Da Honda lameira à Ninja de 300 cv, oito destaques do Salão de Milão

Carlos Bazela

Da Infomoto

Após quatro dias inteiros circulando pelos 2 milhões de metros quadrados que compõem o EICMA (Salão de Motos de Milão), muita coisa foi possível perceber: modelos completamente novos, outros bastante reformulados e, claro, as novas tendências que as principais marcas das duas rodas devem seguir nos próximos anos.

A cidade italiana, conhecida como capital do design, moda e bom gosto, não recebe um dos maiores salões de moto do mundo à toa. Pensando nisso, Infomotoi reúne abaixo uma lista com os oito principais destaques da edição 2014 da mostra. Confira: 

KAWASAKI NINJA H2R - A MAIS POTENTE
Resolvemos começar com a moto de maior cavalaria do evento. Embora já tenha sido mostrada no mês passado, durante o Salão de Colônia, a Kawasaki Ninja H2R também é a motocicleta de produção mais potente do EICMA. Pudera: são 300 cavalos gerados pelo propulsor tetracilindrico de 1.000 cc, que ainda conta com o auxílio de um compressor. É bem provável que ela mantenha, por um bom tempo, tal título em outros salões e eventos onde marcar presença. 

Divulgação
Kawasaki Ninja H2R
MATCHLESS MODEL X RELOADED - A EXCÊNTRICA
O salão marcou a volta da Matchless à ativa. No local, a montadora exibiu a Model X Reloaded, seu primeiro modelo inédito em quase 80 anos. Assim como ocorreu com outras fabricantes que ressuscitaram das cinzas, a Matchless apostou em um conceito retrô para retornar à vida, homenageando um modelo que marcou sua história. O visual não chega a ser uma unanimidade, pois conta com "nadadeiras" no escape do lado direito. O motor é um V-Twin fabricado pela americana S&S, capaz de gerar até 100 cv. 
Arthur Caldeira/Infomoto
Matchless Model X Reloaded
HONDA TRUE ADVENTURE - A GRANDE SURPRESA   
Confirmado como modelo de produção para 2015, o conceito True Adventure (nome provisório) surgiu como a maior surpresa do evento. Toda suja de lama e claramente inspirada na NXR 750, que competiu no Rally Paris-Dakar, a moto incorpora elementos da CRF 450 Rally, modelo que compete nas mais difíceis provas off-road do mundo. Para muitos jornalistas que cobriram o Salão, o protótipo deve marcar o retorno da famosa linha Africa Twin -- nome pelo qual ficou conhecida a XRV 750, outra aventureira de mão cheia, nos anos 90. 
Arthur Caldeira/Infomoto
Honda True Adventure
YAMAHA YZF-R1 - A MAIS POPULAR
m todos os cantos do EICMA, só se falava da nova geração da R1. Diferente de suas antecessoras em tudo, a moto chamou a atenção pela potência de 200 cv e também pelo pacote eletrônico, que vai desde controle de tração e câmbio quickshift (troca de marchas sem uso da embreagem) até freios ABS (antitravamento) unificados. Na parte estética, o conjunto óptico dianteiro com sutis e estilosas linhas de LED acima dos canhões de luz dividiu opiniões. Houve ainda quem não gostasse da larga entrada de ar central, que confere visual quase idêntico ao da YZR-M1, máquina usada pela marca no Mundial de Motovelocidade.
Divulgação
Multicampeão Valentino Rossi apresentou nova Yamaha YZF-R1
HUSQVARNA VITPILLEN - "O" CONCEITO
Atualmente controlada por Stefan Pierer, presidente-executivo da KTM, a A sueca Husqvarna radicalizou nos conceitos mostrados em Milão. O mais exótico foi a café racer Vitpillen (o nome significa "flecha branca" em sueco), desenhada pelo estúdio Kiska e equipada com o motor monocilíndrico da Duke 390. Ela não tem pretensão de chegar às ruas, mas indica que a marca está disposta a ir além das motos feitas para trilhas, e que não terá medo de aliar o bom conjunto mecânico da KTM a um visual bastante arrojado. 
Divulgação
Husqvarna Vitpillen
KAWASAKI Z300 - A MELHOR PEQUENINA
Não foram só as supermotos que se destacaram no EICMA. Entre os modelos de menor porte, a pequenina Kawasaki Z300 foi, de longe, a principal atração. Com visual que lembra as agressivas nakeds da família Z, a moto traz o mesmo propulsor de dois cilindros paralelos da Ninjinha 300 (também entrega os mesmos dados de desempenho). Antes restrita ao mercado asiático, a pequenina conta ainda com freios ABS como opcionais. 
Divulgação
Kawasaki Z300
HONDA RC 213V-S - A MAIS AGUARDADA
Entre todas as superesportivas mostradas em Milão, a Honda RC 213V-S, sem dúvidas, é a que gerou maior ansiedade quanto à estreia nas ruas. O motivo? Ela é basicamente a moto que rendeu ao espanhol Marc Márquez os dois últimos títulos da MotoGP, com leves adaptações para poder andar nas ruas. Equipada com propulsor V4 de 1.000 cc, a supermoto ainda não teve produção confirmada. Entretanto, há quem diga que chegará em breve às concessionárias, custando entre 100 mil e 150 mil euros (de R$ 320 mil a R$ 480 mil). 
Arthur Caldeira/Infomoto
Honda RC 213V-S
CROSSOVER - A PRINCIPAL TENDÊNCIA
É fato que as superbikes roubaram a cena e mostraram que o segmento ainda é importante para as fabricantes. No entanto, uma visita mais analítica aos estandes deixou claro que a onda crossover chegou de vez ao universo das duas rodas. Praticamente todas as grandes marcas criaram modelos que mesclam suspensão de longo curso, típica das off-road, a uma orientação indicada para longas viagens.

Quem ainda não tinha apostado neste segmento está correndo atrás do prejuízo, caso da Yamaha. A montadora nipônica adaptou a naked MT-09 para criar a estilosa MT-09 Tracer. Já a BMW, mostrou a S 1000 XR, que alia o visual da superesportiva S 1000 RR ao conjunto mecânico da naked S 1000 R. Marca da casa, a MV Agusta trouxe a Stradale (versão com malas da Rivale 800) e a Turismo Veloce 800, inspirada na esportiva F3. A Ducati, por sua vez, exibiu uma versão reestilizada da Multistrada 1200, com novo pacote eletrônico e motor mais potente.

Divulgação
BMW S 1000 XR

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos