Últimas de Carros

Reino Unido vai testar estradas que recarregam carros elétricos

Maurilio Cheli/SMCS
Atualmente, carros elétricos precisam de recargas diárias e tem autonomia curta imagem: Maurilio Cheli/SMCS

Leo Kelion

Editor de Tecnologia

Em um futuro talvez nem tão distante, no Reino Unido, motoristas poderão recarregar seu carros elétricos enquanto dirigem por estradas.

A agência do governo anunciou nesta semana um projeto para testar a tecnologia de "carregamento veicular sem fio". O sistema seria instalado sob o asfalto em algumas rodovias, evitando que motoristas precisem parar para recarregar.

Um estudo de viabilidade já existe, e agora a agência abriu uma concorrência para propostas de testes da tecnologia. Ainda assim, especialistas questionam se um esquema como esse seria viável economicamente.

Testes na Coreia do Sul

Tecnologias de recarga automática já estão em funcionamento em alguns lugares: em 2013, a cidade sul-coreana de Gumi reconstruiu uma rua de 12 km permitindo que ônibus elétricos sejam recarregados enquanto trafegam.

Isso funciona por meio de um processo chamado "carregamento por indução magnética". Cabos elétricos sob o asfalto produzem campos magnéticos que são absorvidos por um receptor no veículo e convertidos em eletricidade.

No ano passado, a cidade de Milton Keynes, no sudeste do Reino Unido, testou um sistema parecido, porém mais limitado, que recarregava baterias de ônibus elétricos por meio de placas instaladas no meio da rua. O experimento, entretanto, exigia que os veículos parassem por alguns minutos para recarregar.

"O nosso compromisso é realizar testes fora das ruas, ou seja, não em vias públicas, em 2016 ou 2017", disse Stuart Thompson, um porta-voz da Highways England, à BBC. "Ainda é muito cedo para revelar mais. Onde, exatamente, esses testes acontecerão é algo que não foi decidido", completou.

Segundo a Highway England, mais detalhes serão divulgados quando o contrato for firmado. "O potencial de recarregar veículos elétricos nos abre possibilidades animadoras", comentou o Ministro dos Transportes do país, Andrew Jones.

Topo