Últimas de Carros

Atualizada em 27.09.2012 21h46

Peugeot 2008 entra na fila dos rivais do Ford EcoSport

Murilo Góes/UOL
Peugeot 2008 Concept, conforme exposto no Salão de Paris: espere até ele amadurecer! imagem: Murilo Góes/UOL

Claudio Luis de Souza

Do UOL, em Paris (França)

"De São Paulo a Xangai, de Londres a Kuala Lumpur, da Cidade do Cabo a Moscou, os grandes centros estão vivos, evoluem e crescem. A humanidade está cada vez mais urbana, a um ritmo nunca antes visto; uma nova geração de pessoas conectadas e cheias de curiosidade, que compartilham objetivos e estão em dia com todas as novidades que surgem em qualquer lugar do mundo".

Leu?

Então assinale a alternativa que descreve corretamente a origem do parágrafo acima:

a) Folder de agência de turismo
b) Anúncio de smartphone
c) Anúncio de apartamento de 50 m² que custa R$ 1.000.000
d) Texto sobre jipinho que concorrerá com o Ford EcoSport

Quem acompanha UOL Carros certamente cravou a reposta d. Pois é: trata-se do primeiro parágrafo do press release do Peugeot 2008, carro-conceito apresentado aqui em Paris nesta quinta-feira (27) que é mais um futuro "matador de Eco", "anti-Eco", ou qualquer outro clichê já usado na imprensa automotiva (aqui também, reconhecemos) quando se fala de Renault Duster, Chevrolet Trax e quetais.

O jipinho da francesa, mostrado com as portas trancadas e numa cor amarelo-flourescente típica de protótipos, mede 4,14 metros, não deixando dúvidas de que, ao menos nesse ponto, o Ford EcoSport é seu benchmark (na Europa, a referência é o Nissan Juke).

Segundo a Peugeot, o desenvolvimento do 2008 é obra conjunta de seus funcionários em Paris, Xangai e São Paulo.

França, China e Brasil também abrigam as fábricas da marca do leão que produzirão o crossover urbano (para nosso mercado ele será feito em Porto Real, no Rio de Janeiro). Não há data prevista para o início da fabricação e muito menos das vendas, mas o protótipo pareceu ainda bastante cru. Difícil imaginar o carro pronto em menos de 12 meses.

Como é praxe na Peugeot, o numeral que batiza o jipinho identifica porte e geração -- e, nesse caso específico, segmento.

O "2" é de compacto, o "00" é usado nos crossovers, e o "8" é a geração. O 2008 nascerá baseado num carro que ainda nem foi lançado no Brasil, o 208, sucessor parcial do 207 (que seguirá em linha como carro de entrada da Peugeot). Seu correspondente de porte maior é o 3008.

A Peugeot anuncia para o 2008 um motor 1.2 de três cilindros, evidentemente dotado de turbocompressor e com injeção direta de gasolina para obter cerca de 110 cavalos de potência, valor que hoje é comum em propulsores 1.6 aspirados e de quatro cilindros.

O downsizing é uma tendência e o Hyundai HB20 já quebrou o tabu de "sumir" com um dos "canecos" -- usando o mesmo motor flex do Kia Picanto --, mas é razoável supor que o 2008 aproveite motores já usados pela PSA no Brasil, com capacidades de 1,5 e 1,6 litro.

E TEM O ANTI-COBALT
A Peugeot também mostra em Paris o sedã 301, espécie de meio do caminho entre o que seria um 208 sedã e o 408 vendido no Brasil. O carro é fabricado por ora apenas na Turquia, e tem chegada às lojas prevista para 1º de novembro, inicialmente em seu país de origem e depois seguindo um roteiro que parece uma excursão ao "outro lado da ponte" global: Europa Central e Oriental, Rússia, Ucrânia, Grécia, Argélia e Marrocos, Oriente Médio, Golfo Pérsico, África, alguns mercados da América Latina (sendo esta a parte que nos toca) e, posteriormente, China.

É onde estaria o dinheiro novo de que a Peugeot precisa desesperadamente para se reerguer, já que na Europa "bacana" (onde o 301 não vai entrar) a crise é grave e tem derrubado as vendas da marca ao ritmo de dois dígitos percentuais este ano.

Se vier a ser produzido e/ou vendido no Brasil, o 301 disputará mercado com Chevrolet Cobalt, Renault Logan, Nissan Versa e outros sedãs "inflados". A Peugeot anuncia dimensões generosas para o modelo: 4,44 metros de comprimento, 2,65 metros de entre-eixos (mais que boa parte dos sedãs médios) e porta-malas de titânicos 640 litros (35 litros sob o tapete do assoalho).

Todo o desenvolvimento do 301, diz a Peugeot, buscou a adequação a condições extremas de uso (entre elas, estradas ruins). As motorizações propostas inicialmente são bem conhecidas da marca na Europa: suas potências variam de 72 cv a 115 cv, e as capacidades, de 1,2 litro (gasolina) a 1,6 litro (diesel ou gasolina).

Viagem a convite da Anfavea

Topo