Honda Biz 125 abusa da praticidade e acaba sendo a queridinha das mulheres

Arthur Caldeira
Da Infomoto

  • Doni Castilho/Infomoto

    Além de prática, CUB de 125cc é flex e econômica: roda 42 km/l de etanol

    Além de prática, CUB de 125cc é flex e econômica: roda 42 km/l de etanol

  • http://img.uol.com.br/ico_verfotos.gif MAIS FOTOS DO MODELO

Os números não mentem. A Honda Biz é um sucesso de vendas no Brasil. Em 2011, foram emplacadas 222.679 unidades da pequena motoneta de 125cc -- número que a posiciona como a terceira moto mais vendida, perdendo apenas para as CG 125 e 150, e também como o quinto veículo no ranking dos campeões de vendas em todo o país. E uma curiosidade: grande parte desse sucesso deve-se principalmente à preferência das mulheres pelo modelo.

De acordo com a Honda, 71% das unidades de Honda Biz 125 comercializadas em 2011 foram adquiridas por mulheres e, em algumas regiões, essa porcentagem é ainda maior.

RECEITA ANTIGA
Independente da preferência, porém, a Biz é baseada numa receita muito antiga: a ideia de uma embreagem centrífuga, que dispensa o manete para ser acionada, foi criada há mais de 50 anos pela Honda para a Super Cub. O sistema proporciona diversas comodidades, a começar pela facilidade de pilotagem. Afinal, não é preciso "controlar" a embreagem em saídas e as trocas de marchas são feitas de forma bastante suave. Assim, bastou à Honda do Brasil adaptar a peça ao projeto nacional da Biz, lançada no mercado brasileiro em 1998.

Porém, o sistema não é somente fácil de usar, mas também prático e confortável. Certamente o câmbio rotativo com as quatro marchas para baixo é um dos fatores que atrai as mulheres, pois não estraga e nem marca os calçados. Até mesmo na última reformulação da Biz, ocorrida no modelo 2011, a marca redesenhou o pedal de câmbio e o apoio do calcanhar para que facilitasse a pilotagem com sapatos com salto. Claro, as consumidoras têm sempre razão.

O fato é que goste ou não -- e este repórter, particularmente, não gosta -- a embreagem automática com câmbio rotativo funciona muito bem na cidade e é bastante confortável no trânsito urbano.

Mas qual a vantagem em relação à transmissão por polia variável dos scooters? O desempenho. Poder reduzir uma marcha com o apoio do calcanhar, quando necessário, faz com que a o motor de 125cc da pequena Biz encare subidas com mais facilidade e vigor.

Aqui, vale ressaltar o maior torque dessa última versão da Biz, que passou a ser flex e ganhou balancins roletados no cabeçote do motor de 124,9 cm³, quatro tempos, arrefecido a ar, que gera potência máxima de 9,1 cv a 7.500 rpm e torque de 1,01 kgfm a 3.500 rpm, com ambos os combustíveis. 

Veja mais imagens da Biz 125
Veja Álbum de fotos

LEVINHA E BAIXINHA
Sem dúvida outro fator que atrai não apenas as mulheres, mas quem não se dá bem com uma moto maior, sobretudo nos espaços apertados da cidade, é o porte da Biz. Bastante leve (103 kg a seco), a motoneta é ágil no trânsito. Com rodas de 17 polegadas, na dianteira, e 14, na traseira, muda de direção com bastante facilidade e proporciona uma pilotagem leve. Além disso, a roda maior na frente garante uma estabilidade melhor do que nos scooters.

O banco a apenas 73,5 cm do solo também ajuda a pilotar na cidade e facilita a vida de quem tem menor estatura. Outra mudança bem vinda nesta última versão da Biz foi a nova ergonomia do modelo. A posição de pilotagem ficou mais natural com a elevação do guidão e o uso de um banco mais largo e um pouco mais alto na parte frontal, evitando assim que o piloto seja projetado para frente em frenagens ou buracos.

FICHA TÉCNICA

Honda Biz 125 EX

Motor: OHC, monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar
Capacidade cúbica: 124,9 cm³
Potência máxima: 9,1 cv a 7.500 rpm 
Torque máximo: 1,01 kgfm a 3.500 rpm
Câmbio: Semi-automático e rotativo de quatro marchas
Transmissão final: Corrente
Alimentação: Injeção eletrônica 
Partida: Elétrica (versões ES e EX) e a pedal (versão KS)
Quadro: monobloco
Suspensão: Dianteira por garfo telescópico com 100 mm de curso; traseira bichoque, com 85 mm de curso
Freio: Dianteiro a disco (versão EX) ou a tambor (versões KS e ES); traseiro a tambor de 110 mm
Pneu: Dianteiro 60/100 - 17M/C 33L; traseiro 80/100 - 14M/C 49L
Comprimento: 1.891 mm
Largura: 726 mm
Altura: 1.087 mm
Distância entre-eixos: 1261 mm
Distância do solo: 130 mm
Altura do assento: 753 mm
Peso a seco: 105 kg (EX), 103 kg (ES) e 101 kg (KS)
Tanque de combustível: 5,5 litros
Cores: vermelha metálica e preta metálica (EX)/ Rosa metálica, preta, prata e vermelha (ES e KS)

PRÁTICA E ECONÔMICA
Criada para ser prática desde a concepção de sua transmissão até os detalhes, a Honda Biz 125 é uma ótima companheira no dia-a-dia. Durante uma semana, troquei minha motocicleta pela pequena motoneta. Em vez do baú que uso para carregar minhas tralhas, utilizei o pequeno espaço sob o banco da Biz, que tem capacidade para acomodar 16 litros de carga. Ou seja, uma boa área para guardar vários objetos. 

Espaço este que existe graças à ideia dos projetistas da Honda aqui no Brasil, que desenharam rodas de diferentes diâmetros lá em 1998, quando surgiu a Biz. Somente com o uso da roda de 14 polegadas na traseira foi possível dotar a pequena motoneta de um porta objetos. Claro que sua capacidade não se compara à do baú, porém carreguei o macacão de chuva e uma pequena mochila sem problemas. E, na hora de estacionar, ainda dava para guardar um capacete aberto com tranquilidade. Já o pequeno gancho instalado na parte traseira do escudo frontal, é uma ótima ajuda para carregar compras.

O escudo, aliás, protege o ou a motociclista de eventuais respingos de água, lama ou sujeira que possam estar na via. Mais um ponto no quesito praticidade, com bônus de civilidade no complicado trânsito cotidiano.

Isso sem falar na economia de combustível. Equipada com motor flex, a Biz chegou a rodar 42 km/litro com etanol e mais de 50 km/litro com gasolina. Levando em consideração seu tanque de 5,5 litros (capacidade aumentada nesta última versão), a Biz roda facilmente mais de 200 km sem precisar de abastecimento.

Vale ressaltar que as médias de consumo foram obtidas na cidade e, caso for rodar na estrada, a Biz deve beber mais. Entretanto, por ser equipada com injeção eletrônica e ter uma bomba de combustível, a luz de reserva se acende bem antes de ocorrer uma pane seca, que pode ocasionar a queima da bomba. Outro inconveniente é o fato de que é preciso levantar o banco para abastecer a motoneta.

CONCLUSÃO
Mesmo não sendo fã do sistema de transmissão da Biz -- preferimos o tradicional câmbio das motos ou ainda o sistema totalmente automático dos scooters -- é preciso admitir que o sistema é bastante prático e tem suas vantagens.

Além disso, a Honda Biz 125 é uma boa opção para quem busca um meio de transporte fácil, econômico e acessível. 

Com versões que variam de R$ 5.380,00 (KS, com freio a tambor na dianteira e partida a pedal) até R$ 6.680,00 (EX, usada no teste, com rodas de liga-leve e freio a disco), a simpática Biz ganhou ainda um desenho renovado nessa sua última atualização. Com a mudança, ela se diferencia das mais populares motos street com câmbio tradicional e uma imagem de veículo utilitário.

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos