com o pecado de não ter borboletas no volante) e teto panorâmico gigante, é opção ao Chevrolet Cruze Sport6 LTZ, ao Fiat Bravo T-Jet e ao novo Hyundai i30.
 
O carro chega às lojas dia 5 de novembro, exatamente um dia após o fim do Salão, mas seu preço (que seria anunciado) ficou só na promessa: o diretor geral da Peugeot para Brasil e América Latina Frédéric Drouin preferiu aguardar a definição sobre prorrogação do IPI após outubro. A promessa é ser competitivo para brigar com Cruze Sport6 topo da gama e Bravo T-Jet, entre outros, mas sem interferir nas vendas do 308 aspirado mais caro (R$ 68 mil), nem esbarrar no patamar do sedã 408 turbo (R$ 76 mil).
Topo