Linha 2015 da Harley-Davidson mira mulheres e pilotos baixinhos

Arthur Caldeira

Da Infomoto, em Sonoma (Estados Unidos)

  • Divulgação

    Road Glide, touring para pilotos mais baixos e um novo triciclo são novidades

    Road Glide, touring para pilotos mais baixos e um novo triciclo são novidades

A Harley-Davidson está decidida a agradar cada vez mais seus consumidores e ir além da frase de efeito, o tal "customer-focused" (ou seja, o foco no consumidor). Prova disso é a linha 2015, anunciada na última semana em Sonoma (Estados Unidos), e que traz novos modelos.

Um deles, a touring Road Glide é um retorno, na verdade, com diversas melhorias ergonômicas, novo motor e visual renovado. Há versões "Low" (rebaixadas) da Electra-Glide Ultra Classic e Ultra Limited, projetadas também para pilotos de menor estatura. Há um novo triciclo baseado na Road King. E também mais opções de modelos CVO, como são chamadas as motos customizadas de fábrica, que estarão disponíveis a partir desse mês nas concessionárias norte-americanas.

"Ampliamos nossa gama de modelos com novidades focadas no consumidor. Queremos agradar nossos clientes fiéis e atrair novos consumidores", afirmou Cole Harris, do departamento de planejamento de produtos da Harley.

Este processo começou em 2013 com o anúncio do projeto Rushmore, que fez uma extensa pesquisa entre os "harlistas" sobre o que deveria ser alterado na linha Touring,  a mais importante da marca. Melhorias no sistema de entretenimento, refrigeração líquida no motor, aprimoramento da aerodinâmica e até mudanças no sistema de abertura das malas estavam entre os pedidos dos consumidores.

Já o lançamento global da linha Street de 500cc e 750cc e o projeto Livewire (de moto elétrica), visa atrair novos motociclistas para a marca. As mudanças na linha 2015 parecem ir na mesma direção. Confira em detalhes as novidades no line-up da centenária fabricante de Milwaukee.

Divulgação
ROAD GLIDE
Depois de ficar ausente da linha do último ano, a excêntrica Road Glide volta a integrar a família Touring. Caracterizada pela carenagem "nariz de tubarão" fixada ao guidão, o modelo é uma opção mais jovem e com cara de customizada à Street Glide, que usa a carenagem "asa de morcego", comenta Cole Harris.

Para 2015, ganhou o novo motor Twim Cam 103 High Output. Mas as principais mudanças ampliam o conforto aerodinâmico, o sistema de iluminação e a ergonomia. A inusitada carenagem tem agora dois faróis quadrados em LED e três dutos de ventilação. "o novo para-brisa fumê de 24 mm de altura ajuda a reduzir muito a turbulência no capacete", explicou o líder técnico de desenvolvimento, Glen Kovac. 

Mais inclinado para trás e recuado em 14 mm, o guidão permite que o piloto fique mais confortável. "Dessa forma, foi possível trazer o painel fixado na carenagem mais para trás e facilitar a visualização e o acesso do piloto ao novo sistema de entretenimento", completa Kovac.

A Road Glide conta com tela de cristal líquido de 4,3 polegadas, conexão Bluetooth e USB, além de dois alto-falantes.

Foi apresentada também uma versão Road Glide Special, com freios ABS Reflex e a tela de 6,5 polegadas com navegador por GPS, além de suspensão a ar ajustável na traseira e sistema Smart Security (chave presencial). Embora a Harley-Davidson não confirme, uma das duas versões da Road Glide deverá chegar ao Brasil no próximo ano. Seu preço é próximo ao da Street Glide nos Estados Unidos.

Divulgação
ULTRA CLASSIC E LIMITED LOW
De olho também no público feminino, a HD fez uma mudança ergonômica em seus dois principais modelos Touring: Electra Glide Ultra Classic e Ultra Limited ganharam a versão "Low", mais baixa. De acordo com Craig Russel, do departamento de planejamento de novos produtos, cerca de 20% dos compradores desses modelos medem em torno de 1,70 m.

As duas motos tiveram a suspensão rebaixada em uma polegada (2,54 cm); o banco ficou mais baixo, agora está a somente a 65 cm do solo. Os modelos estão mais confortáveis e seguros para motociclistas entre 1,65 m e 1,75 m. De quebra, ainda torna os grandes modelos Touring acessíveis às motociclistas, público que não para de crescer nos Estados Unidos e em todo o mundo.

O guidão está mais próximo, as manoplas têm diâmetro menor, o descanso lateral conta com um prolongador que facilita estacionar as motos e até mesmo a tampa da transmissão primária do lado direito ficou menor, tudo para "baixinhos" alcançarem o chão com mais segurança.

Neste primeiro contato com os modelos, do alto do meu 1,71 m, pude ver que as mudanças são bem-vindas e facilitam as manobras.

Divulgação
CVO
As motos Custom Vehicle Operations são criadas pelo departamento de veículos customizados da Harley a partir de modelos tradicionais. Em geral, têm motores mais potentes e acessórios. Para 2015, as duas principais novidades CVO são a Street Glide e a Road Glide.

Ambas ganharam o motor Twim Cam 110 Twim-Cooled preparados pela Screamin´Eagle (mais potentes, trazem refrigeração líquida e embreagem assistida); freios ABS; cruise control; e o sistema Boom Box com tela grande.

A Street Glide ganhou também mais dois alto-falantes nas malas traseiras com 300 Watts e, segundo a HD, o som mais potente a equipar suas motos. As opções de pinturas são bem radicais e chamativas. Já a Road Glide CVO, feita para promover ainda mais o retorno do modelo ao line-up, tem como principal diferencial um enorme top-case, além das malas laterais.

Como já está à venda no Brasil, tudo indica que a Street Glide CVO poderá ser uma novidade para os fãs brasileiros -- já que as motos dessa linha são sempre importadas e produzidas em pequeno número. A clássica Softail Deluxe e a Ultra Limited, ambas CVO, continuam à disposição com algumas atualizações e com todos os detalhes personalizados característicos da linha.

Divulgação
FREEWHEELER
Depois do sucesso do Tri Glide, o triciclo baseado na Electra Glide, a Harley decide apostar em outro veículo de três rodas.

O FreeWheeler lembra a Road King,menor, mais leve e estreito, sem carenagem frontal com o motor Twim Cam de 103 polegadas cúbicas (1.690 cm³). Com rodas largas e um pequeno baú traseiro para cargas, visa agradar também às mulheres, pelas dimensões reduzidas e facilidade ao pilotar.

Classificado quase como um automóvel pela legislação brasileira, o FreeWheeler não deverá vir ao país. Importado, custaria uma fortuna. E mesmo que fosse montado em Manaus (AM), na fábrica da Harley, não gozaria das mesmas isenções fiscais que os veículos de duas rodas.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos