Ford lança sistema que chama o Samu em caso de acidente com o novo Ka

Fernando Calmon

Fernando Calmon

Colunista do UOL

Você vai ouvir muito sobre chamadas emergenciais automáticas (eCall, em inglês) a partir de carros acidentados. A iniciativa vem da Ford que lançará o serviço -- sem custo de utilização -- no novo Ka, em setembro. Na realidade, eCall já é oferecido no Brasil pela Volvo, mas nesse caso pago por incluir outros serviços e dispor de plantão 24/7. A Ford pretende estender o recurso para toda sua linha, a partir de 2015.

Hoje, no Brasil, há 41 milhões de telefones inteligentes (pouco além da frota real de veículos capaz de circular). Apesar de se agregar, como opcional, ao modelo mais barato da marca, na versão de entrada SE (R$ 35.395), o equipamento Sync de comandos de voz e pareável ao celular aparece de série na versão SE Plus por R$ 2.000 integrando a central multimídia com tela tátil. Isso permite o conceito correto de "olhos na estrada, mãos no volante", sem sujeitar o motorista a multa de trânsito.

A ligação automática ao 192, do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), depende da deflagração do airbag ou do desligamento da bomba de combustível que ocorre em fortes colisões traseiras, laterais, tombamento ou capotagem. (Assista ao vídeo no alto desta reportagem.)

Há três situações de grande utilidade: ocupantes inconscientes ou imobilizados, mensagem padronizada repetida duas vezes e fornecimento ao atendente das coordenadas de localização do veículo. No caso de o carro sair da pista e se chocar com obstáculo, à noite em especial, pode não haver testemunhas do acidente, e aí o eCall é ainda mais útil.

Óbvio que outros fatores intervêm no processo, a começar pela infraestrutura de telecomunicações, embora uma chamada de emergência ocorra por qualquer rede disponível, independentemente da utilizada pelo dono do telefone. A celeridade do socorro também precisa de eficiência. Essas pré-condições estão postas, dentro da realidade do país.

Há ainda um passo adicional: inclusão do chip telefônico no próprio sistema multimídia interativo. Certamente a Ford e outros fabricantes que não quiserem ficar para trás nessa corrida de prestação de serviços poderão oferecer essa opção. Entre outras vantagens, como melhoria de captação de sinal de celular, garante a eCall no caso de o telefone ter sido danificado em um acidente grave, o que de fato pode ocorrer, ou simplesmente sua bateria descarregar.

LÁ FORA
Essa iniciativa já existe em outros países, como o OnStar (serviço pago) da GM, nos EUA. A Ford também o introduziu na Índia, porém em modelos mais caros. A Europa, no entanto, procura tornar o serviço obrigatório desde 2004. Os problemas lá são parecidos aos daqui porque, embora bem menos graves, existem zonas de "sombra" de sinal celular em áreas remotas, a eficiência do socorro varia entre diversos países e ainda há a barreira de diferentes idiomas.

Em razão do sistema europeu ainda precisar de ajustes, além de investimentos públicos e privados, sofreu vários adiamentos. Agora há um novo prazo: outubro de 2017. Lá existe a consciência de valorizar a vida e do rápido socorro aos acidentados.

Os três níveis de governo no Brasil deveriam estar preocupados com este assunto em razão do aumento da frota, dos acidentes e da fraca cobertura celular. Por enquanto, se colocam a reboque dos fabricantes de veículos. Será que o Samu estará mesmo preparado para a previsível expansão das eCalls no Brasil e, mais do que ele, os hospitais?

Siga o colunista: twitter.com/fernandocalmon


RODA VIVA
''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
+ Fenabrave, a pedido deste colunista, quantificou a queda dos modelos de entrada (faixa abaixo de R$ 30.000, a preços de hoje) na participação de vendas de automóveis. Em 2003 representavam 50,8%; em 2013, apenas 28,6%. Reflexos de maior poder aquisitivo, diminuição real de preços e evolução natural do consumidor.

+ Outro fenômeno mais recente: escalada de picapes compactas, puxada em maior parte pela Strada. Chegou à décima colocação dos mais vendidos, numa primeira etapa. E a cabine dupla de três portas, em apenas seis meses, representa 50% das vendas totais do modelo. Com esse desempenho pode garantir, em 2013, posição firme entre os cinco primeiros.

+ Igual sorte não bafeja o Linea. Sofre forte concorrência interna do Grand Siena (até no porta-malas), embora passe sensações melhores quanto à atmosfera a bordo, qualidade de materiais e, principalmente, isolamento acústico. Motor de 1,8 L é adequado, mas espaço igual ao do Punto nos bancos dianteiros atrapalha bastante. Não tem como enfrentar os reais médios-compactos.

+ Correções: produção acumulada do utilitário Troller, desde o início em 1995, alcançou cerca de 15.000 unidades. Os incentivos federais da Ford para Camaçari (BA) e Horizonte (CE) continuarão até 2020. Parte dos incentivos estaduais, porém, se encerra em 2015.

+ Governo federal adiou por dois anos os rastreadores em veículos à venda no Brasil não apenas por dificuldades técnicas. Há duas ações na Justiça questionando quanto ao direito de privacidade. Por outro lado, cerca de 200 empresas oferecem o serviço. Quem se interessar estará servido. Não tem sentido impor esse acessório.

Fernando Calmon

Fernando Calmon, engenheiro, é jornalista especializado no setor automobilístico desde 1967, quando produziu e apresentou o programa 'Grand Prix' na TV Tupi, no ar até 1980. Dirigiu a revista AutoEsporte por 12 anos e foi editor de automóveis das revistas O Cruzeiro e Manchete. Entre 1985 e 1994, produziu e apresentou o programa 'Primeira Fila' em cinco redes de TV. A coluna Alta Roda, criada em 1999, é publicada semanalmente -- na internet, é exclusiva de UOL Carros. Calmon também atua como consultor em assuntos técnicos e de mercado na área automobilística, e como correspondente para o Mercosul do site inglês just-auto. Email: fernando@calmon.jor.br

UOL Cursos Online

Todos os cursos