Últimas de Carros

Sandero e Logan europeus, feitos pela Dacia, surgem renovados

Divulgação
A romena Dacia deixou seu Sandero mais próximo do utilitário Duster; sedã Logan tem mesmo visual imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo (SP)

Há pouco menos de um mês, a Renault do Brasil mostrou a linha 2013 de Sandero e Logan: seu principais modelos no país viraram o ano sem trocar de visual -- a principal mudança foi na calibragem do motor 1.6 de oito válvulas, com nova afinação e sobrenome (releia aqui). Baseados em suas contrapartes europeias, criadas na Romênia, ambos acabam de ficar velhos: surgiram nesta segunda-feira (17) as primeiras imagens da segunda geração dos compactos da Dacia (subsidiária da Renault), com estreia apontada para o Salão de Paris, no final de setembro.

As imagens são da própria Dacia, mas foram divulgadas pela publicação francesa "L'Automobile Magazine", que compara os novos modelos ao SUV Duster e à minivan Lodgy (outra novidade da Dacia/Renault, ainda não anunciada por aqui). Realmente, os novos Sandero e Logan ficaram visualmente mais robustos -- e menos simplórios -- com a adoção de faróis, lanternas, para-choques e linhas de caráter mais elaborados, além da grade frontal que lembra muito aquela utilizada pelo utilitário esportivo compacto (que, vale lembrar, é derivado da mesma plataforma B0 originadora de Sandero, Logan, da picape Logan e da Lodgy).

Os franceses cravam ainda que, com 2,5 milhões de unidades da primeira geração vendidas em todo mundo em oito anos, a segunda geração deve chegar logo aos mercados onde Sandero e Logan atuam no momento -- além do Brasil, onde são fabricados com nome e emblemas da Renault há cerca de três anos, os modelos desembarcam em outros mercados emergentes (América Latina, Rússia, Índia, África setentrional e meridional) embalados como Nissan, Lada, Mahindra ou Tondar. 

O leitor de UOL Carros já estava a par tanto da atualização quanto da aproximação da Renault nacional com Renault e Dacia europeias: no final de agosto, o colunista Fernando Calmon ouviu do presidente da filial brasileira que a defasagem entre as linhas deve ser reduzida dos atuais três anos para algo entre seis e nove meses. Em tese, poderemos ver os novos Sandero e Logan por aqui até o final de 2013 ou começo de 2014.

O QUE MUDA LÁ FORA
Além do visual mais atual, Sandero e Logan terão nova concepção. Na primeira geração, o sedã Logan pouco tem a ver com o hatch Logan, ao menos externamente, algo similar ao que ocorre com o novo Fiat Palio e o sedã Grand Siena. Isso acaba com a segunda geração: com mesmo visual e itens, o Logan será, de fato, a versão três-volumes do Sandero, a exemplo do que ocorre com Volkswagen Gol e Voyage.

Percebe-se que concorrentes como Volkswagen, Citroën, Peugeot e até Chevrolet inspiraram o desenho dos novos modelos. 

Por dentro, a mudança é menor, mas inclui um redesenho de paneis e volante e a inclusão de equipamento multimídia com tela touch screen, algo que será visto aqui no Brasil ainda este mês com o Duster. Sob o capô, porém, os europeus prometem um bom avanço, com novos motores a gasolina e a diesel (esta última variante proibida em nosso país) com sistema Start/Stop. Os novos Dacia Sandero e Logan a gasolina devem contar, inclusive, com uma configuração três-cilindros, de 0,9 litro com turbo, para desenvolver 90 cavalos com baixo consumo e emissões menores.

Os preços não foram divulgados, mas a imprensa europeia especula patamares entre 7 mil e 9 mil euros (algo entre R$ 19 mil e R$ 24 mil). A primeira geração é vendida no Brasil por valores entre R$ 24 mil (Sandero 1.0) e R$ 39 mil (Logan 1.6 automático).

Topo