Com novo motor e novas versões, Vespa mantém design charmoso

Carlos Bazela
Da Infomoto

Ela tem mais de 65 anos de idade e muita história para contar. Desde sua criação, em 1946, a Vespa foi de veículo militar a protagonista de filme. Na última semana, o Grupo Piaggio deu mais um passo e mostrou que o modelo -- precursor de todos os scooters -- está mais jovem do que nunca: as versões S e LX da Vespa agora são equipadas com um novo motor de três válvulas.

No visual, embora apresente as marcas da evolução ao decorrer dos anos, o scooter conserva a maioria dos elementos que o transformaram em ícone do design italiano. Continuam lá a roda dianteira presa por apenas um lado, inspirada nos trens de pouso aeronáuticos, o corpo volumoso abaixo do assento -- que lhe conferiu seu nome assim que o protótipo foi visto por Enrico Piaggio -- e o escudo frontal arredondado.

Apesar da inspiração clássica, as duas novas versões da Vespa trazem algumas diferenças entre si. Enquanto a LX faz uma releitura do estilo clássico do scooter com farol e retrovisores arredondados -- além de alças metálicas para apoio da garupa --, a Vespa S presta uma homenagem ao modelo comercializado na década de 1970. O farol e os espelhos retangulares, ao lado das rodas de liga leve na cor preta, formam um conjunto alusivo à Vespa 50 Special e à Vespa Primavera.

Os painéis também são diferentes. Embora apresentem as mesmas funcionalidades, a Vespa LX conta com um mostrador único de fundo claro, que reúne velocímetro e indicador de combustível analógicos sob uma mesma lente -- com as luzes de advertência em volta. Já a Vespa S optou por um painel de instrumentos mais sóbrio, com acabamento em preto e mostradores independentes.

Vejas as imagens das novas versões da Vespa
Veja Álbum de fotos

No corpo, as mudanças entre os modelos LX e S são ainda mais sutis. Nos “bojos” abaixo do assento, a Vespa LX ganhou entradas de ar maiores e retas, na medida em que a S recebeu mais ranhuras posicionadas de forma diagonal. O escudo frontal também muda de uma para a outra: a saliência que incorpora a entrada de ar na parte da frente da Vespa S é mais alongada, enquanto a versão LX ela recebeu um contorno mais discreto.

CORAÇÃO RENOVADO
Se no desenho as novas Vespas se mantêm fiéis às origens, na motorização o scooter italiano está mais moderno do que nunca. Cada uma é oferecida com quatro opções de motorização, sendo 50cc dois tempos, 50cc quatro tempos e os recém-desenvolvidos quatro tempos de 125cc e 150cc, com três válvulas, ambos com injeção eletrônica de combustível.

Os dois novos monocilíndricos de maior capacidade têm comando simples no cabeçote, geram 11,6 cv a 8.250 rpm (125cc) e 12,9 cv a 7.750 rpm (150cc) e têm torque máximo de 1,1 kgfm a 6.500 rpm e 1,3 kgfm a 6.250 rpm, respectivamente. Ambos refrigerados a ar, os novos motores têm uma válvula a mais no cilindro -- duas de entrada e uma de escape -- e são, segundo a Piaggio, mais potentes do que os da última geração, além de 30% mais econômicos.

Fora tudo isso, as duas versões conservam a sua essência, com transmissão automática tipo CVT -- padrão nos scooters -- e suspensões monoamortecidas dianteira e na traseira, mas com ajuste na pré-carga apenas na mola traseira. O freio dianteiro continua o mesmo disco hidráulico de 200 mm de diâmetro, mas o tambor traseiro está com 110 mm de diâmetro. Menor do que o da Vespa PX (150 mm).

NO MERCADO
Tanto a Vespa LX como a S com motor de três válvulas já estão disponíveis no mercado italiano em suas duas versões. Os preços do modelo LX são de 3.620 euros para a 125cc e 3.820 euros para a 150cc, algo em torno de R$ 9.335 e R$ 9.851 (euro a R$ 2,59). Já a versão com motor de 125cc da Vespa S é vendida por 3.770 euros, enquanto o modelo de 150cc sai por 3.970 euros, que equivalem a R$ 9.722 e R$ 10.238, respectivamente.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos