Coluna

Alta Roda

Malha ridícula e má conservação exigem prioridade às estradas

Juca Varella/Folhapress
Na falta de manutenção, "solução" em estrada de Minas Gerais é alertar motoristas imagem: Juca Varella/Folhapress

FERNANDO CALMON

Colunista de UOL Carros

Sempre há críticas de que o Brasil se tornou um país rodoviarista e que deveria valorizar trens e navios (cabotagem) para transporte a grandes distâncias. De fato, pelas dimensões continentais do país a malha ferroviária e o modal marítimo poderiam estar bem mais desenvolvidos. Hoje cerca de 70% das mercadorias são transportadas por caminhões, mas este não é um cenário muito diferente da Europa e também dos Estados Unidos. Se considerado o valor da carga, os caminhões americanos respondem por algo em torno de 60% do transporte de bens. Lá se vende 1 milhão de unidades por ano, seis vezes acima do comercializado aqui.

No entanto, há uma diferença fundamental: a qualidade das estradas. Nisso estamos incomparavelmente atrasados em relação a países com grau semelhante de estágio econômico ou mesmo abaixo. Dessa forma, à exceção das ótimas autoestradas no Estado de São Paulo, que pouco ou nada devem às melhores do mundo, viajar de carro no Brasil ainda significa estar sujeito a um nível de risco intolerável.

O problema se agrava além de erros de projeto, qualidade da pavimentação e falta crônica de um programa mínimo de conservação, inclusive da sinalização horizontal e vertical. Grande parte das rodovias é de pistas simples, o que agrava a insegurança do tráfego, considerando o número de veículos pesados dividindo a mesma via com automóveis e outros veículos leves.

MUITO DINHEIRO
Em recente audiência na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, em Brasília, o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, afirmou que para "modernizar totalmente os 56 mil quilômetros de rodovias [federais] brasileiras, são necessários R$ 30 bilhões anuais durante oito anos". O orçamento anual do Dnit é de somente R$ 10,3 bilhões.

Não ficou claro se essa "modernização" significa duplicar estradas com tráfego saturado e aumentar a segurança. Por esse descompasso entre orçamento e necessidades de verbas já dá para desconfiar que estradas novas, nem pensar. O Brasil possui cerca de 150 mil quilômetros de rodovias pavimentadas, incluídas as estaduais e municipais. Uma malha ridícula para a superfície de 8,5 milhões de quilômetros quadrados do país, mesmo desconsiderando áreas de florestas e rios.

Pagot apontou, com razão, as dificuldades no licenciamento de obras. "Uma caverna aqui, uma aldeia indígena ali, terras de quilombolas acolá, e as licenças não saem", queixou-se. Mas a lentidão do Dnit e seu planejamento falho não podem ser esquecidos. Rodovias pedagiadas em maior número, apenas para manutenção e sinalização, há muito já deveriam estar licitadas. O departamento parece se agarrar às benesses políticas, sobrepondo-as à eficiência administrativa.

Juntamente a essa atrapalhação rodoviária vem o projeto do trem de alta velocidade na rota Campinas -- São Paulo -- Rio de Janeiro. Ao custo estimado espantoso de R$ 35 bilhões no mínimo, com traçado difícil e perfil topográfico inadequado, pouco vai colaborar para que mais pessoas tenham o mínimo de segurança ao se deslocar. E caminhões continuarão, por falta de opção, se apertando em meio aos carros nas estradas.

Siga o colunista: www.twitter.com/fernandocalmon
...............................................................

GUERRA COMERCIAL
Discurso da Abeiva (associação de importadores) mudou quanto às licenças prévias. Entidade lembra que o setor já conviveu com administração de guias de importação até 2001 e que o governo precisa de informações sobre origem e preço dos veículos. Não devem faltar veículos nas concessionárias, porém estoque baixo costuma pressionar preços para cima.

BOM DE MOTOR
Retoques externos rejuvenesceram o Mercedes-Benz Classe C
. Quadro de instrumentos recebeu sistema de alerta contra sonolência e melhor resolução. Suspensão firme, sem causar desconforto. Ponto alto do modelo (R$ 116.900,00 a R$ 191.900) é o motor turbo 1,8 litro, 156 cv a 204 cv, em conjunto com o novo câmbio automático de sete marchas.

DEGRAU ACIMA
Sedã compacto JAC Turin fica em patamar acima de outros chineses
quanto à qualidade percebida, no uso cotidiano. Há falhas ergonômicas: volante um pouco enviesado, comandos dos vidros elétricos malposicionados e destravamento elétrico nos superados pinos de porta. Boa potência (108 cv) e suspensões bem acertadas. Destaque: porta-malas de 490 litros.

TANQUE COM TORQUE
Range Rover Vogue agora oferece motor diesel V8, de 4,4 litros
, 313 cavalos e mais R$ 5.000 no preço sugerido (R$ 421.000). Esse utilitário esporte 4x4 inglês pesa nada menos que 2.580 kg, mas o torque brutal de 71 kgfm e o câmbio automático de oito marchas lhe permitem acelerar de 0 a 100 km/h em 7,8 s. Não é refinado para dirigir, porém bem civilizado.

NA BOMBA
Conta mais fácil para saber se o etanol está competitivo no custo/km
: multiplicar o preço da gasolina por 7 e dividir por 10. Preço do etanol deve ser menor que o resultado obtido. Em geral pode se executar o cálculo mentalmente. Dividir o preço do etanol pelo da gasolina só na ponta do lápis, com calculadora ou com conversor do tipo Flexcalc.
 

Topo