Últimas de Carros

Atualizada em 01.10.2012 09h11

Chery inicia na segunda recall de Cielo e Tiggo para trocar peças com amianto

Murilo Góes/UOL
Chery Cielo hatch (foto), Cielo sedã e Tiggo contêm amianto no motor e terão de passar por recall imagem: Murilo Góes/UOL

Do UOL, em São Paulo (SP)

A chinesa Chery inicia na segunda-feira, 1º de outubro, o cronograma de recall dos modelos Cielo (hatch e sedã) e Tiggo (SUV do porte do EcoSport), mais de um mês após o grupo ter revelado ao público brasileiro o uso de amianto (substância tóxica que pode causar câncer se inalada e assimilada pelo organismo) em componentes do motor dos dois modelos (relembre clicando aqui).

De acordo com comunicado oficial da Chery do Brasil enviado à imprensa, a convocação envolve 12.462 carros dos dois modelos, todos importados, fabricados na China (caso do Cielo e de alguns lotes do Tiggo) ou no Uruguai (Tiggo). Essa quantidade de veículos corresponde a toda venda dos dois modelos do lançamento em nosso país até a comunicação inicial feita em agosto.

A demora na definição do recall levou a marca a ser notificada pelo Procon (saiba mais aqui). A liga de amianto foi aplicado na junta do coletor de admissão e escape do motor dos modelos e problema semelhante já havia sido notificado há algum tempo pelo governo da Austrália, que também recebeu lotes dos carros da Chery.

A Chery insiste que a "embora tenha sido constatada que a pequena composição de amianto (asbesto) identificada nos componentes dos veículos não representa nenhum risco à saúde" (sic), nenhum comprador ou mecânico deve tentar substituir as peças por conta própria. Os donos dos modelos deverão procurar uma concessionária da marca e agenda o serviço, que não deve ter custo.

Mais informações sobre onde encontrar uma loja da Chery ou sobre o procedimento em si podem ser solucionadas pelo telefone 0800-7724379 ou através do site www.cherybrasil.com.br.

Leia abaixo a íntegra do comunicado da Chery, com o número de chassis dos carros afetados:

A Chery Brasil anuncia o início do recall dos modelos Tiggo e Cielo a partir da próxima segunda-feira, 01º de outubro. Os proprietários dos referidos modelos devem comparecer a uma das concessionárias da marca para que seja efetuada a troca da junta do coletor de admissão e da junta do sistema de escape do Tiggo e da junta do coletor de admissão do Cielo.

O recall, convocado por iniciativa da própria montadora, envolve 12.462 veículos e está sendo adotado após ter sido detectada a presença de uma pequena quantidade de amianto (asbesto) em unidades destes modelos importados para o Brasil.

Embora tenha sido constatada que a pequena composição de amianto (asbesto) identificada nos componentes dos veículos não representa nenhum risco à saúde, a Chery alerta aos seus consumidores que não realizem por conta própria a substituição das peças, o que deverá ser feito apenas por técnico qualificado de uma das concessionárias da rede Chery Brasil.

Data de início do atendimento: 1º de outubro de 2012
Local de Atendimento: Rede de Concessionárias da Chery Brasil
Mais informações: 0800-7724379 / www.cherybrasil.com.br

- Tiggo (veículos convocados para o recall):
Fabricados no Uruguai:
Chassi mais antigo:
9UJDB14B7AU003549 (data de fabricação 11 de fevereiro de 2010)
Chassi mais novo:
9UJDB14BXCU007534 (data de fabricação 17 de agosto de 2011)

Fabricados na China:
Chassi mais antigo:
LVVDB14BXBD010310 (data de fabricação: 09 de abril de 2010)
Chassi mais novo:
LVVDB14B2CD037938 (data de fabricação: 22 de agosto de 2011)

- Cielo (veículos convocados para o recall):
Cielo Sedan:
Chassi mais antigo:
LVVDC11B0BD011015 (data de fabricação: 24 de maio de 2010)
Chassi mais novo:
LVVDC11B7CD044983 (data de fabricação: 21 de setembro de 2011)

Cielo Hatch:
Chassi mais antigo:
LVVDB11B1BD011110 (data de fabricação: 24 de maio de 2010)
Chassi mais novo:
LVVDB11B0CD045122 (data de fabricação: 22 de setembro de 2011)

HISTÓRICO DO CASO
A Chery do Brasil anunciou em 29 de agosto que o médio Cielo (tanto o hatch como o sedã) e o SUV Tiggo teriam de participar de recall por conta de detecção de certa quantidade de amianto (substância que pode causar câncer se inalada) aplicado na junta do coletor de admissão e escape do motor. A marca dizia que "não se deve consertar por conta própria essas partes do motor" e que "os profissionais que executarão o reparo terão nível específico de proteção para realizá-los".

Ainda segundo a fabricante, não houve casos de dano à saúde registrado no país e os procedimentos corretos para a realização do recall serão definidos pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPC) nos próximos dias.

QUEM DESCOBRIU
A medida foi divulgada depois que o governo australiano solicitou o recolhimento de alguns veículos da marca que continham amianto em juntas de vedação dos motores e em sistemas de exaustão.

Segundo a Chery do Brasil, foi detectado que unidades dos lotes enviados à Austrália vieram também para o mercado brasileiro. Todos os veículos da marca vendidos nestes mercados têm como origem a China.

O QUE É AMIANTO?
Amianto é um minério que, se inalado, pode causar o endurecimento dos alvéolos do pulmão e até câncer, entre outros problemas respiratórios. Utilizado pela indústria de construção, o material já foi proibido em várias partes do mundo por ser fortemente ofensivo ao ser humano. No Brasil, porém, o amianto não é banido.

OUTROS RECALLS
Este é o segundo recall de porte grande da empresa no Brasil em 2012. Em março, a Chery se viu obrigada a anunciar uma campanha para o compacto S18, que havia acabado de chegar às lojas, por conta de problemas com o pedal do freio. Por falha do fornecedor, a haste de sustentação do pedal poderia entortar quando submetida a uma pisada mais forte.

Ainda assim, a empresa levou 40 dias para admitir o problema (que classificou como "recall branco", ou seja, quando feito por boa vontade da marca em atender às exigências da legislação brasileira) e suspender as vendas do hatch.

Além do pequeno S18, do médio Cielo hatch e sedã e do SUV Tiggo, a Chery vende no Brasil os compactos QQ e Face, modelos não afetados por alguma falha que tenha demandado campanha de recall.

Topo