Novo Renault Sandero mostra que mercado dos compactos está mais exigente

Fernando Calmon

Fernando Calmon

Colunista do UOL
  • Rodolfo Buhrer/La Imagem/Divulgação

    Sandero ganhou novos itens de série e ficou, em média, 5% mais barato. Manobra da Renault indica novo posicionamento do brasileiro em relação ao concorrido mercado dos compactos: disposição para pagar um pouco mais, desde que marcas ofereçam "mais por menos"

    Sandero ganhou novos itens de série e ficou, em média, 5% mais barato. Manobra da Renault indica novo posicionamento do brasileiro em relação ao concorrido mercado dos compactos: disposição para pagar um pouco mais, desde que marcas ofereçam "mais por menos"

A vida vai ficar cada vez mais difícil para fabricantes que "militam" no disputado mercado brasileiro de compactos. Afinal, são nada menos de 28 modelos no mercado, entre nacionais e importados (incluídos quatro subcompactos), que representam 53% ou 1,5 milhões de unidades vendidas por ano. Cobiçado por todas as marcas, o segmento tem aumentado seu grau de exigência, pois os compradores estão dispostos a gastar um pouco além, desde que se ofereça mais por menos.

Recado entendido pela Renault, que começa a vender daqui a duas semanas a segunda geração do Sandero. A empresa partiu para uma virada cultural, de estilo à engenharia, o que aumentou sua atratividade sem deixar de lado o conceito quase-médio a preço de compacto. Manteve a versão de entrada abaixo dos R$ 30.000 (R$ 29.890), e agregou direção de assistência hidráulica como item de série. Na média das três versões, derrubou o preço em 5% -- o que não é pouco --, e ampliou o conceito de inovação acessível, iniciado ainda na primeira geração com o sistema de navegação GPS. 

Divulgação
Com um motor 1.0 potente e econômico, mais um pacote também recheado de itens, novo Ford Ka será mais um concorrente de respeito no já populoso segmento dos compactos
Agora é possível ter câmera de ré, sensores traseiros de estacionamento e ar-condicionado digital, por exemplo, na versão de topo, por ainda bem interessantes R$ 43.820. A fábrica investiu em aerodinâmica (Cx reduzido de 0,38 para 0,35), arcabouço estrutural (deve melhorar nos testes de impacto), adotou motor de 1 litro mais evoluído (mesmo do Clio e Logan), melhorou as suspensões (bitolas maiores), cuidou melhor do interior (novo quadro de instrumentos e acabamentos) e até caprichou no desenho das calotas para aro de 15 polegadas (rodas de liga leve, só na versão mais cara).

O Sandero manteve credenciais de ótimo espaço interno para pernas (entre-eixos de 2,59 metros), largura para ombros e porta-malas referencial no segmento com 320 litros. Também resolveu coisas simples, como a realocação do comando elétrico dos espelhos externos, mas o tanque de combustível deveria comportar mais de 50 litros.

Numa primeira avaliação, dá para notar mais silêncio a bordo e a direção ganhou respostas um pouco melhores, apesar da regulagem de altura do volante desagradável, do tipo "queda-livre". O desenho dos instrumentos é honesto, mas a leitura deixa a desejar, e alavanca de câmbio continua sensível aos movimentos bruscos de aceleração. O motor 1.6 (106/98 cv, movido com etanol/gasolina) ficará rapidamente em desvantagem frente aos concorrentes, enquanto o 1.0 (80/77 cv, na mesma ordem dos combustíveis), que ainda responde por 40% das vendas, tem adversários incômodos na tendência dos três-cilindros.

Dentro de 45 dias chegará o câmbio automatizado de uma embreagem, que substituirá o automático da geração anterior. Fabricado pela ZF, custará em torno de R$ 3.000 e, assim, potencializa aumentar a participação atual nas vendas de 5% para pelo menos 10%.

A Renault pretende manter o Sandero entre os 10 automóveis mais vendidos do país (começou como 17º, em 2007, e hoje briga até por lugar entre os cinco primeiros). Não será fácil, especialmente com o avanço do Volkswagem up! e do novo Ford Ka, este a partir de agosto. Estará contente, porém, se ficar entre os três preferidos numa lista que considera concorrentes mais diretos, como Ford Fiesta, Volkswagen Fox, Hyundai HB20 e Chevrolet Onix. Estes modelos teriam resultados menos afetados por vendas a frotistas.

Álbum exclusivo mostra como ficou o novo Sandero
Veja Álbum de fotos

RODA VIVA
''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''
+ Desde o final do primeiro trimestre já se considerava certo IPI reduzido até o fim do ano. E acabou confirmado. Desânimo com a economia brasileira, crédito restrito, acomodação após nove anos de crescimento e antecipação de vendas nos momentos de euforia são explicações para duas quedas sucessivas: 1% em 2013 e até 5% este ano (ao que tudo indica).

+ Troca inteligente: sairia a discutível obrigatoriedade (futura) de rastreadores e entrariam equipamentos de segurança de baixo custo. Há até o mote da década de segurança viária, campanha da ONU que o Brasil abraçou e quase nada fez. Não se pode continuar a oferecer carros sem pelos menos dois cintos retráteis e dois apoios de cabeça no banco traseiro como equipamentos de série.

+ A Ford confirmou que versão sedã do novo Ka terá apenas o sinal "+" para se diferenciar do hatch. Na realidade, o novo modelo só herdou o nome do antigo Ka. Sua arquitetura é a mesma do novo Fiesta, inclusive distância entre-eixos. Apenas os balanços dianteiro e traseiro serão menores, mas o formato da carroceria melhora o espaço interno.

+ A Fiat retirou o nome Palio da versão 2015 da station Weekend. O que aparentemente significaria apenas uma simplificação, na realidade reflete o menor interesse dos compradores pelas peruas, em razão do avanço dos utilitários esporte (SUVs). Já se prevê, infelizmente, o fim desse segmento no Brasil em poucos anos. A própria Weekend, por exemplo, não terá sucessora.

+ A Volvo, fabricante paranaense de caminhões, fez um ótimo trabalho que chamou de atlas da acidentalidade no transporte rodoviário brasileiro, focado em veículos pesados. A publicação traz uma compilação de dados oficiais de todos os tipos de acidentes em estradas federais do País. Esperamos que tenha eco nas decisões por um trânsito mais seguro.

up! tira duas portas para ganhar espaço
Veja Álbum de fotos
Onix LTZ 1.4 Automático é o topo
Veja Álbum de fotos

Fernando Calmon

Fernando Calmon, engenheiro, é jornalista especializado no setor automobilístico desde 1967, quando produziu e apresentou o programa 'Grand Prix' na TV Tupi, no ar até 1980. Dirigiu a revista AutoEsporte por 12 anos e foi editor de automóveis das revistas O Cruzeiro e Manchete. Entre 1985 e 1994, produziu e apresentou o programa 'Primeira Fila' em cinco redes de TV. A coluna Alta Roda, criada em 1999, é publicada semanalmente -- na internet, é exclusiva de UOL Carros. Calmon também atua como consultor em assuntos técnicos e de mercado na área automobilística, e como correspondente para o Mercosul do site inglês just-auto. Email: fernando@calmon.jor.br

UOL Cursos Online

Todos os cursos