Últimas de Carros

Motos ganham sensor de ponto cego para ajudar a evitar acidentes

Cicero Lima

Colaboração para o UOL

Seres humanos têm uma desvantagem frente a alguns animais, por exemplo, os coelhos: contam com ângulo de visão de "apenas" 180 graus. Por isso os retrovisores são tão importantes durante a condução de qualquer veículo. Eles servem para ampliar o campo visual e diminuir o risco de acidentes. Ainda assim, o condutor fica sujeito ao perigoso "ponto cego". 

Esta falha de percepção provoca acidentes entre veículos maiores (caminhões, ônibus e carros) e menores (motocicletas, bicicletas e similares). Na maioria dos casos, o motorista de um veículo maior fica perdido na situação, pois acaba não enxergando o veículo menor, que "surge do nada" em seu campo visual.

Para aprimorar a segurança de automóveis, muitos fabricantes investem na tecnologia dos "sensores e alertas de ponto cego" e, até mesmo, em "retrovisores inteligentes". Ambos apontam a aproximação de um veículo menor a partir da traseira e pelas laterais -- posicionamento que dificulta e até impede sua visualização pelo condutor. O equipamento usa sensores e até câmeras para captar o movimento de outros veículos e já está presente em modelos mais equipados de caminhões, ônibus e carros.

Divulgação
Alerta de veículo no ponto cego pisca na base do retrovisor imagem: Divulgação

Agora, é a vez das motos

Finalmente, a tecnologia chega também aos veículos de duas rodas. Modelos como o scooter BMW C 650 GT, apresentado em setembro na Europa, trazem o equipamento como opcional -- os alemães chamam o equipamento de Side View Assist (assistente de visão lateral/periférica, na tradução direta).

É o mesmo princípio de funcionamento de qualquer veículo de quatro ou mais rodas: sempre que o motociclista aciona a seta avisando que seguirá para esquerda ou direita, recebe um aviso luminoso na haste do retrovisor caso outro veículo se aproxime por este mesmo lado.

A escolha do retrovisor como "central de alerta" reforça a importância da peça para detectar outros veículos e contribuir na prevenção de acidentes.

Sem visão

Bem longe do mundo ideal, o que vemos é o uso inadequado dos espelhos retrovisores. Há também o cado de motoristas que não sabem regular a posição dos espelhos, que os bloqueiam ao instalar de retrovisores menores sobrepostos ou, ainda, mudam a peça de local de seu local original -- hábito comum entre os motociclistas, aliás.

Divulgação
Tecnologia existe para carros há alguns anos; falta popularizar imagem: Divulgação

Tudo isso diminui a eficiência e a segurança do sistema.

Nos veículos de carga os retrovisores são ainda mais importantes, pois o motorista não conta com a vigia traseira. Além disso, o condutor pode ter sua visão bloqueada por obstáculos como carga excedente ou mesmo a carreta. Os caminhões mais modernos contam com retrovisores panorâmicos, que permitem ao motorista observar o entorno do caminhão. Há até projetos avançados para o uso de câmeras e monitores.

Com ou sem tecnologia, é recomendável que o motociclista tenha noção de que, na maioria das vezes, o motorista não o enxergou. O risco é ainda maior no caso de veículos mais antigos e que trazem apenas o retrovisor plano. Sinalize qualquer mudança de direção e mantenha distância segura para o veículo à frente.

Cicero Lima recebeu duas menções honrosas no Prêmio Abraciclo 2015

Topo